Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Notícias / Economia

​Maggi afirma que chegada de ferrovia a Cuiabá pode fomentar a criação de um pólo industrial na capital

Da Redação - Vinicius Mendes

06 Ago 2018 - 11:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

​Maggi afirma que chegada de ferrovia a Cuiabá pode fomentar a criação de um pólo industrial na capital
O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que a ampliação da malha ferroviária em Mato Grosso, inclusive com uma ligação que passa por Cuiabá, poderá trazer indústrias para a Capital.

A intenção dos professores que criaram a proposta das duas ligações ferroviárias, uma ligando o município de Alto Araguai a Uberlândia (MG) e outra ligando Rondonópolis a Cuiabá e Sinop, é de ir além do transporte das safras e criar um pólo industrial no Estado. Um seminário acontece nesta segunda-feira (6) na Assembleia Legislativa para discutir este tópico.
 
Leia mais:
Ferrovia entre MT e SP teve investimentos de R$ 200 mi e deve receber fertilizantes em abril
 
O projeto foi elaborado pelos professores Luiz Miguel de Miranda, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Sílvio Tupinambá, da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e também por Carlos Antônio Garcia.

O intuito é que o Governo Federal abra para a licitação dois projetos de interesse para Mato Grosso, a ligação ferroviária de Rondonópolis /Cuiabá/Sinop (EF-262), ligando o Estado de norte a sul e a Ferrogrão que em breve será licitada.

A outra proposição da Proposta de Manifestação de Interesse (PMI) é ligar Alto Araguaia, em Mato Grosso, a Uberlândia, em Minas Gerais. Este trecho conecta com a Ferrovia Norte Sul em Rio Verde, em Goiás, e com a Ferrovia Centro Atlântica, em Uberlândia.

Para discutir este tema, acontece hoje (6) na Assembleia Legislativa o I Seminário de Transporte Multimodal de Mato Grosso. O evento contou com a presença de políticos como os deputados Wilson Santos (PSDB) e o presidente da ALMT, Eduardo Botelho (DEM), além de estudantes, pesquisadores, do reitor em exercício da UFMT, o professor Evandro Soares e do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (FIEMT), Jandir Milan, e também o ministro Blairo Maggi.

Maggi disse que esta discussão é de extrema importância para o Estado, já que apresenta as alternativas para o transporte da safra com um custo menor que o do transporte rodoviário.

“Nós somos um estado no centro geodésico da América do Sul, e isso quer dizer que a gente está meio longe de tudo. E uma das formas mais baratas de transportar grandes volumes é pelo trem. Então a discussão e a proposição de nós aumentarmos a malha ferroviária vem nessa direção de dar competitividade ao setor, e é bastante importante, a gente gasta muitos recursos no transporte por caminhões. À medida que nós pudermos diminuir isto com os trens, ficarão mais recursos nas mãos dos produtores que moram em Mato Grosso e investem em Mato Grosso, portanto melhoram a economia do Estado”.

De acordo com o ministro se buscará modelos diferentes de financiamento para a construção destas ferrovias, que ficará a cargo da União.

A intenção dos criadores do projeto vai para além do transporte das safras de Mato Grosso. De acordo com o professor Luiz Miguel de Miranda, o intuito é também transformar a região do Distrito Industrial em Cuiabá em um pólo de indústrias. O ministro Maggi afirma que com a infraestrutura necessária, e com a vinda da ferrovia, isto é uma possibilidade.

“À medida que você traz a infraestrutura para o Estado, você possibilita a industrialização, ninguém vem e coloca uma fábrica esperando que ela vai chegar no futuro. Depois que chegou aqui ele vai fazer as contas e certamente poderá muita coisa acontecer aqui”, disse o ministro.
 

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jho
    09 Ago 2018 às 09:54

    só um pouquinho atrasado né msm senhores politicos..

  • NOE MONTEIRO DE BARROS
    07 Ago 2018 às 18:03

    Não percam a esperança não pessoal, que lá para o ano de 2500dc a obra deverá estar quase pronta.

  • Juca
    07 Ago 2018 às 15:07

    Tenho um livro que se refere a um documento de um empresário, mandando para o Senado da República em 1915 o interesse de construir uma Ferrovia partindo de Águas Claras-MS até Cuiabá, no momento em que a Noroeste do Brasil passava por São Paulo, Capo Grande e seguia até Corumbá. Naquele momento nada aconteceu. Já na década de 1970, o então Senador Vicente Vuolo muito lutou para que uma ferrovia partindo de São Paulo chegasse à Cuiabá. Até hoje também nada. Lula e Dilma bradaram sobre a construção de uma ferrovia, ligando Uruaçu em Goias, passando pelo médio norte do nosso estado, chegando até Porto Velho-RO. Tudo só conversa fiada em época de campanha e mais nada.

  • Dr obs
    07 Ago 2018 às 14:17

    será uma maravilha pena que vai demorar trilhões de anos e não iramos estar vivos

  • Gilson (Rondonópolis)
    07 Ago 2018 às 06:03

    Tem que alterar radicalmente a modalidade de transporte de cargas em Mato Grosso. Hoje é impossível transitar em carro de passeio entre Rondonópolis e Cuiabá ou entre Rondonópolis e Sinop por conta do volume de caminhões nas rodovias. O transporte de soja gera divisas para alguns segmentos da economia, mas a população matogrossense é altamente penalizada por não ter condições de dirigir nas estradas e transitar entre os municípios, sem competir com os caminhões.

  • Hernan Doners
    06 Ago 2018 às 18:00

    ....??? É bem amarelo!! É a primeira vez,que vejo esse senhor sorrir. É sinal que esta de bem com a vida. QUE CONTINUE ASSIM!! Sorrir,e complimentar as pessoas.Faz muito bem a saúde.

  • Antônio
    06 Ago 2018 às 17:37

    Muito certo, tudo bonito, porém partindo da iniciativa pública, não passa de reunião, reuniões,blá, blá blá, EUA desde o início do século vinte já era privatizada as ferrovias, e o exemplo está lá para ver....mais de 170 Mil km... Wilson Santos, reitor, professor, Deus me livre , cheira entrave, burocracia, conversa fiada.

  • gonçalo
    06 Ago 2018 às 16:47

    só não pode ficar igual ao vlt começa e para só fica as despesas

  • Paulo Lemmos
    06 Ago 2018 às 16:07

    O maior inimigo de Mt. Chama-se "BUROCRACIA". A ferrovia esta em Rondonópolis,220 km de Cuiabá. e nossas autoridades,não conseguem traze-la até a capital. E posteriormente,até o médio norte e nortão de Mt. Dificultando assim,o desenvolvimento dessa rica região.

  • igor pereira
    06 Ago 2018 às 14:01

    Ferrovia em cuiabá vai aumentar a sua conta né, afinal todos os seus grãos virão mais rapido e sem pagar pedágio na rota do oeste. Cara, eu fico revoltado em ver que tudo que esse cara fez foi em prol do seu próprio negócio,. Eu gostaria muito de ir embora daqui, infelizmente não tenho condições.

Sitevip Internet