Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Notícias / Ambiental

Ministério Público pede providências por risco de deslizamento na Orla do Porto

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Abr 2017 - 10:39

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministério Público pede providências por risco de deslizamento na Orla do Porto
O promotor de Justiça Carlos Eduardo Silva instaurou inquérito civil para apurar eventuais riscos à integridade de frequentadores da Orla do Porto, na cidade de Cuiabá, em virtude da suposta existência de patologias de ordem estrutural. A medida foi estabelecida pelo Ministério Público de Mato Grosso na última segunda-feira (10).
 
Leia mais:
TJ julga pedido de liberdade de acusado de assassinar pai e filho procuradores


Conforme documento, o inquérito leva em conta o detalhamento técnico feito pela CREA-MT (Relatório Técnico nº 04/2007) dos problemas de ordem estrutural existentes na fundação de aterros e gabiões do espaço público. A preocupação maior é um possível deslizamento.
 
A nova orla do Rio Cuiabá, localizada no Bairro do Porto, foi inaugurada no 22 de dezembro de 2016. 
 
“Como providência instrutória, determino a remessa de ofício à Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (com cópia da presente portaria e do Relatório Técnico CREA-MT nº 04/2017) para que sejam adotadas as providências emergenciais necessárias para garantir a segurança dos frequentadores da Orla do Porto”, afirma trecho do documento.
 
O projeto da orla e do ‘novo Porto’ foi uma das últimas obras inauguradas na gestão do ex-prefeito Mauro Mendes (PSB). A construção foi paga majoritariamente com recursos próprios do Executivo Municipal, e, segundo o ex-gestor, custou R$16 milhões. 

A construção começou em 2013, e desde o início o projeto previa um calçadão com cerca de 1300 metros, pista de caminhada, áreas de contemplação do Rio Cuiabá, Mirante, academias ao ar livre e os cinco bares ou restaurantes. 

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Liberdade
    12 Abr 2017 às 07:28

    O Arrumam logo tá chegando turistas na cidade! Não façam como no Jardim Mossoró que não terminam e ainda está um caos

  • TEVES NEVES
    11 Abr 2017 às 21:48

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Juca Pirama
    11 Abr 2017 às 14:46

    Triste não é não ter obras para festejar o bom trabalho de um gestor, triste mesmo, muito triste é ter obras muito mal elaboradas, feitas com o único intuito de lesar o patrimônio e de certa forma lesar a consciência dos eleitores, maculando a vontade dos incautos no sentido de mudar as opiniões já formadas que com estas mascarações são modificadas. O legado do ex-gestor do município e do governo do PMDB só deixaram cicatrizes profundas em nossa cidade e em nosso Estado. Espero que o rumo dos atuais seja encontrado na seriedade e que os eleitores deixem de ser tão "inocentes".

  • Justo
    11 Abr 2017 às 13:53

    Até quem fim o MPE tomou providências, porque essa obra da orla foi entregue inacabada e com acabamentos de péssimas qualidades Tudo a mal feito, pra foram 16 milhões de dinheiro público gasto nessa obra de última qualidades e o ex prefeito entregou para fazer política, agora pergunto quem será responsabilizado por tudo isso, e no parque das águas também não é diferente disso, doa a quem doer alguém tem que ser responsabilizado por tudo isso.

  • Lisandro Peixoto Filho
    11 Abr 2017 às 12:46

    Recem inaugurada e já apresenta problemas estruturais com risco aos usuários . Sem falar nos novos valores a alterar o custo final da obra! Outra obra preocupante, não os erros construtivos , mas risco a saúde de quem freqüenta. Parque das Água, ou melhor quem proximo a fonte limimosa, devido poluição de sua água.

  • januario
    11 Abr 2017 às 12:19

    Aposto que o reparo vai custar de 1/3 do valor global da obra e três meses depois, vai ser necessário o conserto do reparo.

  • Carlos Nunes
    11 Abr 2017 às 12:12

    O MPE teria que ficar de olho no telhado dos fundos da Igreja do Rosário, Capela de São Benedito, pois estão colocando caibros de metal. A Igreja foi construída em 1730, e é tombada como Patrimônio Histórico Nacional. Não merece puxadinho com caibro de metal, que vai descaracterizar a obra. Em uma obra histórica a gente coloca a melhor madeira que tiver, e ainda adaptada à obra. Se a principal obra de Cuiabá, que já tem 287 anos está assim...imagine os outros patrimônios. Será que adianta ir ao MPE fazer uma Reclamação sobre isso?

  • Raimundo Nonato
    11 Abr 2017 às 11:55

    Saudações, vamos eleger MM - Governador? Eta povinho b.....................

  • Jean
    11 Abr 2017 às 11:28

    O MP está correto em preocupar com a segurança da população, mas o que eu não entendo porque deixa as coisas correr a revelia depois fica ai de mimimi, o CREA não fiscalizou no período de construção?

  • Barros
    11 Abr 2017 às 11:19

    Parabéns ao MPE,porém o ex prefeito Mauro Mendes precisa ser investigado,pois além dessa obra ,ele inaugurou e entregou o parque das águas,as duas obras sem estarem prontas e pior,colocando a população em risco,só não enxerga,quem e cego

Sitevip Internet