Agro Olhar

Quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Notícias / Pecuária

Produção de leite está em decadência por desestímulo em Mato Grosso

Da Redação - Viviane Petroli

07 Set 2015 - 10:10

Foto: Reprodução/Ilustração/Internet

Produção de leite está em decadência por desestímulo em Mato Grosso
A produção de leite em Mato Grosso está em decadência em Mato Grosso devido à falta de estímulo. O baixo preço pago pelo litro do leite é o principal fator apontado por produtores. Em junho o preço médio pago ao produtor era de R$ 0,809 centavos, abaixo dos R$ 0,831 pagos em 2014 pela captação daquele mês.

A cadeia produtiva de Mato Grosso, segundo especialistas da área, passa por uma situação delicada, visto o segmento estar passando pelo período da entressafra. “Há dificuldade, hoje, na produção de leite dada a seca que o estado atravessa neste momento, além disso, o valor pago pelo litro não está remunerando o produtor, diante todos os gastos que ele tem para conseguir produzir”, comenta o gestor executivo da Associação dos Produtores de Leite de Mato Grosso (Aproleite) Carlos Augusto Zanata.

De acordo com o produtor em Dom Aquino, Valdecio Rezende Fernandes, quem está na atividade ainda é em decorrência o investimento já realizado e pela agricultura de subsistência.

Leia mais:
Senartec Leite irá atender 120 propriedades na região de Pontes e Lacerda por dois anos

“A produção está em decadência no estado por desestímulo. O preço está baixo. O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) liberou recursos, porém não deu infraestrutura. O produtor adquiriu vaca, mas não teve capacitação”, comenta o produtor de Dom Aquino.

Outro fator que impacta a cadeia produtiva do leite é o consumo “frio”, ou seja, em baixa.

Em Mato Grosso cerca de 51% dos produtores de leite produzem até 50 litros/dia, ou seja, são produtores da agricultura familiar.

A produção no estado é de aproximadamente 780 milhões de litros de leite ao ano, entorno de 2 milhões de litros por dia. No ranking nacional Mato Grosso é o oitavo maior produtor.

De acordo com o gestor executivo da Aproleite, Carlos Augusto Zanata, o custo de produção varia conforme a propriedade, uma vez que na agricultura familiar não há mão de obra contratada e na pecuária intensiva se tem contratações e investimentos em tecnologia.

“Mas, o preço médio, se você for contar a depreciação de equipamento, pelo menos R$ 0,85 centavos é um número que temos de custo e é isso o que estamos recebendo pelo leite. Hoje, está empatando (custo de produção e valor recebido) ou pagando para produzir. Conduto, na situação de seca que estamos é algo momentâneo”, declara Zanata.

Entraves

A nutrição animal é um dos entraves da cadeia produtiva do leite, seguida da logística e energia, em Mato Grosso. “Para aumentar a produção é preciso investir em assistência técnica, tecnologia e principalmente nutrição animal, pois é o nosso gargalo de produção esta época do ano”, frisa o gestor da Aproleite.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo
    07 Set 2015 às 20:50

    Com certeza está faltando uma postura mais firme e profissional da secretaria estadual responsável pelo setor para subsidiar os produtores da área leiteira com a infraestrutura necessária, por que os preços no mercado não estão nada baratos. CADÊ as cooperativas para processarem este leite transformando em pó, livrando os produtores das sazonalidades da oferta e da demanda?

Sitevip Internet