Olhar Jurídico

Quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Notícias / Política de Classe

AMAM sai na defesa de juíza Selma Arruda e garante que magistrada “nunca foi punida”

Da Redação - Lázaro Thor Borges

17 Fev 2017 - 15:15

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

AMAM sai na defesa de juíza Selma Arruda e garante que magistrada “nunca foi punida”
A Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam), a pedido da própria Selma Arruda, emitiu nota nesta sexta-feira (17) em defesa da juíza. No texto, a Associação alega que a magistrada nunca foi punida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e que a prisão do adovagado Francisco Faiad foi feita com base em elementos “concretos”.

Leia mais:
OAB investiga conduta de advogado preso com duas adolescentes em motel de Cuiabá


Na última quinta-feira (16), a magistrada publicou um texto no Facebook em que anuncia o cancelamento de dois perfis em seu nome mantidos por ela mesma na rede social. O encerramento dos perfis, segundo Selma, seria por conta de “ataques pessoais e familiares” sofridos por ela.



Na nota de hoje, a AMAM desacredita informações de que a juíza teria sido punida por conta de que seu marido teria trabalhado na Sétima Vara Criminal de maneira irregular em 2008. O fato teria provocado uma recomendação do CNJ para afastar Norberto Arruda, que é policial rodoviário aposentado, do quadro funcional do TJMT.

“A atuação do marido da juíza Selma Arruda era voluntária. Noberto Arruda se ofereceu para trabalhar, sem qualquer tipo de remuneração, em 2008, em virtude do quadro reduzido de funcionários. Na época, apenas três assessores atuavam no local e mais de 10 mil processos estavam em andamento naquela Vara.”, diz trecho do documento.

Leia a íntegra da nota

A Associação Mato-Grossense de Magistrados (Amam), a pedido da associada Selma Rosane Santos Arruda, vem a público esclarecer que, diferentemente do que vem sendo publicado pela imprensa, a magistrada nunca foi punida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em decorrência de representação encaminhada pelo então presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso, (OAB-MT), Francisco Faiad.

A atuação do marido da juíza Selma Arruda na Vara de Execuções Penais de Cuiabá era voluntária. Policial Rodoviário Federal aposentado, Noberto Arruda se ofereceu para trabalhar, sem qualquer tipo de remuneração, em 2008, em virtude do quadro reduzido de funcionários. Na época, apenas três assessores atuavam no local e mais de 10 mil processos estavam em andamento naquela Vara.
 
O trabalho de Noberto Arruda era de conhecimento do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) e o mesmo se afastou da atividade por uma recomendação do CNJ, sem que houvesse qualquer tipo de punição à magistrada.

A juíza Selma Arruda manifesta sua indignação com a tentativa de relacionar este fato à sua determinação em prender preventivamente Francisco Faiad, na 5ª fase da Operação Sodoma. O advogado teve a prisão decretada com base na representação do Ministério Público do Estado (MPE), que trouxe elementos concretos de que o mesmo desviou R$ 1,7 milhão durante o período em que exerceu o cargo de secretário de Administração do Estado.

Assim como Francisco Faiad, outros envolvidos no esquema de desvio de dinheiro público também tiveram a prisão decretada e cumprem a determinação da Justiça.
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Sebalho
    01 Mar 2017 às 11:34

    Primeiramente causa estranheza as contas da eleição 2014 de Pedro Taques só serem julgadas agora, pois era evidente as falhas na prestação de contas, portanto, o governador teria que ter sido afastado de suas funções, assim como o Carlos Fávaro. Em segundo, mais estranheza causa ainda a soltura do Alan Maluf, que poderia através de delação premiada apontar o chefe do esquema de desvios que, segundo ele, seria para quitar dívidas de campanha do atual governador do Estado. Mas a Justiça só está preocupada com o ex-governador. Chutar cachorro morto é fácil, até eu.

  • Jayme
    01 Mar 2017 às 11:33

    Nada contra a prisão de criminosos. Mas porque não manteve preso o Permínio Pinto, Alan Maluf (primo do presidente da assembleia) e outros envolvidos nos desvios da seduc? Se o Alan Maluf falou que o dinheiro desviado era pra quitar dívida de campanha do governador porque não abriu uma investigação contra o governador? Porque ninguém está preso pelo contrato sem licitação do Posto Marmeleiro? Porque o MP anunciou outra investigação de desvios de 65 milhões da merenda escolar no atual governo e ninguém foi preso?

  • Juca Pirama
    18 Fev 2017 às 09:13

    Parabéns aos que promovem a justiça com esmero, sem se deixar enlamear pela corrupção e assim, dignificam seus atos e atitudes.

  • José
    17 Fev 2017 às 16:49

    Quando a Juíza Selma Arruda vai julgar os envolvidos na morte do Soldado Abinoão Oliveira, que ocorreu em 2010? Chega de impunidade neste Estado!

Sitevip Internet