Olhar Conceito

Notícias / Artes visuais

Criada para abrigar acervo pessoal, galeria em Cuiabá valoriza arte local e dissemina conhecimento

Da Redação - Isabela Mercuri

16 Jul 2017 - 08:45

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Criada para abrigar acervo pessoal, galeria em Cuiabá valoriza arte local e dissemina conhecimento
O encontro do casal José Guilherme Barbosa Ribeiro e Glória Alice Ferreira Bertoli, na década de 90, foi muito além da união de almas. Naquele momento, os dois, apaixonados por arte, uniram também seu acervo, o que, anos depois, teria como resultado a ‘Galeria Arto’, inaugurada em Cuiabá em setembro de 2014.

Leia também:
Valques Rodrigues abre exposição com obras sobre a fé católica e o cotidiano das cidades europeias

A ‘Arto’ foi criada para ser muito mais do que uma galeria comercial. São pouco mais de 400 obras, dentre as que estão à venda, as consignadas e as do acervo permanente, como as de Clóvis Irigaray, que não são vendidas por nenhum valor. “A ideia é outra, é história, é guardar isso para o futuro”, explica o gerente do local, Carlos Batista, 61.

Carlos também é artista plástico, nascido em Recife, e apaixonado pela arte mato-grossense. Para ele, o espaço da Arto é necessário em um meio em que se valoriza tanto o que vem do eixo Rio-São Paulo.

“Eu costumo dizer que na arte mato-grossense foi a arte plástica que tirou Cuiabá do isolamento cultural. Introduziu, rompeu a barreira do eixo Rio-SP ainda nos anos 60, através da Aline Figueiredo", comentou Carlos. "Ainda que nós tivemos em Cuiabá um movimento muito complexo, de grande alcance e de vanguarda que foi o intensivismo, nos anos 40-50. É uma coisa que já aí, nessa época, Cuiabá se mostrava na vanguarda. Nós tivemos aqui Vladimir Dias-Pino que chegou a Cuiabá com nove anos de idade, e criou uma obra de reconhecimento de alto gabarito junto a Silva Freire”.]

Carlos explica que o 'intensivismo' foi um movimento literário, mas que já naquela época Vladimir já misturava texto com imagem. "Foi o nascimento da poesia visual, do cruzamento da palavra com as imagens, e logo após a palavra foi deixada, e nasceu a poesia visual, sem palavras". 



Obras essenciais que contam toda essa história estão na Arto, seja para vender ou apenas para contemplação e estudo. “É uma galeria feita pra abrigar um tipo de acervo, que se propõe a fazer exposições, não é só uma loja de arte”, explica. “A ideia básica é difundir as artes mato-grossenses e de outros lugares, dar esse apoio, trazer parcerias, deixar isso pra cidade”.

Para além das telas, a Arto também oferece ao público uma biblioteca com livros sobre artes plásticas, cinema, teatro, filosofia e diversos outros temas. “Nós queremos aqui, muito além de vender, também criar um público. E temos como foco dar apoio ao artista, fomentar o debate, a busca por informação”, explica Carlos. Os livros da biblioteca ficam à disposição de quem quiser pegar emprestado, basta agendar um horário. Livros à venda também estão disponíveis na galeria.


Livros da biblioteca (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Exposições

Atualmente, até o próximo dia 29 de julho, ficam expostas na Arto as fotografias da mostra ‘Você Está Aqui’, de Rai Reis. Depois dele, outras exposições já estão em discussão, mas não há nada certo.

Quando não está com uma mostra específica, a Arto coloca no salão principal as obras do próprio acervo. São telas de Gervane de Paula, Adir Sodré, Irigaray, Dalva de Barros, Nilson Pimenta, Humberto Espíndola, José Medeiros, Vitória Basaia, Gonçalo Arruda, Benedito Nunes, Sebastião Silva, Benedito Silva, Julio Cesar e muitos outros ‘essenciais’ da arte mato-grossense.

Um dos grandes feitos do local foi a exposição ‘Vôo Solo’, que levou ao público obras digitais de Regina Pena, artista veterana de Cuiabá que se viu impedida de pintar em tela por conta da esclerose múltipla.

"Ela não podia mais pintar em tela e fez um trabalho de cerca de cinco anos até desenvolver suas obras de forma digital, por meio do tablet", explica Carlos. Essas telas foram impressas e expostas na Arto, junto a um livro de poesias da artista, que serviu de catálogo para a exposição, em 2015. A assessoria foi de Maria Tereza, da editora Entrelinhas.


Obra digital de Regina Pena (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Serviço

Galeria Arto
Horários: Segunda – 14h às 19h
Terça a quinta – 9h às 12h e 15h às 19h
Sábado – 9h às 12h
Endereço: Av. Dom Bosco, 1762 - Bairro Popular

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet