Olhar Conceito

Notícias / Política Cultural

"Extinguir a SEC-MT é um retrocesso, é coisa de gente mesquinha", afirma ex-secretário de cultura

Da Redação - Stéfanie Medeiros

19 Nov 2014 - 11:00

Foto: Stéfanie Medeiros/ Olhar Conceito

João Carlos Ferreira, ex-secretário de cultura e atual presidente do Instituto Histório e Geográfico de MT

João Carlos Ferreira, ex-secretário de cultura e atual presidente do Instituto Histório e Geográfico de MT

Membros da Academia Mato-Grossense de Letras (AML) reuniram-se nesta terça-feira na Casa Barão de Melgaço para a posse de mais uma acadêmica. Depois de encerrada a cerimônia, o presidente da AML, Eduardo Mahon, aproveitou o momento para criticar mais uma vez a extinção da Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso (SEC-MT) ou sua fusão com o turismo.

Leia mais:
Pedro Taques marca reunião depois de alvoroço em relação ao futuro da Secretaria de Cultura
Taques garante representantes da Cultura na discussão sobre fim da secretaria mas avisa que “não importa o nome, tem que funcionar”

Outro acadêmico que dirigiu duras críticas ao novo plano de reforma administrativa foi João Carlos Ferreira, ex-secretário de estado de cultura e atual presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso. “Com a extinção ou fusão da SEC com o turismo, todo o avanço que conseguimos ao longo dos anos irá perder-se. Claro que temos problemas, mas é inegável que o tivemos várias conquistas”, disse João Carlos.

O ex-secretário de cultura também citou o fato de que a SEC-MT é uma secretária enxuta que, ao contrário de muitas outras, tem falta de funcionários públicos. Outro ponto abordado por Ferreira são os convênios e parceiras já feitos pelo órgão. “Os contatos que a SEC-MT já tem, os convênios e parcerias, o que vai virar disto? É preciso melhorar sim, mas extinguir ou realocar as conquistas que já fizemos é um retrocesso, é coisa de gente mesquinha”, criticou o acadêmico.

Eduardo Mahon ainda ressaltou que o tratamento especializado mostra a relevância do assunto. “A cultura precisa de um tratamento especializado da administração pública. Isto mostra a sua relevância. Tive a ousadia de dizer que Mato Grosso não vive só de monocultura. Nós temos cultura também. Nós encerramos o ano acadêmico externando publicamente esta preocupação”, disse Mahon.

O presidente da AML também lembrou que no dia 17 de setembro, a Casa Barão de Melgaço recebeu o governador eleito, Pedro Taques, quando ainda era candidato para uma audição pública. Na ocasião, Taques prometeu aumentar o orçamento da SEC-MT para 1,5% do orçamento total do Estado. “A Cultura não é perfumaria, será tratada com a mesma seriedade que a educação, saúde, transporte e outras áreas”, Taques afirmou na ocasião (clique AQUI para ver a cobertura do evento).

“Nós estamos cobrando publicamente a palavra dada, pois um homem de moral cumpre o que prometeu”, frisou Mahon.

Entenda o caso

No dia 15 de outubro, o coordenador da equipe de transição de Pedro Taques (PDT), Otaviano Pivetta (PDT), apresentou à imprensa um projeto de reforma administrativa.

A principal ideia da reforma administrativa é reduzir de 19 para 12 o número de secretarias e cortar o excesso de cargos comissionados da máquina pública. Neste caso, a Secretaria de Estado de Cultura seria transformada em superintendência fundida com o turismo, caso o projeto seja aprovado. Leia mais detalhes sobre a reforma administrativa clicando AQUI

O projeto causou descontentamento ante ao setor cultural e foi amplamente criticado por diversos motivos, sendo o principal deles a promessa de Taques de manter a secretaria durante seu governo.

Pedro Taques chegou a reunir-se com a classe cultural para discutir o assunto. Na ocasião, afirmou: “No dia cinco de novembro, será apresentado o projeto de reforma política pela equipe de transição. Na data, quero que vocês nomeiem quatro representantes da classe artística para acompanhar e contribuir com as discussões até o final do mês, quando teremos que tomar uma decisão”. Clique AQUI para saber mais.

Andamento

Até o momento, nenhuma decisão quanto ao destino da SEC-MT foi tomada. De acordo com a assessoria de Pedro Taques, as discussões sobre o assunto ainda estão em andamento.

11 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jackson
    20 Nov 2014 às 22:01

    Estive na reunião com o governador eleito Pedro Taques, ele se colocou disposto a dialogar. Porém conforme já disse a Secretária tem que ter um controle melhor nos gastos e seriedade no que se refere a projetos. A solução é simples ... CONTROLAR, extinguir e fazer uma fusão é além de BURRICE e fazer com ela (secretaria) não funcione.

  • Jackson
    20 Nov 2014 às 22:01

    Estive na reunião com o governador eleito Pedro Taques, ele se colocou disposto a dialogar. Porém conforme já disse a Secretária tem que ter um controle melhor nos gastos e seriedade no que se refere a projetos. A solução é simples ... CONTROLAR, extinguir e fazer uma fusão é além de BURRICE e fazer com ela (secretaria) não funcione.

  • Jurandir
    20 Nov 2014 às 20:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • João Alfredo do Nascimento
    20 Nov 2014 às 19:22

    Resposta ao JAIR DE SOUZA MOREIRA: Certamente você não é do meio cultural para saber sobre o assunto. Busque saber o que aconteceu na área da cultura em MT nos últimos 15 anos e depois discuta esse tema. Esse ex-secretário foi o que mais trabalhou em prol da cultura deste estado. lave a boca para falar coisas que não sabe ou não deve, seu paspalho...

  • Márcia
    20 Nov 2014 às 11:06

    A Cultua é a base de uma comunidade...tudo!Mais está infelizmente sendo usada como cabide político por pessoas apadrinhadas,e que nada acrescentam,e ainda tratam o artista com desdém e pouco caso...é só filme de filho e rodeio festa de peão...muito triste aqui em MT

  • Aderson Padilha de Amorim
    20 Nov 2014 às 07:28

    Cultura não se faz em gabinete nem com cabide de emprego.

  • Anselmo Parabá
    19 Nov 2014 às 17:40

    ACultura é tão fundamental para toda uma sociedade assim como a Saúde, Educação e Segurança, extinguir é com toda certeza um grande retrocesso, já que o Plano Nacional de Cultura Norteia uma estrutura e o Governador vai em outra mão, com certeza ele esta equivocado em relação a tudo isso. A Cultura gera empregos e rendas por todo o MUNDO, e em MT precisamos é de Politicas Públicas para Cultura que funcionem, não de Superintendencias Burocratas.

  • borduna
    19 Nov 2014 às 15:48

    O problema não é a extinção da Secretaria, mas ela funcionar como deve!

  • Amarildo
    19 Nov 2014 às 15:34

    E você acha mesmo que os impostos vão diminuir com menos secretárias?! Sabe de nada, inocente...

  • ovidio
    19 Nov 2014 às 12:58

    Dê-se a todos os amamentados o direito de espernear mas, ao povo, o benefício de pagar menos impostos...

Redes Sociais

Sitevip Internet