Olhar Agro & Negócios

Quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Notícias / Economia

Kroton vende unidades da Unic e Anhanguera em Mato Grosso por R$ 50 milhões

Da Redação - Lázaro Thor Borges

02 Set 2017 - 08:40

Foto: Venda fazer parte de acordo firmado com o Cade em 2014

Kroton vende unidades da Unic e Anhanguera em Mato Grosso por R$ 50 milhões
O Grupo Kroton Educacional, a maior empresa privada do mundo no ramo da educação, anunciou nesta sexta-feira (31) a venda de três faculdades controladas pelo grupo em Cuiabá e Rondonópolis.

Leia mais:
Kroton vende Uniasselvi para fundos por até R$1,105 bilhão


As Faculdades Integradas de Rondonópolis (Unic-FAIR), o Instituto de Ensino Superior de Cuiabá e a Faculdade de Mato Grosso (FAMAT-Anhaguera) foram vendidas por um valor total de R$ 50 milhões. 

As duas instituições de ensino foram vendidas a Treviso Empreendimentos e Participações S.A., uma empresa que diferente da Kroton não está na Bolsa de Valores, mas que recebe investimento da TCG Gestor Ltda., da Vinci Capital e da Santander Securities Services Brasil DTVM S.A., ligada ao Banco Santander.

O negócio faz parte do Acordo de Controle de Concentração (ACC) firmado entre o grupo e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2014. Na época, a Kroton teve de assinar o documento para que a sua fusão com as Faculdades Anhanguera fosse aprovada pelo órgão. 

A preocupação do Cade naquela ocasião era de que a fusão criasse um monopólio de mercado que desestimulasse a competição e prejudicasse as concorrentes diretas. O Conselho registrou preocupações concorrenciais exatamente em cursos de Cuiabá e Rondonópolis.

Antitruste

Apesar do desinvestimento em algumas faculdades e a venda de outras, a Kroton não deixou de avançar ainda mais no mercado do ensino superior no Brasil. Em junho deste ano, o Grupo foi barrado pelo Cade quando tentou uma novo grande negócio, dessa vez com a Estácio Participações S/A, que seria comprado pela Kroton.

Um parecer emitido pela Superintendência-Geral do Cade em fevereiro já calculava que o ato de concentração oferece riscos à concorrência, e que não há eficiências específicas e verificáveis que possam ser repassadas ao consumidor. Desta vez, o Cade verificou que a aquisição da Estácio pela Kroton geraria ausência de rivalidade de mercado em pelo menos oito municípios.

São eles: Macapá, Campo Grande, Niterói, São José, Santo André, São Luís, Belo Horizonte e Brasília. Já na modalidade de ensino à distância (EAD), o Conselho apontou que a Kroton possui 37% do mercado, e passaria a deter 46% após a operação, o que aumentaria ainda mais ainda a sua capacidade nacional.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lucas
    18 Set 2017 às 23:23

    não sei se vai melhorar ou piorar o ensino, a gestão e etc... O "impacto" dessa mudança/venda talvez possa ser sentido dentro da sala de aula.

  • Sara
    07 Set 2017 às 20:52

    Isso é verdade? Por que recentemente teve uma reunião, e o pessoal informou que o Grupo Kroton não vendeu a unic

  • vitor
    04 Set 2017 às 19:06

    Melhorar o serviço nas faculdades já existentes nada... O negócio é colecionar universidades sem se preocupar com a qualidade.

  • breno
    04 Set 2017 às 13:01

    sao alunos de aulas on line.

  • Cesar
    03 Set 2017 às 14:26

    Acabaram com o curso de medicina da Unic, implantaram o método PBL, um lixo, os alunos não aprendem nada, são chamados pelos veteranos de alunos nutella. Os alunos do PBL acham que sabem muito, penduram no pescoço um estetoscópio e saem todos empolgados, mas na verdade não tem base de nada, acabaram com o ciclo básico de aprendizagem, pularam lá pra frente sem saber nada. PBL é pra país de primeiro mundo como Canadá e Holanda onde foram os fundadores deste método.

  • Will
    03 Set 2017 às 14:08

    Com o valor dos salários que estas faculdades pagam, nunca vai se conseguir manter um corpo docente qualificado para que se busque melhora na qualidade do ensino. Outro ponto, se estas faculdades quisessem mesmo buscar qualidade, o número de graduados cairia consideravelmente, pois seria necessário aumentar a exigência e é exatamente o que o discente dessas faculdades, salvo exceções, não querem.

  • Júnior
    02 Set 2017 às 13:01

    Essa Kroton e um lixo, só pensa em ganhar dinheiro, e se tiver oportunidade de atrapalhar os alunos e tirar mais dinheiro deles eles fazem.

  • Plinio
    02 Set 2017 às 09:56

    O que se deve fazer é demitir o corpo docente que é muito ruim e comprometedor. Vamos esperar que o próximo grupo para o bem da educação no estado tome iniciativa nesse sentido. Caso permaneça como está, nada vai mudar.