Olhar Jurídico

Terça-feira, 26 de setembro de 2017

Notícias / Cursos e Concursos

Candidatos em concurso da Politec denunciam irregularidades ao Ministério Público

Da Redação - Lázaro Thor Borges

30 Jun 2017 - 17:15

Foto: Reprodução

Candidatos em concurso da Politec denunciam irregularidades ao Ministério Público
Cerca de 200 candidatos que participaram do concurso público da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) para as vagas de papiloscopista e técnico em necropsia protocolizaram denúncia no Ministério Público (MP) contra o teste psicotécnico realizado no dia 18 de junho, como etapa para classificação do certame. Entre as irregularidades denunciadas pelos participantes está o fato de a Universidade Federal de Mato Grosso, responsável para realizar as provas, ter criado uma espécie de ‘nota de corte’ para o exame psicotécnico diferente da média padronizada pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP). 

Leia mais:
Politec lança concurso para papiloscopista e técnico em necropsia; salários são de R$ 3 mil


O exame psicotécnico do concurso teve três etapas, todas realizadas na UFMT. Segundo os candidatos, o exame foi usado para eliminação dos concorrentes. O que, segundo eles, é inconstitucional, uma vez que os testes devem servir apenas para atestar aptidão ou inaptidão dos candidatos. A desclassificação, nestes casos, é determinada apenas pela prova objetiva.

“É inconstitucional qualquer norma de edital de concurso público, ao conferir índole eliminatória a exame psicotécnico, visto que a Psicologia não é uma ciência exata, expondo-se a interpretações, variando segundo a linha de formação do psicólogo. Os candidatos foram eliminados por não possuírem uma nota superior à média dos candidatos do cargo, e não por serem considerados inaptos ao cargo”, diz trecho da denúncia.

A primeira fase do concurso ocorreu no dia 21 de maio. Dos 479 candidatos que foram aprovados na primeira etapa, mais de 200, segundo a comissão, foram reprovados no teste psicológico, que aconteceu no último dia 18 de junho. Os testes foram aplicados em salas diferentes durante período de 3 horas nas dependências da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).

Além do exame psicotécnico, os candidatos também reclamaram de problemas com tempo de elaboração da prova, permissão de material para uso de escrita e permissão para ir até o banheiro. Segundo eles, algumas salas permitiram a saída até o banheiro enquanto outras não. Neste sentido, o tempo de elaboração das provas também foi diferente e podia variar de cinco a oito minutos, conforme a sala em que a prova era aplicada.

“Assim sendo, os candidatos classificados que subscrevem este abaixo assinado solicitam, respeitosamente, a submissão da anulação da prova ou novo teste que seguem os princípios estabelecidos por lei”, finaliza o texto enviado ao MP. 

Outro lado

Em resposta a soliticação do Olhar Jurídico a assessoria da UFMT informou que ainda não foi oficializada sobre a denúncia. A instituição também explicou que já foi aberto período de interposição de recursos contra o resultado da Avaliação Psicológica na segunda-feira (26) e o prazo encerrou na última terça (27). No momento, segundo a assessoria, as solicitações estão sob avaliação. 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Leda
    25 Set 2017 às 10:16

    Estou revoltada com tudo que vem acontecendo, este concurso foi um dos piores, a falta de organização é visível, faço parte dos candidatos que entrou com pedido ao Ministério Público para ter o direito de refazer o teste psicotécnico, pois sou enfermeira, tralho com vidas, e graças a Deus nunca houve um perda nos meus plantões, e hoje pela avaliação desses psicólogos não tenho competência para lidar com mortos! fica fácil colocar um um joguinho subjetivo lá e ir desclassificando quem estudou questões objetivas, não vim de um cassino! não entendo nada de pedra de dominó.

  • WENEL
    04 Set 2017 às 14:33

    hoje dia 04-09-2017 pois passei uma vergonha tremenda minha esposa passo no concurso citado acima. minha esposa foi desclassificada pois disseram os órgão do concurso alegaram que ela falto entrega a -declaração de bens e antecedence criminais- ( ela deu a justificativa dela pois ela enviou todos os papeis ) depois eles responderam que apareceu o documento de declaraçao de bens (como assim apareceu ???) pois fomos pedi as filmagens deles abrindo os documento do candidato fomos atendido EXTREMAMENTE MAL pois um funcionário mando nois ir procurar nossos direito. e agora vamos para o tribunal de justiça. e eles do concurso aprovaram mais 11 candidato no exame psicológico apos as entrega de documento (como assim depois de tudo ). perdoem minha escrita mais estou muito decepcionado com tudo.. se alguém tive dica para agilizar como devemos proceder meu whast 65 9 9697-4438

  • bento Francisco
    01 Jul 2017 às 09:46

    Sera que nesse angu tem caroço ??

  • Jodir
    30 Jun 2017 às 18:09

    Acho ótimo essa comissão ter denunciado. Essas irregularidades não podem passar em branco. Espero uma atitude rápida do MPE

  • Oliveira
    30 Jun 2017 às 18:00

    Não é justo que as pessoas consideradas aptas realizem um novo teste, apenas quem foi prejudicado de alguma forma deverá ter uma nova oportunidade, se comprovado suas alegações.

  • daniel
    30 Jun 2017 às 17:54

    O candidato considerado "inapto" tem condições de ser aprova? Fiquei sem entender! Se existe "apto" e "inapto", significa que o "inapto" não tem condições de exercer o cargo.

Redes Sociais

Sitevip Internet