Olhar Conceito

Sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Notícias / Chef Paulo Vitor

Chef Paulo Vitor fala sobre projeto de lei que quer reconhecer que gastronomia é cultura

Chef Paulo Vitor Lara Leite

14 Jul 2016 - 17:03

Foto: Reprodução / Da Assessoria

Chef Paulo Vitor fala sobre projeto de lei que quer reconhecer que gastronomia é cultura
Olá amigos

Essa semana o tema é bastante interessante para a gastronomia brasileira, tem sido debatido há tempos e em várias ocasiões, o reconhecimento da Gastronomia como cultura em nosso país.

Entendo que os ingredientes que utilizamos em receitas e as técnicas de cocção, fazem parte da nossa cultura, vem de gerações, portanto é uma manifestação da nossa cultura.

A noite da última quarta feira foi muito importante para a gastronomia mato-grossense, pois foi realizado nas dependências do Univag, o 1º Encontro de Gastronomia Regional.

Uma mesa redonda formada por Marta Torezan (SEBRAE-MT), Rita Comini (Jornalista/A Gazeta), João Carlos Caldeira (Professor), Dra. Adriene Paiva (Nutricionista/Diretora do Curso de Gastronomia UNIVAG) e o Chef Fernando Mack (Consultor do Curso de Gastronomia UNIVAG).



Em vários painéis muito interessantes foi abordada a importância da comida regional, não como moda, mas como uma tendência muito importante para o futuro.

O debate também girou sobre a importância do reconhecimento de que gastronomia é cultura (e é). Essa idéia terá respaldo legal com a aprovação do Projeto de Lei 259/2016, do Dep. Guilherme Maluf, que estabelece o Marco Referencial da Gastronomia como Cultura no Estado de Mato Grosso.

Debatedores, professores, estudantes e entusiastas da gastronomia mato-grossense concordaram que esse é o momento de lutar por essa valorização e que esse entendimento não deve ser somente em relação à políticas públicas, mas também alcançar toda cadeia produtiva e de fornecedores.

Segundo a Revista Época em um texto escrito por Flávia Yuri Oshima, ela faz uma abordagem ao tema de forma bastante clara.

Alguns exemplos do impacto que o apoio oficial à gastronomia pode gerar:



“A tradicional receita de galinha ao molho pardo é proibida em restaurantes brasileiros. O uso de sangue da ave no molho infringe as normas da vigilância sanitária. Algo parecido ocorre com o mel de abelhas brasileiras nativas. O fato de esse mel ser mais úmido e fermentar também fere as regras atuais da vigilância sanitária, apesar de nenhum teste – dos muitos feitos até agora - ter indicado que isso seja prejudicial à saúde. Esses são dois entre muitos outros casos de alimentos e métodos tradicionais sob ameaça de desaparecer por causa da padronização de segurança sanitária moderna. França, Alemanha, Japão e Estados Unidos evitaram que as regras sanitárias jogassem receitas e ingredientes tradicionais para o esquecimento foi reconhecendo seu valor como parte da identidade do país. Seu valor cultural.”

“Nosso vizinho de continente, o Peru, conseguiu liberar e estimular o preparo de ceviche, (prato à base de peixe cru cujo preparo não era permitido fora de cozinhas industriais), depois de legitimar suas receitas e seus ingredientes como patrimônio do país. Hoje, rotas de ceviche atraem turistas do mundo todo dispostos a provar os diferentes peixes, temperos e preparos regionais. No sul dos Estados Unidos, o leitão assado inteiro na brasa infringe leis de vigilância sanitária, (por ficar mais de vinte horas exposto), e de segurança, (por exigir uma fogueira acesa por todo esse tempo). Mas a receita é liberada por ser entendida como parte da história do país. Os churrasqueiros que sabem domar as brasas que nunca apagam são celebridades que atraem turistas de todo o mundo.”

“Encampar a gastronomia como manifestação cultural é também vital para incentivar a pesquisa gastronômica. Num país em que mais de sete milhões de pessoas ainda passam fome, é essencial fazer o reconhecimento, o mapeamento e a divulgação das Pancs, as plantas alimentícias não-convencionais, que nascem espontaneamente nas matas, nas beiras de estrada e em terrenos baldios. O caso recente mais gritante de desperdício, por falta de conhecimento, é o do arroz negro. O produto, descoberto recentemente, tem mais fibras, mais vitamina B1 e menos caloria que o arroz integral. O arroz negro era combatido como uma praga no Vale do Paraíba. Hoje, o produto é servido em pratos sofisticados.”

“E não é só isso. O reconhecimento da gastronomia como parte de nossa história ajudará a fazer o registro apropriado das espécies que desenvolvemos, dos métodos que inventamos e das receitas que criamos. Garantir a perenidade de ingredientes locais também é uma forma de proteger nossos pequenos agricultores, de desenvolver ainda mais a produção gastronômica em torno deles e, assim, mostrar ao mundo uma assinatura gastronômica própria: "venha ao Brasil provar nossas receitas feitas com ingredientes únicos".

Espero que tenham gostado, até a próxima semana.

Chef Paulo Vitor.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet