Olhar Agro & Negócios

Terça-feira, 26 de março de 2019

Notícias / Agronegócio

Em Miami, Blairo Maggi afirma que agricultura crescerá sobre áreas de pastagens desativadas

Da Redação - Viviane Petroli

02 Fev 2017 - 11:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Em Miami, Blairo Maggi afirma que agricultura crescerá sobre áreas de pastagens desativadas
A agricultura brasileira deverá ganhar espaço sobre área de pastagens desativadas. Segundo o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, existe muita desinformação quanto à produção brasileira de alimentos. Em Miami, na última segunda-feira, 30 de janeiro, Maggi afirmou ainda que o exemplo do Brasil deverá ser seguido.

A agricultura brasileira ocupa hoje 8% do território nacional. Durante palestra em seminário sobre a Indústria na América Latina, o ministro Blairo Maggi, destacou que tal área deverá crescer sobre pastagens desativadas e não sobre novas áreas.

Leia mais:
Retenção de fêmeas permite aumento em quase 1 mi de cabeças no rebanho bovino e bubalino em Mato Grosso

Em Mato Grosso, como o Agro Olhar já comentou, a pecuária nos últimos três a quatro anos estimula-se que tenha perdido cerca de um milhão de hectares para a agricultura. De acordo com o diretor técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco Manzi, em recente entrevista ao Agro Olhar, apesar da redução da área de pastagem houve ganho em produtividade e aumento do rebanho bovino motivado pela melhora em genética, alimentação e tecnificação.

A passagem por Miami, nos Estados Unidos, faz parte da viagem do ministro Blairo Maggi que teve início na Alemanha e incluiu participação em reunião de ministros da Agricultura dos países do G20, visita aos parlamentos alemão e europeu, encontro com deputados do Partido Verde, em Berlim, reuniões com políticos e empresários na Europa.

Conforme o Ministério da Agricultura, uma das bandeiras defendidas por Maggi, no exterior era mostrar que os agricultores e o agronegócio no Brasil respeitam as regras ambientais e que tal reforço precisa ser reconhecido.

Maggi ainda ressaltou em Miami que pesquisas desenvolvidas na Embrapa tem contribuído para uma agricultura sustentável baseada em tecnologia.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João Menna Neto
    03 Fev 2017 às 09:22

    O nobre ministro descobriu o óbvio. A expansão da agricultura não é o principal problema a ser superado. A questão da agricultura empresarial está em como reduzir o uso excessivo de agrotóxico. Esse sim, é um ponto preocupante. Mas, o MAPA se cala diante o fato, apesar de sua repercussão abrangente atingindo o ser humano, água, solo e ar. Eis a questão, senhor Ministro!!!!

  • Lucas Pedro
    03 Fev 2017 às 07:44

    Realmente é possível que áreas de pastagem abandonada sejam aproveitadas para agricultura. Entretanto, em geral, essas áreas de pastagem são áreas degradadas, principalmente pela compactação do solo. Será necessário um bom gasto na recuperação do solo. Até aí tudo bem, o problema é que a forma como a agricultura é tocado no Brasil também degrada o solo, desta vez em suas propriedades químicas e biológicas, pois são usados defensivos agrícolas altamente tóxicos. Então fica o dilema: planta-se mais e polui-se mais ou não planta-se e não polui-se, contudo a demanda mundial é cada vez maior.

Sitevip Internet