Olhar Conceito

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Gastronomia

Inspirada na Starbucks, nova cafeteria promete qualidade e preço justo com marca em expansão

Da Redação - Isabela Mercuri

10 Ago 2018 - 09:14

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Inspirada na Starbucks, nova cafeteria promete qualidade e preço justo com marca em expansão
Rubens Martins, 33, tem experiência com algumas franquias, mas sempre quis ter uma cafeteria, e sonhava em trazer a Starbucks para Cuiabá. Diante da negativa da marca – que só possui lojas próprias no Brasil, e não pretende vir para o Centro Oeste por enquanto - ele decidiu criar a sua própria. Assim nasceu a ‘Roots’, depois de dois anos de muito planejamento, com uma gama de produtos próprios. A primeira loja foi inaugurada há três meses no Aeroporto Marechal Rondon, mas até o final do ano ela já deve estar nos shoppings da capital e, em 2019, deve abrir uma loja de rua e começar a expansão pelo Brasil.

Leia também:
Cuiabano abre bar em homenagem ao avô de descendência portuguesa com petiscos e conservas

Durante sua longa pesquisa, o empresário decidiu criar o que ele chama de uma ‘mistura’ entre as cafeterias de segunda e de terceira onda. Ele explica: “No Brasil, a cafeteria não existia. Vendia-se café em padarias, lanchonetes. Quando a cafeteria saiu de dentro da padaria, e começou a se diferenciar, houve a primeira onda de cafeterias. A segunda onda é uma Starbucks. Que pega uma cafeteria - que já existia no mercado - e coloca um ambiente legal, um mix próprio, um café diferente com um pouco mais de qualidade. Hoje a gente vive um cenário de terceira onda. São cafeterias mais específicas, que cultuam o café, menores, que dependem de um barista que entenda de café, e que faça uma bebida perfeita. O mix é bem pequeno, é para o amante do café mesmo”.

Rubens em sua cafeteria (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

A Roots uniu características da segunda onda, como o grande mix de produtos e a diferenciação de loja, com facilidade de compra e conforto, e características da terceira onda, como a qualidade. Para isso, fez questão de trazer uma máquina de expresso da Itália, e um blend de grãos produzidos na Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, com notas acima de 8,3 – considerados cafés especiais.

'Sticks' de queijo (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto)

Além do ‘básico’ – ou seja, o café – a Roots também quis trazer um pouco do que é famoso em cada país. Por exemplo, dos Estados Unidos, trouxe os donuts, o bolo red velvet, da Bélgica, os famosos Waffles, da Argentina, as empanadas, e, do Brasil, o guaraná (fabricado na própria cafeteria), os sticks de queijo (uma espécie de pão de queijo, que pode ser recheado de goiabada, sabor pizza ou recheado de maçã com canela) e os açaís, que também são receita própria da casa, com menos açúcar e xarope, e que são vendidos nos bowls ou batidos, como bebidas.

Açaí (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto) 

Para criar o cardápio, a casa analisou, além do Starbucks, as operações da Tim Hortons (cafeteria canadense) e da Dunkin’ Donuts. E foi a partir delas que criou sua receita própria de Frappé, o ‘Frarootino’: bebida à base de baunilha, de diversos sabores, em que há a opção de acrescentar ou não café. Dentre os sabores está, inclusive, o de açaí (que pode ser com café). Vale lembrar que o café ‘adicionado’ não é solúvel, e sim um expresso extraído na hora.

Outra exclusividade que está em fase de implementação é o açaí ‘squeeze’ (embalagem em cone para levar) e os bombons de açaí, cobertos com chocolate branco ou chocolate 70% cacau. A Roots ainda tem saladas de frutas, chocolates, chás gelados e quentes, sanduíches, cookies, muffins, sodas e muito mais.

Bombom de açaí (Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto) 

Depois de lançada a primeira loja, a ideia de Rubens é colocar a Roots cada vez mais no mercado. “Não foram dois anos de planejamento pra abrir uma loja. Foram dois anos de planejamento pra abrir uma loja com todo um plano de expansão pros próximos cinco anos”, afirma. Até o final de 2018, por exemplo, ele já quer ter unidades em dois shoppings de Cuiabá. Em 2019, a ideia é ter uma loja de rua - com ambiente descontraído e espaço para reuniões – e iniciar o processo para ir para outras capitais do país, como franquia.

A Roots do aeroporto funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana, dentro do aeroporto Marechal Rondon. Quem tiver interesse em ser um franqueado, pode entrar em contato pelo site (abaixo).

Serviço

Roots
Endereço: Segundo andar do Aeroporto Marechal Rondon
Funcionamento 24/7
INSTAGRAM / FAN PAGE / SITE

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz
    11 Ago 2018 às 19:46

    Boa sorte no negócio. Pelas embalagens percebe-se o capricho.

  • Rodrigo Bento
    11 Ago 2018 às 06:52

    Muito boa opção para a cidade de Cuiabá. Alimentos maravilhoso, preço diferenciado. Ambiente aconchegante. Ótimo lugar para tomar Seu café. Sucesso esperamos mais lojas iguais a essa. Parabéns é muito sucesso.

  • Paulo
    11 Ago 2018 às 06:49

    Podia ser o inverso: café importado e bolos brasileiros. Duvido muito que as empresas brasileiras de café em Minas e Sâo Paulo deixam para o mercado brasileiro o que eles têm de melhor, pois exportam tudo. Mesmo o café fino feito no Brasil que se compra por aqui vem em geral muito ácido, com evidente falta de controle de qualidade e total falta de consideração dos produtores com o consumidor brasileiro. O resultado se rebate nas cafeterias, onde servem cafés bem tirados, mas sem aroma e sem sabor algum. Mais fácil portanto comprar café importado. Por outro lado, podiam tirar o Rede Velvet, que não tem gosto de nada e nem é tão bonito como acham, e colocar um bolo de queijo cuiabano (e pãozinho de queijo mineiro também) e uns sanduíches leves, muito mais saborosos do que essa chatura dos doces americanos. Quem vem de São Paulo para comer um Red Velvet em Cuiabá? Já não basta o insosso bolo que se come no Starbucks, que hoje representa a decadência da gastronomia em São Paulo. Não é o Starbucks que faz falta. Faz falta o empresariado local ser diferenciado com relação ao que se faz em São Paulo. Viajamos para São Paulo várias vezes ao ano, e a comida lá está caindo de qualidade e repetindo o que tem na Europa e nos EUA (um tédio). O que dá para copiar dos americanos, nisto sim eles

  • Augusto
    10 Ago 2018 às 13:58

    Maravilha.. estamos precisando de cafeterias aqui de qualidade.. Desejo sucesso.. vou la experimentar.. só tomara que o preço nao seja salgado por ser no aeroporto..

  • Rose Miranda
    10 Ago 2018 às 11:15

    Que delicia...!! adorei..

Redes Sociais

Sitevip Internet