Agro Olhar

Sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Notícias / Logística

Orçada em US$ 50 bi, Ferrovia Bioceânica será debatida por comissão no Senado nesta terça-feira

Da Redação - Viviane Petroli

17 Abr 2017 - 15:43

Foto: Reprodução/Internet/Ilustração

Orçada em US$ 50 bi, Ferrovia Bioceânica será debatida por comissão no Senado nesta terça-feira
Com traçado passando por Mato Grosso e um custo estimado de obra em US$ 50 bilhões, viabilidade técnica e econômica da Ferrovia Bioceânica será discutida em audiência pública pela Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado. Modal é discutido há cerca de dois anos e a previsão é que sejam escoados 23 milhões de toneladas, podendo dobrar o volume total em 25 anos.

Leia mais:
Ferrovia Transoceânica é viável e pode ser construída em 9 anos, mostra estudo chinês
 
A viabilidade técnica e econômica da Ferrovia Bioceânica, planejada para ligar o Brasil ao Oceano Pacífico, será discutida na Comissão de Infraestrutura (CI) no Senado nesta terça-feira, 18 de abril.
 
Segundo informações da Agência Senado, foi convidado para a audiência pública o representante da China Railway Engineering Corporation, responsável pelo estudo de viabilidade da obra. Além dele estão confirmados também Bruno Nunes Sad, diretor de Infraestrutura de Logística do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e Maurício Alves da Costa, secretário da Coordenação-Geral de Assuntos Econômicos Latino-Americanos e Caribenhos do Ministério das Relações Exteriores.
 
A ferrovia terá quase 5 mil quilômetros de extensão. O traçado começa por Goiás e cruzará a Cordilheira dos Andes, a 2.050 metros de altitude, até chegar a Bayovar, no norte do Peru.
 
O debate, segundo a Agência Senado, foi solicitado pelo senador Jorge Viana (PT-AC) e teve apoio do presidente da CI, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), e dos senadores Acir Gurgacz (PDT-RO), Wellington Fagundes (PR-MT) e Romero Jucá (PMDB-RR).
 
Em junho de 2015, uma comitiva formada pelo embaixador da China no Brasil, Li Jinzhang, e 23 empresários chineses estiveram em Mato Grosso para conhecer as potencialidades dos municípios por onde a ferrovia irá passar, bem como a infraestrutura do Estado. O grupo chegou a percorrer na época os municípios de Comodoro, Campos de Júlio, Sapezal, Campo Novo do Parecis, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde.
 
No mês de julho de 2016 a empresa chinesa CREEC, contratada pelo governo chinês para desenvolver os estudos de viabilidade do modal, revelou que a Ferrovia Bioceânica, também conhecia como Transoceânica, que liga o Brasil ao Oceano Pacífico é viável para o escoamento da produção brasileira e pode ser construída em nove anos.
 
Como o Agro Olhar comentou na época, a China já havia desembolsado R$ 200 milhões nos levantamentos, porém ainda era necessário estudar os custos da construção, em especial na Cordilheira dos Andes.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lisandro Peixoto Filho
    17 Abr 2017 às 22:03

    Século de atraso ao desenvolvimento do país pela opção única nos anos 50 pelo transporte rodoviário, e não em quatro frentes, que rodoviário, aéreo, aquático , e ferroviário . A opção rodoviária , trouxe desenvolvimento pontuais onde instaladas as montadoras, mas nas demais regiões devido a grande extensão territorial até hoje sofrendo nos atoleiros das estradas de terra, ou nas asfaltadas de péssima qualidade, que ceifando vidas humanas, danificando veículos automotores, perdas de cargas, portanto alto custo e risco. Na estrada férrea está a solução para o transporte de carga e de pessoas, assim como sair da dependência das montadoras.

  • GUARÁ
    17 Abr 2017 às 21:55

    É mais fácil o homem chegar ao planeta Marte do que essa ferrovia sair. Pra começar, essa ferrovia teria de ter bitola larga. No Brasil tem trechos de bitola larga e estreita. Isso tem que ser padronizado. Falam sobre o custo dessa propalada ferrovia em 50 bi mas tá na cara que no frigir dos ovos ficará 20 por cento ais cara. O preço internacional do aço, o custo dos trens, locomotivas se vai ser a diesel ou elétrica. Se essa guerra da Coreia estourar, e se a China de repente mudar de ideia e entrar nessa guerra pra valer, o preço do diesel, e do aço, vai pra estratosfera. E aí meu amigo, a vaca vai pro brejo.

Sitevip Internet