Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Notícias / Ambiental

MPF recomenda imediata suspensão da demolição de imóveis na Ilha da Banana

Da Redação - Lázaro Thor Borges

06 Abr 2017 - 18:04

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPF recomenda imediata suspensão da demolição de imóveis na Ilha da Banana
O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT) emitiu recomendação à Secretaria de Estado de Cidades (Secid) de Mato Grosso para que suspenda a demolição dos imóveis localizados na Ilha da Banana, em Cuiabá, ou paralise o processo, caso já tenha sido iniciado. O Governo do Estado já havia anunciado a contratação de empresa para demolir 199 imóveis localizados ao longo das linhas do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), incluindo os situados Ilha da Banana.

Leia mais:
TJ suspende demolição de residência na Ilha da Banana para construção do VLT


De acordo com o procurador da República Ricardo Pael Ardenghi, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) informou, no decorrer do processo, que o Estado de Mato Grosso não teria apresentado todos os documentos indispensáveis à aprovação da demolição de todos os imóveis localizados na Ilha da Banana. Ou seja, ainda estão pendentes documentos que comprovam a propriedade de alguns imóveis ali localizados, assim como também não foram apresentadas as complementações de projetos referentes a proposta da revitalização do Largo do Rosário.

O órgão também soliticitou ao corpo de peritos uma nota técnica com o objetivo de esclarecer se a área no entorno do Conjunto Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Cuiabá é patrimônio cultural que merece proteção. Além disso, os peritos também irão avaliar se a implantação do VLT poderá colocar em risco a integridade física dos bens tombados na região, por causa das escavações e fundações necessárias para a execução das obras.

Para o procurador Ricardo, demolir qualquer imóvel localizado na Ilha da Banana sem que todos os documentos exigidos na portaria nº 420/2010 do IPHAN sejam apresentados implica em riscos. “Ensejará uma situação irreversível, podendo acarretar danos irreparáveis ou de difícil reparação ao patrimônio cultural do município de Cuiabá”, concluiu o procurador.

17 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • CARLOS
    07 Abr 2017 às 15:39

    ESSE PROCURADOR, TEM QUE PROCURAR O QUE FAZER, PRA LIBERAR O QUANTO ANTES ISSO AI,CHEGA DE TANTAS FORMALIDADES, ESSE CIDADÃO NÃO É DAQUI NÉ? É NHANHA!!!!!!! MOAGEM!!!!, LIBERA LOGO, E APAREÇA EM OUTRA SO QUEREM MIDIA, CHEGA,CHEGA!!!!!!!

  • Willian
    07 Abr 2017 às 10:42

    Com a demolição e escavação da Ilha do Bananal, que sabe, ainda conseguem encontrar ouro das "lavras do Sutil".

  • JUNIOR OLIVEIRA
    07 Abr 2017 às 10:23

    esses funcionariozinhos de M..... DO IPHAN são um bando de desocupados, que ficam atrapalhando a cidade, isso já deveria estar pronto la em 2014, estamos em 2017 e ainda continuam criando dificuldades, essa ilha da banana é horrorosa, um verdadeiro abrigo de usúario de drogas e bandidos, derruba tudo que estará fazendo um grande favor a sociedade, o IPHAN não serve pra nada, não colabora em absolutamente nada para o bem estar da população, e pensar que ainda pagamos os salarios dessa corja.

  • Ademir
    07 Abr 2017 às 10:06

    Como se aparecer, alguns não tem noção de quanto prejudicam e não tem embasamento nehum de causa, aquilo, nem tem mais gente morando, somente drogados e bandidos que assaltam comerciantes e moradores próximos, e dizer que é patrimônio histórico, casas em ruínas , nunca conservadas, tem gente que vem ao mundo só para atrapalhar!!

  • Marcia
    07 Abr 2017 às 09:27

    O vlt já deveria estar circulando,agora que resolveram avaliar integridade fisica dos bens tombados?

  • Eng. Pedro Lomanho
    07 Abr 2017 às 09:20

    Tem é que anular o processo licitatório e cancelar o contrato com a empresa ungida. Houve uma "mudança de agente licitador", sem nenhuma razão técnica ou jurídica para tal, sem divulgação no site da "dona" da obra, a SECID, de que o certame seria realizado por outra secretaria "laranja", impedindo várias empresas de participar do certame. É o governo da mudança aprimorando as formas de ocultar informações para beneficiar os "da cozinha".

  • Sampaio
    07 Abr 2017 às 07:27

    Vai procurar o que fazer Procurador, tem que demolir logo e vcs ficam atrapalhando .... vai lá Proc. Ricardo e veja se tem algum patrimônio histórico , la só tem viciados e ladrões tá......

  • Mario
    07 Abr 2017 às 00:43

    Gente o IPHAN não tem limites de atuação ? ou está acima do MP do TJ de tudo e de todos? chega ser ridículo aquele conjunto de taperas em estado de ruínas ser defendido por alguns. qualquer um pode ver que a ilha da banana do jeito que está deixa a cidade mais feia e não possui nenhum valor histórico e arquitetônico. Só serve de abrigo para os "noiados"...

  • Justiça sendo feita
    06 Abr 2017 às 20:52

    O Governo do Estado já havia anunciado a contratação de empresa para demolir 199 imóveis localizados ao longo das linhas do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), incluindo os situados Ilha da Banana. SERÁ QUE JÁ PAGOU? ONDE PODEMOS SABER?

  • Cidadão Cuiabano
    06 Abr 2017 às 20:32

    Espero que os responsáveis por decisões a respeito visitem o local antes de movimentarem a máquina pública.... Sinceramente, não é necessário perícia a respeito.

Sitevip Internet