Olhar Conceito

Quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Notícias / Diversão e Lazer

Desnudando o Tantra: O relato de quem fez uma massagem e conheceu um pouco mais do próprio corpo

Da Redação - Jardel P. Arruda

19 Ago 2015 - 14:02

Foto: Reprodução/Ilustração

Desnudando o Tantra: O relato de quem fez uma massagem e conheceu um pouco mais do próprio corpo
Há 20 dias o Olhar Conceito apresentou Prem Gopi (Thiago Coradini), o primeiro terapeuta tântrico credenciado de Mato Grosso, que trabalha com massagens do método Deva Nishok para cura e desenvolvimento físico, emocional e mental. Para mostrar um pouco deste trabalho, o jornalista Jardel P. Arruda foi convidado a participar de uma sessão e escrever um relato. O resultado, você confere abaixo.

Leia mais:
Conferência sobre qualidade de vida acontece em outubro em Cuiabá
Evento estimula amamentação em público em três encontros na próxima semana

“Curioso como sou, aceitei imediatamente o convite para conhecer um pouco mais sobre o Tantra através de uma sessão com Prem Gopi. Ainda mais curioso, fiz uma pesquisa para conhecer ainda um pouco mais sobre o que já ouvirá falar do que é o Tantra e sobre o método Deva Nishok.

Dizer que já sei definir Tantra seria exagero. Sei que é uma antiga filosofia hindu voltada para o autoconhecimento do corpo. Com o passar do tempo, o Tantra dividiu-se em várias linhas. Algumas absorveram atividades como Yoga e adquiriram mais disciplinas filosóficas. O Tantra se desenvolveu, evoluiu e mudou. E, como quase sempre o sexo é parte crucial no autoconhecimento do corpo, alguns charlatões usam o nome para ganhar dinheiro com sessões vulgares de sexo ou masturbação.

O que conheci com Prem Gopi, o método Deva Nishok, é o Tantra como terapia e que faz uso da ‘bioeletrecidade’ para estimular novas percepções sobre seu próprio corpo. Um ‘tratamento’ para alcançar um estágio elevado de consciência de si mesmo através de uma experiência sensorial. Segundo Thiago me contou em uma conversa de alguns minutos antes da massagem, algumas pessoas já procuraram a massagem como auxiliar no tratamento de depressão.

Nessa mesma conversa ele também me explicou todas as massagens que existem e eu decidi pela ‘sensitive’, até mesmo pelo fato dela ser o primeiro passo para adequar o corpo às outras experiências. Nessa massagem, o foco é o corpo  como um todo e não se toca as genitais. A intenção de descobrir a energia do corpo além das partes íntimas.

Inicialmente me senti um pouco desconfortável por ter de ficar nu a frente de um homem e imaginei que não aproveitaria bem. As ‘amarras’ da sociedade ainda me faziam achar isso estranho e também alertava como ainda estava com uma ideia de sexualidade na terapia. Vencida essa barreira, me deitei nu, com os olhos fechados e os braços estendidos a espera do toque.

De uma forma rasa, poderia dizer que fui estimulado a ter novas sensações através de toques com a ponta dos dedos por todo meu corpo. De olhos fechados e ajudado por uma música relaxante, gostei do efeito, mas cheguei a pensar ‘é só isso?’. No entanto, com o passar o tempo, os toques começaram a causar sensações totalmente novas.

A primeira foi sentir como se minha pele estivesse carregada de eletricidade estática. Meu corpo parecia não ser mais tocado. Ao invés disso, era como se fagulhas elétricas saíssem dele rumo à mão do Prem Gopi, a qual estava perto, mas não me tocava mais. Ou ao menos parecia não tocar. Depois, a pele formigava e alguns músculos respondiam aos estímulos com espasmos leves. Eu já havia lido sobre tudo isso, mas realmente não esperava. Afinal, quanta mentira se lê por aí.

Em seguida, meu corpo foi coberto por uma toalha e começou uma etapa de reflexão. Nesse momento eu me perdi totalmente no tempo. A partir de agora, talvez minhas sensações possam parecer extremamente abstratas. Senti como se tivesse sido lançado ao espaço imerso no vácuo de pensamentos, em alguns momentos. Em outros, lembranças de diversas situações da minha vida passavam invadiram minha cabeça. E em ainda outros ‘me enxergava’ sem me enxergar.

Os instantes passavam e a pele não parava de me proporcionar sensações apesar de não haver mais nenhum toque. Era como se tivesse exercitado um músculo que há muito tempo eu não trabalhava: a pele. E enquanto isso, Prem Gopi ‘me rodeava’. Eu não sabia exatamente o que ele fazia, mas de certa forma conduzia o processo. Até que então ele me chamou de volta. Mais de duas horas haviam se passado.

Ao fim, descobri que a ‘sensitive’ é a massagem favorita do Thiago. É a menos ‘sexual’ de todas, mas talvez a mais interessante para o desenvolvimento sensorial do corpo como um todo. E saí de lá com duas certezas: A de que essa não seria minha única experiência com o Tantra e a de que eu tenho muito mais a explorar em meu próprio corpo.”

Serviço:

Além das massagens tântricas, Thiago oferece curso de massagem para casais (com duração de quatro horas no total) e também cursos individuais (neste caso, contrata-se um modelo para as aulas). Atualmente o terapeuta atende no Yoga & Cia, na Rua Amâncio Pedroso de Jesus Neto, 06, Jardim Petrópolis. Para mais informações, acesse a FAN PAGE ou ligue (65) 8125-8417 / (65) 9221-6674.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Conceito. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Conceito poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Washington
    12 Dez 2017 às 13:21

    A falta de conhecimento mais profundo sobre o Tântra, gerou tal distorção. Este é o Tântra da mão esquerda, o Tantra escuro, como é chamado na Índia, ou, vamachara, ele destrói a alma, é muito usado em magia negra, embora disfarçado como algo bom, é destrutivo. Falsos Gurus disseminam essa método, esses Gurus nunca foram iniciados, é somente inventaram um nome Iindiano para mascarar o engodo. Triste...

  • L.B.
    20 Ago 2015 às 09:18

    Eu e muitas outras querem, mas é muito caro :( E parabéns ao jornalista pela coragem de se expor assim. Todo mundo já te procurou fb, insta para saber quem vc é

Redes Sociais

Sitevip Internet