Olhar Jurídico

Terça-feira, 21 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

Garota que planejou latrocínio de ex-chefe e esposa é condenada a 46 anos de prisão

Da Redação - André Garcia Santana

19 Mai 2017 - 15:20

Foto: Reprodução/Facebook

Garota que planejou latrocínio de ex-chefe e esposa é condenada a 46 anos de prisão
A jovem Aline Maria Leonardo de Macedo, de 21 anos, foi condenada a 46 anos e seis meses de prisão, em regime fechado, pelo latrocínio de seu ex-chefe, o empresário Claudemilson Ferreira, e a esposa dele, Alessandra Scheffer. O assassinato foi registrado em outubro de 2015, na cidade de Juara (709 km de Cuiabá) e contou com a participação de dois adolescentes de 13 e 17 anos. Na decisão, assinada na terça-feira (16), o juiz Alexandre Sócrates Mendes, da 2ª Vara Criminal e Cível da cidade, também leva em consideração o crime de corrupção de menores.

Leia mais:
Preso adolescente responsável por latrocínio que vitimou casal; mentora do crime se entregou por medo
- Mentora de latrocínio de casal confessa crime no Facebook e aconselha população a não reagir a assaltos

Em alegações finais a defesa argumentou que não há provas a respeito da autoria, posto que a acusada não participou efetivamente das execuções. Contudo, segundo a decisão, a versão sustentada por Aline  não possuem qualquer respaldo em elementos de provas, tornando-se ato isolado, sem qualquer fundamento, razão pela qual devem ser afastados.

“De maneira fria e calculista a acusada escolheu seu antigo patrão para ser a vítima, escolhendo e indicando aos menores infratores quem seria a vítima de um assalto, a hora, local e como agiriam... Em momento algum a acusada intercedeu em favor das vítimas. Ao contrário, consoante afirmou o menor Willian, a acusada falou para matarem a vítima Claudemilson e preservarem a vida de Alessandra e depois relatando que como Alessandra também a teria reconhecido chegaram à conclusão que seria mais seguro ceifar a vida dos dois”, diz trecho do documento.

Os corpos de Claudemilson  e de Alessandra  foram encontrados às margens de uma estrada vicinal na data de 14 de outubro, na região de Juara, a 664 quilômetros de Cuiabá. Pelo crime, dois adolescentes de 17 e 13 anos foram apreendidos. Ambos foram aliciados pela  jovem, que era funcionário do lava-jato de propriedade de Claudemilson.
 
Segundo a investigação, após render a Claudemilson e Alessandra, o trio amarrou as mãos do casal para trás e um deles efetuou os disparos contra a cabeça das vítimas. Depois, os corpos foram colocados na carroceria da S10 e jogados em uma vala, ao lado de uma estrada vicinal. Na fuga, a caminhonete capotou na MT-220, no sentido a Sinop.
 
O caso começou a ser desvendado com base nos depoimentos do garoto de 13 anos, apreendido pela polícia, em Sinop. Ele teria confessado participação no crime, mas negou que tenha sido ele que matou o casal. O menor de idade apontou a jovem como sendo a pessoa que planejou tudo, e o comparsa de 17 anos o responsável pelos tiros.

Logo após o latrocínio, o garoto de 13 anos foi apreendido em Sinop (500 km ao Norte), pela equipe da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf). Já Aline foi detida na quinta-feira, 5, na cidade de Tangará da Serra (a 250 km da Capital). Ela confessou em rede social ser a mentora do crime e disse à Polícia Civil que se apresentou porque tinha medo de sofrer represálias por parte de W.A.S, que seguia foragido.

Confissão

Após entregar-se Aline informou à polícia que estava no município de Nova Olímpia e se apresentaria na presença da imprensa. Entretanto, a mesma acabou ligando para a equipe de reportagem dizendo que estava na cidade de Tangará da Serra, e havia escolhido um local público para se render.  No ponto marcado pela suspeita, no pátio de uma grande loja de magazine, Aline se entregou aos policiais civis de Juara, que a aguardavam.

Chorando muito, ela disse estar arrependida e foi levada para a Delegacia de Polícia de Juara. Levada para prestar esclarecimentos ao delegado de polícia, Carlos Henrique Engelmann, a suspeita alegou que estava escondida na casa de um amigo em Tangará da Serra, e detalhou o planejamento do crime. 

12 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ze do beco
    22 Mai 2017 às 08:26

    SAI EM CONDICIONAL EM MENOS DE 3 ANOS.

  • silvio lopes de moraes
    21 Mai 2017 às 08:52

    100 anos seria o justo,tendo em vista que ela condenou as vítimas a morte.

  • CUABANO PORRETA
    20 Mai 2017 às 18:17

    BOA CADEIA SUA BANDIDA... QUE SEUS ANOS PRESA PASSE BEM DEVAGARINHO....

  • PRIME
    20 Mai 2017 às 08:20

    que BOM. a "MARIA DA PENHA " não protegeu el.

  • PRIME
    20 Mai 2017 às 08:20

    que BOM. a "MARIA DA PENHA " não protegeu el.

  • Tiago
    20 Mai 2017 às 06:55

    Grande BOIXTA... daqui alguns anos... a nossa "maravilhosa" LEI solta ela...

  • Menina má
    20 Mai 2017 às 02:38

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Angelo
    20 Mai 2017 às 00:12

    Agora vai ter todo o tempo do mundo para aprender a escrever corretamente a língua portuguesa além de assassina é semianalfabeta ...

  • PRIME
    19 Mai 2017 às 19:54

    QUE BOM: A "MARIA DA PENHA" não protegeu ela.

  • Pra acabar
    19 Mai 2017 às 17:24

    Só pelo português você já vê o nível da pessoa. E ainda tem a audácia de querer se justificar e por a culpa na vítima que reagiu. Tomara que apodreça na cadeia

Sitevip Internet