Agro Olhar

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Pecuária

Decreto assinado por Fávaro é classificado como "interferência imprópria do Executivo" por pecuaristas

Da Redação - André Garcia Santana

13 Nov 2017 - 15:48

Foto: Reprodução/Gcom MT

Decreto assinado por Fávaro é classificado como
Os produtores de gado de corte e representantes da indústria da carne de Mato Grosso manifestam-se contrários ao Decreto nº. 1.260, que altera o destino de recursos de um fundo privado sem o prévio alinhamento com seus mantenedores, os produtores de carne. O documento regulamenta a Lei nº 10.486 e prevê a aplicação de recursos dos fundos para fortalecimento da defesa sanitária - prevenção de doenças e indenização - e viabilização de recursos para a promoção e fomento da cadeia do leite e da carne.

Leia mais:
Estado regulamenta defesa sanitária e prevê aplicação de recursos para cadeias da carne e leite

A medida foi assinada pelo governador em exercício, Carlos Fávaro, na última sexta-feira (10). Por meio de nota, as entidades representativas do setor informaram que uma possível mudança para a destinação do FESA para o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (INDEA) e para o Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), já vinha sendo discutida com representantes da cadeia produtiva da carne e do governo do Estado.

Porém, as tratativas ainda estavam em andamento quando o Decreto nº 1.260 foi assinado, configurando uma interferência direta e imprópria do Poder Executivo. Diante da situação, as instituições defendem que qualquer alteração nas normas e procedimentos do FESA seja feita mediante consulta, amplo de debate e anuência de seus contribuintes.

Foi reforçado ainda que o setor é o principal interessado no fortalecimento das entidades que regulam e promovem o setor e, por isso, não se abstém do direito de participar da formulação das regras que normatizam os recursos por eles recolhidos.

“Sendo assim, os órgãos aguardarão a publicação do Decreto nº1.260 para sua profunda análise e posterior manifestação sobre as alterações, uma vez que não serão admitidas interferências nas normativas que regulamentam o Fundo Emergencial de Saúde Animal do Estado de Mato Grosso - FESA. Por fim, o setor produtivo reitera sua disponibilidade para discutir com todos os integrantes da cadeia da carne os melhores caminhos para o fortalecimento da produção e para o desenvolvimento do Estado de Mato Grosso”, diz a nota.

Assinam o documento a Associação dos Criadores de Mato Grosso – ACRIMAT, Associação dos Criadores do Sul de Mato Grosso - CRIASUL, Associação dos Criadores do Norte de Mato Grosso - ACRINORTE, Associação dos Criadores do Vale do Arinos – ACRIVALE, Sindicato da Indústria Frigorífica do Estado de Mato Grosso – SINDIFRIGO-MT, e o Fundo Emergencial de Saúde Animal do Estado de Mato Grosso – FESA.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Produtor rural
    13 Nov 2017 às 22:18

    O dinheiro e público mas GERIDO pela iniciativa privada aí ficam esse mí mi mi sem fundamento ATÉ PORQUE é uma anistia aos produtores a contribuição ao FESA diga-se de passagem criada por eles mesmo.

Sitevip Internet