Olhar Conceito

Sábado, 21 de outubro de 2017

Notícias / Artes visuais

Curadoria solicita parecer sobre obras censuradas em shopping e estuda processar autores de ataques

Da Redação

22 Set 2017 - 16:48

Curadoria solicita parecer sobre obras censuradas em shopping e estuda processar autores de ataques
A curadoria da exposição “Eu Amo Cuiabá” solicitou parecer ao Ministério Público Estadual (MPE), sobre a necessidade de classificação indicativa em duas telas do artista plástico cuiabano Gervane de Paula, censuradas da exposição no Pantanal Shopping, e estuda processar quem fez ataques ferozes aos quadros.

Leia mais:

Em solidariedade, artistas retiram obras e exposição é encerrada em shopping após polêmica


O advogado Eduardo Mahon, junto com o curador da exposição, João Manteufel, elaborou o pedido e aguarda manifestação do MPE. Depois disso, será estudada a possibilidade de processar os que acusaram as telas de “impróprias”.



“Eu quero saber qual é a visão do Ministério Público, se aquilo pode ser exposto ou se não pode, se pode ser colocado na frente de uma criança. Eu quero saber qual é a classificação indicativa, entender todas essas questões que o Ministério Público, afinal de contas, deve cuidar”, disse Eduardo Mahon em entrevista ao Olhar Conceito.

Aberta desde 29 de agosto, a mostra foi alvo de polêmica no último domingo (17), quando um cliente do shopping divulgou vídeo criticando a tela “Crack is a Wack” e outra em que aparecem figuras consideradas de apelo sexual. Nas imagens, ele chega a alegar que as pinturas são “impróprias para crianças” e que a exposição era “imunda”.

Após retirada das telas de Gervane de Paula, outros artistas que participavam da mostra decidiram encerrar a exposição na quarta-feira (20).

O documento, publicado no perfil do Facebook de Eduardo Mahon, contextualiza a obra “Crack is a Wack”, que foi acusada de fazer apologia às drogas.

“A mencionada obra compunha o fragmento reservado ao respectivo artista e denuncia a dramática situação dos meninos viciados que perambulam na cidade de Cuiabá-MT. Ocorre que, nas redes sociais, surgiram protestos de cunho moralista e religioso, em desfavor do supracitado trabalho”, diz um trecho do texto.

De acordo com Eduardo Mahon, o pedido é para avaliar as condições de classificação da exposição. A mostra, antes de ser encerrada, não tinha classificação indicativa, mas depois da polêmica, a assessoria do Shopping Pantanal estabeleceu uma classificação de 18 anos.

“O Ministério Público não é crítico de arte, ele só vai dizer que, na opinião dele, isso afeta ou não afeta e se afeta, a partir de que idade está liberada para que adolescentes ou adultos possam conviver com aquela tela. Agora, se o parecer disser que realmente não é agressivo, trata-se de arte, e basta uma mera classificação indicativa, ai nós vamos avaliar o segundo passo, que é um processo contra as pessoas que eventualmente se posicionaram agressivamente contra aquela tela”, explica.

O caso

O artista plástico cuiabano, Gervane de Paula, teve dois dos seus quadros censurados em uma exposição realizada no Shopping Pantanal. A confusão se deu após um cliente reclamar do trabalho do artista, dizendo que era inapropriado para as famílias que estavam no local. Em entrevista ao Olhar Direto, Gernave lamentou o fato: “É uma coisa lamentável. Estamos voltando ao período das trevas, nos isolando culturalmente”.

O vídeo foi gravado pelo cliente do shopping no último domingo (17), na exposição ‘Eu Amo Cuiabá’. Indignado, o homem ‘alerta’ os pais para não levarem os filhos ao “lugar imundo”. Ele ainda acrescenta. “Pessoal, eu estou em uma exposição aqui no Shopping Pantanal e aí para vocês verem como o negócio a nível Brasil banalizou mesmo. Dá uma olhada no tipo de quadro que está sendo exposto aqui”.

Em nota, o shopping informou à reportagem que “o objetivo da exposição é dar espaço aos artistas locais e possibilitar que o público discuta e desenvolva senso crítico sobre os temas abordados nas obras. O shopping informa ainda que a exposição é aberta para visitantes de qualquer idade, mas que já estipulou uma classificação indicativa”.

Outro lado

Segundo nota divulgada pela assessoria do Pantanal Shopping, a exposição "Eu Amo Cuiabá" foi encerrada temporariamente. A mostra será retomada no mesmo espaço nesta sexta-feira (22), com fotografias de vários artistas.

Veja na íntegra a nota: 

O Pantanal Shopping esclarece que a exposição “Eu Amo Cuiabá” fechou para troca de obras, temporariamente, nesta quinta-feira (21.09) por decisão da curadoria e dos artistas participantes da mostra. Segundo o curador, a exposição irá reabrir o espaço nesta sexta-feira (22.09) e contará também com uma exposição de fotos tiradas por Rai Reis, Felipe Barros, Wersley Aguiar e Antonio Siqueira. O shopping reitera que o objetivo da exposição é valorizar a cultura dos artistas locais.


Confira o documento:



4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Diogo
    24 Set 2017 às 15:12

    Esse "adevogado" precisa saber q o MP não é órgão consultivo. Vá estudar!

  • Ana
    23 Set 2017 às 00:51

    Isso não é arte.

  • Ana
    23 Set 2017 às 00:51

    Isso não é arte.

  • Rafael
    22 Set 2017 às 18:59

    Vamos ve se eu intendi! Se alguem mostra os órgãos genitais ou oferece droga a um menor de idade vc vai preso.. Mais se vc faz o mesmo em forma de arte aee tudo bem que pode... de 1000 pessoas q vc pergunta oq vc acha dos quadros, no maximo 2 vai fala que isso e arte

Redes Sociais

Sitevip Internet