Olhar Jurídico

Sábado, 25 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

AMAM repudia ameaças a Perri e diz que ficará alerta contra tentativas de frustrar investigações dos grampos

Da Redação - Lázaro Thor Borges

13 Jul 2017 - 18:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

AMAM repudia ameaças a Perri e diz que ficará alerta contra tentativas de frustrar investigações dos grampos
A Associação dos Magistrados de Mato Grosso (AMAM) emitiu nota na tarde desta quinta-feira (13) em que repudia as supostas ameaças sofridas pelo desembargador Orlando Perri, relator do processo que apura os grampos ilegais e outros crimes de espionagem que ocorreram no Estado.

Leia mais:
Após acusação de grampo, OAB afirma ter “absoluta e irrestrita confiança na idoneidade” de Perri


A AMAM também afirmou estar alerta com relação a novas tentativas de constranger o desembargador e tentar frustrar as investigações que correm no âmbito do processo. Segundo a nota, as ‘intimidações’ contra Perri partiram de agentes públicos diretamente interessados em por fim ao processo que está nas mãos do desembargador.

“A AMAM repudia com veemência qualquer ato de intimidação do Magistrado Orlando de Almeida Perri, maxime quando essas intimidações tem origem em ações de agentes públicos interessados em ver frustradas as investigações criminais por ele energicamente conduzidas”, diz trecho da declaração.

Exatamente há uma semana atrás, na última quinta-feira (06), o desembargador também emitiu nota revelando ameaças que vinha sofrendo por dar prosseguimento ao processo. No documento, ele explica que apesar de toda a pressão sofrida ainda atuará na apuração dos crimes.

Perri não é o primeiro a temer pela própria vida e narrar ameaças à imprensa mato-grossense. Na última segunda-feira (10), o coronel da Polícia Militar Jorge Catarino Morais Ribeiro pediu reforço em sua segurança pessoal. Ribeiro é o responsável pela investigação interna que apura a partiipação de militares nos esquemas dos grampos ilegais.

Veja aqui nota completa:

NOTA À IMPRENSA

A Associação Mato-grossense de Magistrados (AMAM), entidade que congrega os Magistrados deste Estado, no exercício do seu mister estatutário e institucional, ao tomar conhecimento nesta quinta-feira (13.07), na Sessão do Pleno do Tribunal de Justiça deste Estado, que o Desembargador Orlando de Almeida Perri vem sofrendo pressões espúrias e até ameaças pessoais, em virtude de sua relatoria na investigação acerca de  interceptações telefônicas clandestinas e ilegais, vem a público declarar perante os Operadores do Direito e a sociedade mato-grossense em geral que:

1. Repudia com veemência qualquer ato de intimidação do Magistrado Orlando de Almeida Perri, maxime quando essas intimidações tem origem em ações de agentes públicos interessados em ver frustradas as investigações criminais por ele energicamente conduzidas;

2. A AMAM apresenta a público sua solidariedade institucional ao Magistrado e se coloca a disposição para acionar todos os meios legais, inclusive por intermédio da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), para garantir ao Desembargador Orlando Perri a tranquilidade e a independência para levar a bom termo o seu trabalho enquanto Magistrado;

3. Expedientes desse jaez destoam do mínimo que se espera de um Estado Democrático de Direito, razão porque devem ser combatidos com toda a força pelas Instituições Republicanas, dado que ao Judiciário atribuiu a Constituição exatamente essa atividade de prevenção e repressão de atos criminosos tais quais as escutas telefônicas clandestinas, que ora se investiga;

4. O cidadão mato-grossense pode ter certeza que esses fatos serão investigados até o fim, com isenção e independência, dado que esses são atributos bem característicos do relator Desembargador Orlando Perri, além da coragem e destemor;

5. A Associação Mato-grossense de Magistrados estará alerta ao desenrolar de todos os fatos e atuará prontamente na defesa da integridade pessoal e funcional do Desembargador Relator, nas esferas estaduais ou nacionais, denunciando perante a sociedade toda e qualquer iniciativa tendente a frustrar as investigações e perante os Tribunais Superiores, se necessário for.

 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet