Olhar Jurídico

Sábado, 19 de agosto de 2017

Notícias / Criminal

Juiz recebe denúncia contra homem que matou estudante de Direito a tijoladas

Da Redação - Lázaro Thor Borges

17 Jun 2017 - 16:25

Juiz recebe denúncia contra homem que matou estudante de Direito a tijoladas
Menos de um mês depois da estudante de direito Dineia Batista Rosa, de 35 anos, ser assassinada brutalmente pelo ex-namorado, o juiz Jeverson Quintero recebeu, no dia 8 deste mês, a denúncia formulada pelo Ministério Público Estadual contra o assassino Wellingthon Fabrício Amorim Couto, que confessou o crime.

Leia mais:
Assassino de estudante de Direito escapou da prisão por falha em sistema


Wellingthon, de 34 anos, estrangulou Dineia com um fio elétrico e deferiu golpes de tijolo em sua cabeça até a morte. O crime ocorreu no dia 22 de maio deste ano. Mais tarde, soube-se que o assassino possuía um mandado de prisão em aberto há mais de cinquenta dias antes do crime, que mesmo assim não foi cumprido.

Na decisão de recebimento da denúncia o juiz responsável pediu mais informações sobre os antecedentes criminais do réu, além de proceder com a notificação de Wellingthon, que atualmente está preso no Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), a Cadeia Pública do bairro Carumbé.

Na última terça-feira (13), Wellingthon foi notificado pelo Oficial da Justiça sobre a denúncia. A sua defesa deve ser feita por um defensor público criminal, já que ele alegou não “não poder” contratar um advogado particular.

Morosidade e omissão

A vítima Dineia foi até o Ministério Público denunciar o ex-namorado dois meses antes do crime, no dia 23 de março. Ela obteve o benefício das medidas judiciais protetivas contra Wellingthon. Em uma segunda oportunidade, a estudante voltou a denunciar as ameaças e as perseguições que vinha sofrendo. Foi quando um mandado foi expedido, mas não foi cumprido.

Segundo informações da Polícia, do Ministério Público e do Tribunal de Justiça, a lentidão na tramitação no sistema do “Banco de Mandados” permitiu que Wellingthon saísse impune, além de um erro na grafia no nome do acusado. Apenas no dia crime, no dia 22 de maio, quando a vítima já estava morta, é que a polícia conseguiu prendê-lo.

Na ocasião, Wellinthon cumpria prisão por outro feminícidio cometido por ele há oito anos atrás. Mesmo com mandado em aberto, ele conseguiu ir até o Fórum da Capital e receber o direito de progressão natural de pena da Justiça, quando pode cumprir prisão no regime aberto e sem o uso da tornozeleira eletrônica. 

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Arigó
    19 Jun 2017 às 10:22

    É minha gente... isto é Brasil sil sil sil!!

  • manoel soares de oliveira
    18 Jun 2017 às 22:27

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Zé Bedel
    18 Jun 2017 às 08:15

    Isso é resultado da incompetência da segurança pública brasileira. Se tivessem cumprido o mandado de prisão ela estaria viva agora.

  • Lucimar Rosario Soares.
    18 Jun 2017 às 05:08

    Mais uma vez a justiça se spresenta completamente omissa no que diz respeito à proteção à mulher. No proximo feriado natalino, este monstro estará solto para sssassinar brutalmente outras mulheres, não duvidem disso.

  • manoel soares de oliveira
    17 Jun 2017 às 21:52

    Eu pergunto um imundo desse tem conserto ? matador cruel ainda aparece um advogado para fazer a defesa de um monstro dessa natureza ? Eu fico indignado com uma coisa dessa ! Cadeia nesse safado sem dó e nem piedade !!!

  • Luis carlos
    17 Jun 2017 às 20:25

    Será QUE ainda vão soltar esse monstro

  • Luis carlos
    17 Jun 2017 às 20:21

    Será QUE ainda. Soltar este monstro

  • ze do beco
    17 Jun 2017 às 18:11

    Tá e agora, o que vai acontecer? No máximo 5 anos e já vai esta na rua né. Outra coisa, tem que ter punição para as pessoas que erraram no processo. Tem que investigar: 1-as causas a lentidão na tramitação no sistema do “Banco de Mandados” permitiu que Wellingthon saísse impune. 2- Quem errou na grafia no nome do acusado. entretanto, isto não ira acontecer!

Sitevip Internet