Olhar Jurídico

Sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Notícias / Ambiental

Após assassinato de dois jovens, casa noturna de Cuiabá é alvo de investigação do MPE

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

17 Abr 2017 - 08:24

Foto: Reprodução

Fábrica 5, casa noturna de Cuiabá

Fábrica 5, casa noturna de Cuiabá

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para investigar a regularidade da casa noturna “Fábrica 5”, localizada no bairro Jardim Guanabara, em Cuiabá. O que causa estranheza ao promotor de Justiça Carlos Eduardo Silva, que assina a portaria, é que o estabelecimento já foi palco de dois assassinatos. A apuração foi se iniciou no último dia 05.

Leia mais:
TJ determina que Prefeitura transfira pacientes "alojados" nos corredores do PSMC


Conforme o promotor Carlos Eduardo Silva, da 29ª Promotoria de Defesa Ambiental e da Ordem Urbanística, a investigação a “Fábrica 5” tem um motivo claro: “documentação encaminhada pelo Juízo da Infância e Juventude de Cuiabá revela que o local de festa sequer possui alvará de funcionamento, sendo palco recente de dois assassinatos na Capital e demonstra a necessidade de verificação das condições de funcionamento e de segurança do referido estabelecimento”.

Adiante, a portaria destaca que a Lei de Gerenciamento Urbano do Município de Cuiabá (Lei Complementar Municipal 004/92) estabelece que os estabelecimentos com música ou pista de dança “devem atender as normas técnicas desta Lei e demais legislações pertinentes, observando as condições de segurança, higiene, conforto e preservação do meio ambiente (art. 383)” e “que tais estabelecimentos deverão obter licença de funcionamento e licença especial para funcionamento de som mecânico, com isolamento e condicionamento acústico, de conformidade com as normas técnicas pertinentes (art. 385)”.

Para subsidiar as investigações, os representantes da boate serão ser notificados sobre o inquérito, para que possam apresentar todas as licenças e autorizações necessárias para o funcionamento da Fábrica 5. Eles terão prazo de 20 dias para entregar os itens ao MPE, em especial os documentos de natureza ambiental e urbanística.

Também a Secretaria Municipal de Ordem Pública será notificada sobre o caso, para que realize inspeção nas instalações. Na análise, deverão verificar a "existência de licenças de funcionamento, de alvará sanitário, de licença especial ambiental (para funcionamento de som mecânico e realização de show ao vivo), de licença do Corpo de Bombeiros, além de demais autorizações e licenças necessárias para o funcionamento do estabelecimento”.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • El Cid
    17 Abr 2017 às 08:50

    Se as mortes aconteceram durante baile Funk, nada anormal!

Sitevip Internet