Olhar Direto

Terça-feira, 27 de junho de 2017

Opinião

Canalhas por excelência

Autor: Elizeu Silva

16 Jun 2017 - 13:27

A concessão de cargos e favores entre membros da classe política existe desde o Brasil colônia. Já naquela época as vantagens financeiras e pagamento de propinas a governantes e funcionários reais da Corte era uma prática tolerada e até regulamentada por lei. Essas práticas de favorecimento próprio, de amigos e familiares deram continuidade mesmo após a independência do país, em 1822, pois a proclamação da República implicou mudança apenas na forma de governo e não nos valores e caráter dos brasileiros miscigenados.

Anos depois, em 1844, nasce o alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche, aquele que precocemente se tornaria filósofo, filólogo, poeta e compositor, tendo em parte de suas obras textos críticos sobre a religião, a moral, a cultura contemporânea, filosofia e ciência, exibindo uma predileção por metáfora, ironia e aforismo. A luz dos seus textos Nit defende que a moral não tem importância e os valores morais não tem qualquer validade, só são úteis ou inúteis consoantes à situação. Para o filósofo, a verdade não tem importância; verdades indubitáveis, objetivas e eternas não são reconhecíveis, já que Deus está morto: então, não existe qualquer instância superior, eterna.

Diante das teorias de Nit podemos imaginar que parte da classe política brasileira se viu subitamente admiradora de tas ideias, principalmente aquelas que defendem de que o homem depende apenas de si mesmo, para decidir naquilo que lhe melhor apraz. Sinceramente! Não poderia ser ofertadas ideias em terreno tão fértil para prosperar às práticas sacanas que se perduram até os dias atuais, e até com maior estupidez. Sendo assim, parte dos nossos políticos se tornou PHD na arte da roubalheira ou ‘canalhas por excelência’ na enganação do eleitor brasileiro e em bilhões de estelionatos, transpondo o topo da pirâmide de desvaloração axiológica criminal da nossa sociedade.

Sedentos pelo dinheiro e poder, praticam crimes de extremo potencial ofensivo contra os bens que são protegidos pela Constituição Federal (CF), dentre eles; segurança, educação e saúde. A Carta Magna tida para proteger e guardar a vida foi deixada de lado num canto qualquer. Ludibriando para se obter lucros ilícitos, se rotularam como “um ser amoral por excelência, e não conhecedores de limites para a satisfação dos seus desejos pessoais”, descreveu sarcasticamente em uma de suas obras, o romancista Nelson Rodrigues. Já a jornalista Rozane Monteiro, relaciona o assunto debochando dos rapinantes da seguinte maneira: “existem canalhas e canalhas. E, aqueles mais sortudos são alçados à categoria de excelência, possivelmente por estarem em um grau de canalhismo tal, dentro da hierarquia dos velhacos.” Mas, tais patifes um dia iram sucumbir, “pois os canalhas também envelhecem”, disse Rui Barbosa.

Independente das ideias do romancista, da jornalista e do jurista Rui Barbosa, prefiro me posicionar contrariamente as teorias de Nit e confessar crer num Deus vivo que tudo pode e tudo vê, e que a seu modo e tempo, cobrará dos “ditos ingênuos e gananciosos”, pelas atitudes. Em Lucas 12:1-3 Cristo deixa bem claro: “Acautelai-vos primeiramente do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. Mas nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido. Porquanto tudo o que em trevas dissestes, à luz será ouvido; e o que falastes ao ouvido no gabinete, sobre os telhados será apregoado.”

Elizeu Silva é jornalista em Mato Grosso – E-mail: elizeulivramento@gmail.com
Sitevip Internet