Olhar Conceito

Sábado, 21 de outubro de 2017

Notícias / Diversão e Lazer

Bares e restaurantes lucram o dobro durante a Copa em Cuiabá, mas têm que se adaptar; Veja fotos!

Da Redação - Isabela Mercuri e Arthur Santos

24 Jun 2014 - 17:18

Bares e restaurantes lucram o dobro durante a Copa em Cuiabá, mas têm que se adaptar; Veja fotos!
A Copa do Mundo em Cuiabá acaba hoje, e vai deixar saudades não só nos torcedores mas também nos comerciantes da capital. O Restaurante Choppão, localizado na Praça Oito de Abril, é um dos estabelecimentos que lucrou com o mundial.



No horário de almoço desta terça (24), dia de jogo do Japão contra a Colômbia, um grupo de vinte japoneses veio almoçar no local, junto com um guia turístico. Como eles ligaram antes para fazer a reserva, a cozinha do Choppão se preparou para servir o escaldado. Algo excepcional, já que em 40 anos de atividade, este prato tem sido servido somente à noite.

Leia mais: Veja galeria de fotos dos torcedores que tornaram a vitória do Brasil ainda mais bonita

De acordo com o gerente do local, Pedro Carlos da Penha, o número de clientes dobrou nas últimas semanas. “O Choppão já está acostumado, toda comemoração na cidade é finalizada aqui: eleições, jogos de times brasileiros, eleição de Cuiabá para sub-sede”, comentou Pedro.

No entanto, durante a Copa do Mundo a lotação foi diferente, já que diversos turistas internacionais passaram pelo restaurante. Algumas adaptações foram feitas: o cardápio foi digitalizado em três línguas (inglês, português e espanhol), e um QR code (código de barras que quando escaneado por um smartfone ou tablet, decodifica uma página com texto e/ou link que vai redirecionar para outra página) foi criado para o acesso a ele. Além disso, o restaurante comprou dois tablets para facilitar o acesso ao QR code, e contratou uma recepcionista bilíngüe.

Pedro conta que chilenos e colombianos foram os turistas que mais vieram ao Choppão. Ele afirma ainda que os pratos preferido dos estrangeiros são as carnes, e que eles não economizam na alimentação: a maioria come sozinho um prato à la carte, que serve duas pessoas.

Ditado Popular


Outro estabelecimento cuiabano que investiu nas mudanças para a Copa foi o bar e restaurante Ditado Popular, localizado na Praça Popular.



O bar já era ‘point’ nos finais de semana e feriados, mas a gerência sentiu necessidade de aumentar o espaço por causa do mundial. Segundo o sub-gerente, Luan Galvão, o “espaço Copa”, uma extensão que foi aberta este mês, disponibilizou mais trinta mesas (em torno de 200 lugares) para os clientes.






Luan conta que a ideia de expandir o bar já era antiga, mas com a chegada da Copa a inauguração teve que ser imediata. Outra mudança feita durante este período foi a cobrança de R$30 reais de entrada para homens e R$20 para mulheres: “Tivemos que tomar esta medida porque muitas pessoas estavam saindo sem pagar. Fechamos os arredores e agora damos um recibo que o cliente tem que mostrar na saída”.

Ao falar sobre os estrangeiros, Luan afirma o mesmo que o gerente do Choppão: “a maior pedida é picanha, e eles comem bastante!”. Quando o assunto é bebida, a campeã de vendas é a brasileiríssima caipirinha.

Apesar do grande número de clientes estrangeiros, o bar não fez uma versão impressa do cardápio em inglês. A mudança foi de tamanho, já que para a Copa foi feito um cardápio resumido, com os pratos mais pedidos. A solução para a barreira da língua foi o QR Code e o cardápio digital. 



Nos arredores do Ditado Popular, a polícia fechou as ruas de acesso à praça, para evitar problemas como os que aconteceram no dia do jogo do Chile contra a Austrália: “Nós não tivemos problemas com os turistas aqui dentro. Mas do lado de fora tinha gente tentando virar os carros que passavam na rua”, conta Luan, que viu o acontecido de dentro do bar.

A Copa do Mundo em Cuiabá acaba nesta terça (24), com o jogo da Colômbia contra o Japão.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ailton
    25 Jun 2014 às 01:15

    Não sei por que acham que um restaurante perto da Praça 8 de Abril representa algo de tradicional nesta cidade... Um restaurante que exatamente tirou das paredes as belas fotos antigas de Cuiabá (das praças, dos times de futebol tradicionais da cidade etc.) para colocar quadros dos Beatles. Nada contra os Beatles, mas a troca é sem noção alguma para um restaurante que vive de tradição ou suposta tradição. Quanto a alguns bares da Praça Popular, foi ridículo cobrar 8 reais num chope para aproveitar dos turistas estrangeiros. Foi até vexatório, porque turista mesmo entrava e saía dos bares ao ver os preços no cardápio ou ficava tomando apenas água ou refrigerante. E quem ficava mesmo consumindo eram poucos clientes, e os de sempre que pagaram o valor estabelecido. Não adianta querer lucrar em um mês apenas, se quem mantém o movimento o ano todo é a própria população cuiabana. O tal restaurante da Praça 8 de Abril já não faço questão de ir, até porque não explica por que cortaram a árvore em frente ao estabelecimento (para dar visibilidade à fachada?), o que é um sintoma de pouca cidadania. A Praça Popular também já está ficando decadente porque tem mais estacionamento do que bar, mais motoqueiro barulhento do que gente disposta a gastar e comer bem, e é triste que alguns bares e restaurantes estejam aumentando o espaço e diminuindo a qualidade do que servem à mesa. Sem falar na música de baixíssima qualidade que rola por lá. Mas pior de tudo mesmo são alguns bares como na avenida do CPA, que só passam jogo de futebol, comida no máximo razoável e onde se junta o pessoal mais chato desta cidade. Mais barato e mais fácil pegar um avião e ir comer em São Paulo. Hoje entendo por que campo-grandense desdenha as coisas lá da capital sul-mato-grossense: o campo grandense simplesmente boicota o que é ruim e vai consumir em São Paulo. Aqui em Cuiabá ficamos querendo ter orgulho dos nossos restaurantes, mas estas empresas não cuidam das árvores públicas, não investem em qualidade e nem respeitam o consumidor elevando preço em eventos que atraem turistas. Na rua da Praça Popular derrubaram um ipê amarelo por conta de uma obra que salvo engano virou estacionamento (tipo de empresa que não investe em nada, lucra fácil com o medo que os flanelinhas impõem aos cidadãos e não gera nem imposto). Quem quer prestigiar um local onde as empresas são estas coisas sem compromisso algum?

  • Lourdes
    24 Jun 2014 às 18:07

    O Choppão mudou o cardapio e errou! Deveria ter modernizado sem tirar os pratos dos cardapios. Agora a copa acaba, ficam só os frequentadores habituais que não ficaram contentes.

Redes Sociais

Sitevip Internet