Olhar Conceito

Quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Notícias / Artes Cênicas

Espetáculo “Reparir-se Maiêutica” começa a circular neste domingo

Da Redação - Vitória Lopes

05 Jan 2018 - 08:13

Foto: Rai Reis

Espetáculo “Reparir-se Maiêutica” começa a circular neste domingo
O espetáculo Re-parir-se Maiêutica, encenado neste domingo (7), em Rondonópolis (232 km), defende a emancipação e autonomia feminina por meio do autoconhecimento e a defesa poética do sagrado feminino. A apresentação será às 19h, no espaço Casario, com entrada gratuita. Na segunda-feira (8), no mesmo local, ocorre a oficina integrada à ação cultural, “Corpo digital, corpo analógico”, às 8 horas. Inscrições podem ser feitas no local.

Leia mais:
Cuiabana apresenta projeto de teatro de bonecos em festival do Minho, em Portugal
 

O poderio feminino não se resume à capacidade de gerar outro ser, mas de gerar o que bem desejar. A atriz, bonequeira e diretora de teatro, Raquel Mützenberg, a exemplo, escolheu ser um casulo que dá à luz e ideias.

Depoimentos, textos filosóficos, registros audiovisuais e a pesquisa sobre o teatro de formas animadas se emaranharam em seu íntimo e a partir daí a artista gerou o projeto que foi ponto de partida para a dissertação de mestrado de Raquel. Levado a campo, tomou as ruas de vários lugares do país – por iniciativa própria e em circulação pelo Palco Giratório do Sesc – além, de Santiago, no Chile e ainda no Minho, em Portugal. 

Nestes, Raquel expôs o parto nas ruas e espaços alternativos, diluindo a organicidade e magia da concepção à aridez e concretude das cidades.

Re-parir-se Maiêutica parte de uma pesquisa em teatro de animação selecionada para o Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Recentemente, o espetáculo, que foi lapidado ao longo do estudo, foi aprovado no edital Circula MT, idealizado pela Secretaria de Estado de Cultura.

“Coletei reportagens jornalísticas sobre a realidade vivida pelas parturientes do sistema público de saúde no Brasil, vivências de doulas, vídeos científicos sobre reprodução humana e fotos de parto humanizado. Somei a estas fontes, as discussões acadêmicas sobre a subjetividade coletiva e a experimentação cênica em teatro de animação”, explica.

Segundo ela, foi assim que idealizou um objeto animável que se confunde ao seu corpo. “É assim que ocorre a materialização do método que Sócrates utilizava para ajudar jovens a conceber suas próprias ideias: a Maiêutica. Influenciado pela vida de sua mãe, que era parteira, Sócrates desenvolve o parto das ideias. A Maiêutica socrática é traduzida ao teatro de formas animadas com uma técnica na qual o corpo da atriz compõe a estrutura física do objeto que ganha a animação”, diz. Ela incorporou também ao trabalho, frases de filósofos contemporâneos como Suely Rolnik, Daniel Lins e Gilles Deleuze.

“Com base neles, idealizei uma mulher que não quer ter um filho, mas que vai se parindo, se reinventando. Fisicamente, parindo a si mesma. Um corpo que se desdobra em outro, de faces que desdobram em outras faces”, descreve em metáforas.

O projeto que circula ainda por Chapada dos Guimarães, Poconé, Primavera do Leste e Barra do Bugres – nas próximas semanas – conta com direção de Luiz Marchetti. “Apresentei a ele um sketch book com referências diversas e ele, partindo de uma estética orgânica, plastificou tudo isso, idealizando toda uma encenação que explora a poesia, trilha sonora ao vivo e recursos audiovisuais. O espetáculo é encenado em uma caixa de plástico bolha. A plateia, por sua vez, pode visualizá-lo de várias perspectivas: focando diretamente em minha apresentação, visualizando simultaneamente edições de vídeos ou ainda, por buracos feitos na caixa de plástico-bolha”.

Somam ao projeto, Juliana Segóvia no audiovisual, Willian Kanashiro na música e audiovisual, Carol Andrade na produção, Douglas Peron na cenografia, Alessandra Mandú Nord, Tuanny Godoy e Carol Turin com assessoria sobre parto humanizado, Millena Machado e Madiano Marchetti com imagens de audiovisual, Rai Reis com fotos, Roseli Carnaiba com design gráfico. O espetáculo é composto de seis cenas que exploram temas diversos, como o aborto, os partos humanizados e cesárea. “A colaboração masculina dá outras nuances à obra. Os homens tornam-se também, multiplicadores na defesa do empoderamento feminino”, ressalta.

Oficina

Em todas as cidades por onde circulará, Raquel desenvolverá também, a oficina “Corpo Digital, Corpo Analógico” em que em parceria com a cineasta Juliana Segóvia, apresentará técnicas do teatro de formas animadas em diálogo com ferramentas do audiovisual.

Mais informações: 9 8115 5337

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Redes Sociais

Sitevip Internet