Agro Olhar

Segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Notícias / Meio Ambiente

Europa investe em Mato Grosso cerca de cinco milhões de euros em projetos voltados para a produção sustentável

Da Redação - Viviane Petroli

19 Mar 2017 - 13:00

Foto: Pauta Pronta/Reprodução

Europa investe em Mato Grosso cerca de cinco milhões de euros em projetos voltados para a produção sustentável
Países da Europa, em busca de alimentos mais sustentáveis, investem cerca de cinco milhões de euros em Mato Grosso em projetos voltados para o campo. Segundo o IDH - Iniciativa para o Comércio Sustentável, os países europeus investem no Estado diante suas próprias metas de redução da emissão de carbono e pela necessidade do consumidor em saber que os produtos que consomem não colaboram para a destruição da biodiversidade.
 
Criado pelo governo da Holanda há 10 anos, o IDH é uma fundação com o objetivo de transformar as principais commodities agrícolas do mundo, como o próprio dendê, a soja, o algodão, o cacau, o café, em commodities mais sustentáveis.

Leia mais:
Plano de conservação ambiental para Serra Ricardo Franco é traçado pelo Governo de Mato Grosso
 
O IDH, conforme a líder do Programa de Territórios da fundação no Brasil, Daniela Mariuzzo, tem uma estrutura que atua em cerca de 50 países no mundo, onde há expressiva produção de commodities. Somente no Brasil, a instituição formada pela Holanda, Noruega, Suíça e Dinamarca atua há seis anos aportando recursos em projetos no campo juntamente com a iniciativa privada.
 
"Nós trabalhamos nesse conceito de co-financiamento do projeto, onde colocamos recursos públicos e privados para gerar essa transformação na produção agrícola", explica Mariuzzo.
 
Em Mato Grosso, o IDH atua há três anos com a abordagem territorial, aonde se trabalha não só dentro da propriedade rural para melhorar os índices socioeconômicos ambientais, mas também na região como um todo.
 
A líder do Programa de Territórios do IDH no Brasil explica, ainda, que em Mato Grosso cerca de cinco milhões de euros foram aplicados em projetos desenvolvidos no campo. Deste montante aproximadamente um milhão de euros são aplicados em dois projetos, sendo um na região do Vale do Araguaia em parceria com o Grupo Roncador e a ONG TNC, visando a redução de baixo carbono, e outro projeto em parceria com a Amaggi e a ONG Aliança da Terra, que visa apoio aos produtores de soja para que eles possam melhorar a produtividade, a gestão socioambiental dentro da fazenda e endereçarem o restauro de áreas degradadas de APP.
 
"Nós temos a previsão de estabelecer mais cinco projetos territoriais aqui em Mato Grosso, onde nós também estaremos aportando possivelmente cerca de 4 milhões de euros para investir em projetos no campo", revela. Mariuzzo acrescenta ainda que "A gente está trabalhando esse conceito territorial justamente para favorecer também para que o mercado (consumidor e de processamento de commodities) se aproxime cada vez mais do Mato Grosso, porque vamos ter essas regiões com menor risco socioambiental aqui".
 
O IDH atua também em Mato Grosso auxiliando o Governo do Estado com a Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI). Tal apoio é realizado através da estruturação do programa, com aporte de recursos para pessoal e desenho da sua estratégia, além da construção da aproximação do PCI com o mercado consumidor europeu.
 
"Em maio de 2016 nós trouxemos as empresas que fazem parte de um fórum de bens de consumo, são mais de 400 empresas com compromissos globais em relação à originação da matéria-prima, para cá para conhecer o que é a proposta do PCI para iniciar uma relação mais forte, de conhecimento de como a matéria-prima é no Estado produzida, pois de fato a maior parte dela é produzida de forma sustentável", diz Mariuzzo.
 
Questionada sobre o porque de países europeus, como Holanda, Noruega, Suíça e Dinamarca, investirem em Mato Grosso, Mariuzzo explica que "os países europeus eles têm as suas próprias metas de redução da emissão de carbono, que foram compactuadas em eventos globais", bem como a "questão da necessidade do consumidor europeu de saber que os produtos que eles estão consumindo de fato não estão destruindo  ou colaborando de uma forma mais rápida para a destruição da biodiversidade".

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • juarez alves de sena
    24 Set 2017 às 09:41

    eu li a materia e fiquei muito satisfeito com essa integraçao européia ,isso e muito bom pois eles tem dinheiro e nos temos solo clima e logistica , mas em financiar empresa tais como magi , ai e uma piada pois esses caras desmatam o quanto pode dentro e muito mais fora das lei e nesse caso correm atraz de ONGS para angariar recursos pra conter erros pois eles sao fartos de grande maquinas e tem um grupo forte de agronomos que atuam em pros da empresa , teria que dar uma poniçao das mais pesadas , pra esses terrorista de m.t ,agora os pequenos sim principalmente os sitiantes que so tem uma enxada um enchadao o dia e a noite e a terra , claro mas nao tem recurssos pra se produsir , sera que a esecutiva do programa IDH, SABEM DISSO espero que a senhora DANIELA MARIUZO VEJA ISSO COM ATENÇAO , , UM GRANDE ABRAÇO

Sitevip Internet