Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Notícias / Criminal

Selma afirma que Silval não "poupou" nenhuma secretaria; MPE aponta R$ 56 mi em fraudes diversas

Da Redação - Jardel P. Arruda

16 Fev 2017 - 09:23

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Selma afirma que Silval não
A organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa já foi apontada pelo Ministério Público Estadual (MPE) como responsável pela movimentação de cerca de R$ 56 milhões em desvio de dinheiro público e propinas. Isso até o desenrolar da quinta fase da "Operação Sodoma". Outras fases e operações ainda poderão ser deflagradas, aumentando esse montante.

Leia mais:
Defesa de Faiad nega ameaça à delator, diz que prisão é ilegal e promete recorrer ao TJ

Por enquanto, as investigações chegaram até a extinta Secretaria de Estado de Administração (SAD), a Secretaria de Estado da Casa Civil, a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), a Secretaria de Estado de Assistência Social (Setas), ao Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat) e ao Gabinete do Governador. Segundo despacho da juiza da 7º Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Arruda, na quinta fase da Sodoma, a organização parece ter se espalhado por toda administração pública Estadual.

“Ao menos a priori tem-se a impressão que a organização criminosa apontada desde a primeira fase da operação Sodoma, atuou de forma constante, viciosa, endêmica e sistêmica no Estado de Mato Grosso, em verdadeira ação de locupletamento ilícito coletivo em desfavor dos cofres públicos. A cada investigação que chega ao conhecimento desse juízo, nota-se que a apontada organização criminosa parece não ter poupado nenhuma Secretaria deste Estado, nenhum órgão Público Estadual ficou isento da ação criminosa.”

A citação é um trecho da decisão de Selma Arruda que determinou o desencadeamento da quinta fase da Operação Sodoma e a prisão de Francisco Faiad, ex-secretário de Fazenda e de Administração de Mato Grosso. Após assumir a SAD, ele teria dado continuidade ao esquema, anteriormente operado por Pedro Elias e César Zilio. Assim, de acordo com as investigações, ele arrecadava propina para fraudar licitações e desviava dinheiro público superfaturando consumo de combustível. Ele ainda teria usado R$ 1,7 milhão desse recurso ilegal para quitar dívidas de campanha.

Nesta quinta fase da Sodoma, foi apontado o recebimento de propina e desvio de R$ 8,182 milhões. Na fase anterior, o MPE reuniu provas e depoimentos para indicar de R$ 31 milhões pagos pelo Estado, sob ordem de Silval, em três desapropriações de terras, que R$ 15,587 milhões retornaram para a organização criminosa em forma de propina. Parte desse dinheiro teria sido usado para quitar uma dívida de R$ 10 milhões de Silval Barbosa com o empresário Valdir Piran, também investigado.

Um esquema parecido e supostamente operado pelo mesmo grupo é investigado na "Operação Seven", na qual a organização criminosa teria obtido R$ 7 milhões em propina na desapropriação de uma área que já havia sido comprada pelo Estado em outra ocasião. O ex-presidente do Intermat, Afonso Dalberto, afirma que outros esquemas similares aconteceram durante a administração Silval Barbosa, o que poderá inflar o dinheiro movimentado pelo grupo criminoso.

Já nas três primeiras fases da "Operação Sodoma" o MPE conseguiu apontar que o empresário Willians Paulo Mischur, da empresa Consignum, pagou R$ 14,5 milhões para a organização criminosa para poder continuar a operar empréstimos consignados com servidores estaduais. Inicialmente, Mischur era réu e delator premiado, mas, devido à colaboração, passou a ser considerado como vítima do esquema.

Ainda em relação as fases da "Operação Sodoma", o MPE descobriu indícios de que R$ 2,850 milhões recebidos de propina foram divididos entre o ex-deputado José Geral Riva, o advogado Tiago Dorileo e o ex-secretario da SAD Pedro Elias quando eles tentaram substituir a Consignum por uma outra empresa de empréstimos. Com isso, a operação mudaria de mãos e Riva supostamente passaria a liderar o esquema, mas Silval Barbosa conseguiu evitar a “rasteira” em seu esquema.

Contudo, a primeira operação que tocou um grupo criminoso ligado a Silval Barbosa e que completa o montante de R$ 56 milhões foi a Arqueiro, cuja segunda fase foi chamada de "Ouro de Tolo". Nessa investigação o MPE apurou o desvio e R$ 8 milhões na Secretaria de Estado de Assistência Social, quando chefiada por Roseli Barbosa, esposa de Silval Barbosa. Os atos da operação Arqueiro foram anulados judicialmente, enquanto a "Ouro de Tolo" continua a correr, agora sob responsabilidade o juiz Jurandir Florêncio de Castilho Júnior após o Tribunal de Justiça decretar suspeição de Selma.

O que são R$ 56 milhões:

O dinheiro movimentado pela organização criminosa seria suficiente para comprar 400 apartamentos populares, de 39 m², cujo valor em Cuiabá é de aproximadamente R$ 140 mil. Esse mesmo dinheiro é suficiente para comprar 137.254 cestas básicas, de acordo com a tabela de preço do Dieese para Cuiabá. Para um consumidor rico, seria o suficiente para adquirir 105 Range Rovers Sport ano 2016 a R$ 528.950 mil, um dos carros de luxo atualmente usado por jogadores de futebol de grandes times.

Se investidos em benfeitorias públicas, o Governo do Estado de Mato Grosso poderia comprar 355 novas ambulâncias modelo Sprinter Mercedes-Benz 4x2; ou então concluir a obra do novo Pronto Socorro Socorro de Cuiabá e começar a equipá-lo; ou ainda construir e equipar quatro Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Por outro lado, não seria o suficiente para quitar nem mesmo 10% de uma folha salarial do Governo do Estado.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • luiz otavio
    17 Fev 2017 às 06:02

    ministerio publico tem culpa nisso ai,Afonso Dalberto ja havia sido denunciado desde o tempo que trasbalhava na Sinfra e so agora estão descobrindo

  • Benedito Addôr
    16 Fev 2017 às 12:21

    Nesse esquema fraudulento entrou até a Ilha da Banana. Em julho/2012, Decreto nº 1.252, desapropriou somente o Centro Comercial Morro da Luz, por onde vai passar o VLT, de acordo com a propaganda oficial do VLT, Youtube: VLT CUIABÁ-VÁRZEA GRANDE MATO GROSSO 2012. Em novembro/2012, uma reunião entre a Secopa e IPHAN/MT, tratou da Demolição das casas em frente à Igreja do Rosário, mesmo os imóveis nem estarem desapropriados ainda. Em dezembro/2012(um mês após a Reunião), Decreto nº 1.510, as casas em frente à Igreja do Rosário foram incluídas na desapropriação. Mesmo tendo Instrução Normativa do IPHAN que diz: os imóveis tem Preservação Assegurada, mesmo esse Órgão ter dado Declarações a vários moradores, dizendo que as casas tinham proteção especial. Naquela época, uma funcionária da Secopa, me confidenciava que entre o primeiro projeto, que desapropriava só o Centro Comercial, e o outro, teria uma diferença de custo de 5 a 8 vezes mais. O pior desse imbróglio todo é que uma moradora, Dona Rita, foi visitada antes da desapropriação, sendo hipertensa, não aguentou a pressão psicológica, e teve um grave AVC, ficando paralisada por longo tempo, até sua morte em 2015. Nunca vi querer expulsar uma pessoa da casa, sem a mesma estar desapropriada. Infelizmente o MPE arquivou o ICP qu

  • Alexandra
    16 Fev 2017 às 11:50

    Me pergunto porque deixam roubar tanto para, só depois fazerem todo esse estardalhaço... As instituições tem que ser mais eficientes e pagar esses larápios antes de chegar a esse ponto de acabar com o estado.

  • por justiça
    16 Fev 2017 às 11:12

    isso e falta de Deus no coração agora ele esta recebendo o troco quem planta colher e tem mais por ai e so apertar que descobtr...

  • José Pereira
    16 Fev 2017 às 10:42

    No atual governo houve um esquema de propinas na Seduc que deu um estrago de 56 milhões. E se não tivessem descoberto até quanto seria?

  • Amaranta
    16 Fev 2017 às 10:17

    Nossa, Sil tá acabado. Não lembra nem de longe aquele cangaceiro robusto de outrora.

  • José Carlos
    16 Fev 2017 às 10:15

    Mas esse valor aí não chega a nem 10%, basta ver os bens adquiridos neste período, que não estão em nome dele, lógico.

Sitevip Internet