Olhar Jurídico

Sábado, 23 de setembro de 2017

Notícias / Criminal

Alan Malouf entrega sala comercial para quitar fiança de R$ 350 mil e recebe alvará de soltura

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Jul 2017 - 09:36

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Alan Malouf entrega sala comercial para quitar fiança de R$ 350 mil e recebe alvará de soltura
O empresário Alan Ayoub Malouf entregou na última sexta-feira (14) um imóvel como garantia à fiança de R$ 350 mil arbitrada para revogação de sua prisão domiciliar. O bem foi recebido pela magistrada Selma Rosane Arruda, da Sétima Vara Criminal, que imediatamente expediu alvará de soltura.
 
Leia mais:
Advogado de políticos poderosos vem a Cuiabá ministrar palestra sobre advocacia criminal


Conforme os autos, o bem é uma sala comercial nº. 903, 9º andar, “Jardim Cuiabá Office & Flat”, situado na Avenida Miguel Sutil, nº. 2.625, esquina com a Rua Nestelau Devulsky, Bairro Jardim Primavera. O imóvel consta em nome de uma empresa. Existe, porém, uma escritura declarando expressamente o oferecimento do bem em hipoteca à fiança.
 
“Vê-se dos documentos acostados aos autos a regularidade do imóvel ofertado, das declarações de vontade, bem como da documentação da empresa. As avaliações trazidas pela defesa demonstram, ainda, que o imóvel possui valor superior ao arbitrado a título de fiança”.
 
Além da fiança, foram impostas como medidas cautelares o monitoramento eletrônico, comparecimento mensal em juízo, proibição de contato com os demais réus e entrega de passaporte em juízo, a fim de que não se ausente do país sob qualquer hipótese.
 
Malouf foi denunciado e preso em dezembro de 2016, na 3ª fase da Operação Rêmora, denominada "Grão Vizir", que apura suposto esquema que teria fraudado diversas licitações na Secretaria de Estado de Educação (Seduc).
 
O empresário é acusado de integrar organização criminosa e de ter praticado corrupção passiva por 19 vezes.
 
No pedido de revogação da domiciliar, Malouf argumentou que não havia motivos que justificassem sua permanência em “claustro residencial”, visto que não proferiu ameaças, não tentou fugir e não cometeu qualquer ato que atentasse à instrução processual.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ignez
    18 Jul 2017 às 07:45

    Alguem por favor me explique o que esta acontecendo: Ele e reu confesso, e agora com a quitacao da fianca esta solto. E isso? nada vai acontecer?

Sitevip Internet