Olhar Jurídico

Segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Notícias / Criminal

Responsável por investigação da Rêmora elogia Pedro Taques: "Homem de coragem e de fibra"

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

24 Dez 2016 - 14:50

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Marco Aurélio

Marco Aurélio

Prestes a deixar o posto de Coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Marco Aurélio Castro, em entrevista concedida ao programa “O Livre”, da TV Bandeirantes, no último dia 20, não poupou elogios ao atual governador do Estado, Pedro Taques (PSDB), citado na “Operação Rêmora”. Eles atuaram juntos no Ministério Público Estadual (MPE) antes de Taques lançar-se na política. 

Leia mais:
Juiz de Execuções Penais desmente indulto de Natal em presídios de Cuiabá e VG

“Eu sempre tive o governador Pedro Taques, meu ex-colega de MPE, como uma referência no combate ao crime organizado e um homem de coragem, e de fibra”, declarou Marco Aurélio durante mesa de debate sobre o crime organizado em Mato Grosso.

Questionado sobre a ocasião de uma investigação criminosa, a gestão de um político que tem como bandeira o combate à criminalidade e a defesa da honestidade no poder público, Marco Aurélio se revela cético. “Quando o governo se instalou, não tive dúvidas de que algo surgiria, afinal são 04 anos de mandato e a corrupção não é do governo, ela é do homem. Minha admiração continua. A Operação Rêmora é um caso isolado que ganha certa conotação por ser o primeiro caso de combate ao crime organizado dentro do governo Pedro Taques, mas muito setorizado”, afirmou.

Ele atribui a corrupção no atual governo (caso confirmado) ao método de escolha da equipe de governo usado por quase todos os políticos no país. “Temos provas de que alguns cargos deste grupo criminoso foram escolhidos por políticos. Isso para mim é um erro. Sé é do conhecimento ou não, não cabe a mim dizer, até porque não é crime este tipo de situação. Mas, para mim, é um erro. Toda vez que nós entregamos a alguém o comando daquela situação, nós delegamos. E nós podemos delegar a uma pessoa de bem ou que pretende fazer o mal”, avaliou quando questionado.

O coordenador do Gaeco ainda lembra que as investigações não pararam e deverão ainda surpreender a população mato-grossense em 2017. “Quem nós tínhamos como chefe do esquema, no início da operação, já não é mais. Estamos subindo de hierarquia e ele já está no segundo grau. Este trabalho vai longe”, disse. Questionado se as suspeitas envolvem figuras com foro privilegiado, garante. Ele ainda lança suspeitas sobre uma figura maior que Permínio Pinto (ex-secretário da Seduc) e Alan Malouf. “Esse algo maior é em termos de prerrogativa de foro e de poder político, principalmente”.

Operação Rêmora 3 - Grão Vizir: 

Nos autos da ação penal oriunda da "Operação Rêmora", o proprietário da Dínamo Construtora, Giovani Guizardi, firmou acordo de delação premiada com o MPE e envolveu o nome do empresário Alan Malouf, que teria doado R$ 10 milhões para a campanha de Pedro Taques ao governo. Em contrapartida, o proprietário do Buffet deveria recuperar esse dinheiro por meio de propinas.

Giovani declarou que no ano de 2015 foi criado informalmente uma organização criminosa a qual o fez parte e o intuito era arrecadar fundos ilícitos para fins de saldar pagamentos não declarados em campanhas eleitorais de 2014. O empresário afirma ainda que não fez parte da “criação” do esquema e entrou nele quando as fraudes já estavam acontecendo, sendo operadas pelo então secretário de Educação, Permínio Pinto (PSDB), Fábio Frigeri, Leonardo Guimarães e Ricardo Sguarezi.

Giovani relata que conhece o empresário Alan Malouf desde a infância e foi ele quem o ajudou a entrar para o esquema. Guizardi procurou Malouf em março de 2015 e solicitou que sua empresa, Dinamo Construtora, pudesse trabalhar em obras na Seduc , pois nunca tinha atuado nesta secretaria, que é a terceira em maior volumes de obras no Estado. A primeira reunião teria acontecido no buffet Leila Malouf, ocasião em que o delator soube que o deputado estadual Guilherme Maluf era o responsável por indicar o superintendente da Seduc , Wander Luiz.

Giovani então reuniu-se com Wander na própria Secretaria de Educação e ouviu que o interlocutor estava com dificuldades e que as pessoas que investiram na campanha de Taques teriam que receber o dinheiro investido e essa pessoa seria Alan Malouf. Ficou combinado o pagamento 5% do valor das obras cobradas por Wander.

O declarante conta que o critério utilizado para a divisão da propina foi dar a maior porcentagem, de 25%, para para as figuras formalmente responsáveis pela pasta, como, Alan Malouf, Permínio Pinto e o deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB), que, de acordo com o delator, era quem detinha o real o real poder político na Secretaria. Por meio de nota, Maluf também negou qualquer participação em irregularidades. Fábio Frigeri e Wander ficariam com 5% e o delator 10%.

22 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cuiabano
    26 Dez 2016 às 23:26

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Inacreditável
    26 Dez 2016 às 17:25

    Essa a razão pela qual políticos tucanos de alta plumagem não são nem mesmo investigados: já estão "inocentados" a priori justamente por aqueles que deveriam imparcialmente investigá-los. Em uma lugar sério esse promotor jamais passaria perto de qualquer ação relacionada a Pedro Taques depois dessa declaração, mas estamos no Brasil.

  • Gilmar
    26 Dez 2016 às 12:50

    O chefe do GAECO está coberto de razão, não é momento para abrir o jogo e assustar os investigados, por isso o inquérito é sigiloso. Aguardem senhores.

  • JOÃO DE DEUS
    26 Dez 2016 às 08:14

    Lógico que ele tem que puxar para o lado do Governador. Quem da as cartas é o chefão.... vai falar mal do chefão ele perde a BOQUINHA.

  • Zé do Povo
    25 Dez 2016 às 22:04

    O chefe do GAECO se diz cético quanto ao envolvimento do Governador. Cético ou não, não é relevante, porque o que é relevante é o resultado das investigações considerando todas variáveis, quaisquer que sejam. É o que se espera do GAECO.

  • John McCain
    25 Dez 2016 às 14:06

    Agora não adianta vir a assessoria de imprensa do governo tentar aliviar a barra do governador pois o estrago já está feito. Apareceu em rede nacional sendo acusado de corrupção. By by 2018

  • Chacal
    25 Dez 2016 às 12:50

    A dita referência, caiu por água abaixo.

  • cuiabano
    25 Dez 2016 às 12:42

    MPE ESTA DE OOOLHO!

  • Rodolfo
    25 Dez 2016 às 12:09

    Estranho promotores defendendo o governador. Já estão afirmando que o governador não tem culpa. Nobres promotores, o mínimo que devem fazer é encaminhar os elementos necessários para PGR. Delator fala qq outra coisa de uma pessoa já condenam, pq mudou a figura mudam a postura. Cadê a imparcialidade. Quero acreditar que o governador não esteja envolvido, porém as denúncias graves e é necessário investigação.

  • Barros
    25 Dez 2016 às 11:19

    Jamais o promotor poderia se manifestar sobre investigados,principalmente depois das denúncias do Alan Maluf.

Sitevip Internet