Olhar Jurídico

Segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Notícias / Criminal

Silval antecipou R$ 498 milhões para VLT e comprou vagões a mais visando “gordura” de propina

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Ago 2017 - 14:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Silval antecipou R$ 498 milhões para VLT e comprou vagões a mais visando “gordura” de propina
O ex-governador Silval da Cunha Barbosa liberou R$ 498 milhões para o pagamento dos vagões comprados de forma antecipada pelo Consórcio VLT.  A transação poderia ser considerada uma jogada para economizar frente ao corriqueiro aumento da cotação do dólar. Ocorre que o montante estratosférico serviu, em realidade, para adquirir vagões em excesso e gerar uma certa “gordura” de propina.  
 
Leia mais:
Silval confessa trama envolvendo empresários e Consórcio VLT para pagar empréstimo de R$ 29 milhões; entenda


As informações constam de uma representação formulada pela Polícia Federal com base em depoimentos prestado pelo ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, e pelo próprio ex-governador, Silval da Cunha Barbosa. Ainda segundo a representação, no terceiro mês de obras, cerca de 51% dos valores determinados em contrato havia sido pago.

Tal fato evidencia que a antecipação de capitais era tida como certa e necessária para o pagamento de propinas. Além de o retorno de pagamentos ter se dado de forma antecipada, era necessário que o total do capital fosse superior ao imprescindível, para se conseguir um retorno mais fácil para o pagamento de propinas. Assim, foram adquiridos vagões em quantidade maior do que necessário.

Conforme auditoria realizada pela KPMG, empresa contratada pelo Estado de Mato Grosso para analisar a situação de eventual implantação do modal VLT, constata-se que a aquisição de material rodante se deu em montante superior ao razoável e necessário.

A compra dos 40 vagões antecedeu a finalização do contrato 35/2013/SECOPA, cujo objeto era justamente o estudo do modal VLT. Segundo a auditoria realizada pela KPMG, seria necessária a aquisição de apenas 30 vagões.

“Logo, conjuga-se não só que o capital aplicado na obra de implantação do modal VLT foi, somente no quesito material rodante, superior, como esse volume de dinheiro gasto teria que ter retorno rápido já nos primeiros meses de execução contratual, conclui a Polícia Federal.

Jogo de cronograma

Conforme relatado, o ex-secretário da Copa do Mundo, Maurício Guimarães, foi o responsável por montar um jogo de cronograma e proceder a alterações no contrato do Veículo Leve Sobre Trilho.

​Maurício Guimarães atuou para que a proposta do consórcio VLT fosse confirmada como vencedora. Ainda segundo a PF, Guimarães atuou ainda de forma a facilitar alterações ilícitas em contratos em prol das construtoras.

Operação Descarilho

As obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em vias de serem retomadas com a proximidade de acordo entre Consórcio e Governo, voltaram às páginas policiais na manhã desta quarta-feira (9), com a operação Descarrilho, deflagrada pela Polícia Federal, na qual são apuradas possíveis irregularidades na escolha do modal para operar na região metropolitana de Cuiabá. Entre os alvos da operação está o ex-secretário da Secopa Maurício Guimarães, conduzido coercitivamente.

A ação apura os crimes de fraude a procedimento licitatório, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, peculato e lavagem de capitais, em tese ocorridos durante a escolha do modal VLT e sua execução na Capital de Mato Grosso.

Foram cumpridos 18 mandados de busca e apreensão, sendo 10 em Cuiabá (MT), um em Várzea Grande (MT), um em Belo Horizonte (MG), um no Rio de Janeiro (RJ), um em Petrópolis (RJ), dois em São Paulo (SP) e dois em Curitiba (PR). 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Eu
    11 Ago 2017 às 09:49

    SÓ MEIA DUZIA DE BOCOS ACREDITOU QUE ESSE TRENZINHO DA ALEGRIA IRIA FUNCIONAR. KKKKKKKK

  • Eu
    11 Ago 2017 às 09:49

    SÓ MEIA DUZIA DE BOCOS ACREDITOU QUE ESSE TRENZINHO DA ALEGRIA IRIA FUNCIONAR. KKKKKKKK

  • Carlos Nunes
    10 Ago 2017 às 17:11

    Pro VLT apareceu dinheiro a beça, até pra meter no bolso. Já pra Nossa Saúde SALVE-SE SE PUDER, ficam com o pires na mão pedindo verba, e a turma dizendo que NÃO TEM. Enquanto isso...morrem mato-grossenses, todos os dias, ou por falta de atendimento, ou atendimento tardio, ou por falta de vaga em UTI, ou falta de equipamentos, ou de remédio mesmo. VLT é filhote da Corrupção, não é uma obra abençoada, tem que ser riscado do mapa...dá um azar danado. Vende os vagões do VLT, e aplica o dinheiro todo na Saúde dos 141 municípios de MT, que salvará vidas de crianças, idosos, etc. Quem sabe DEUS perdoa. Fica trágico o pessoal andando de trenzinho elétrico aqui, e irmãos e irmãs morrendo nos municípios do MT, por falta de atendimento.

  • ZE NINGUEM
    10 Ago 2017 às 16:49

    PODEM BARRAR MEU COMENTARIO SE QUISER, MAS VAITOMARNOMEIODOOLHODO PIIIIIIIIIIIIIII................ SO BANDIDOS POLITICOS NESSA PORCARIA DE PAIS.......................... PODEM BARRAR MEU PALAVRAO MAS É ASSIM QUE ME SINTO QUANDO VEJO ESSES FILHAS DA MAE METENDO A MAO SEM O MINIMO DE VERGONHA NO PAIS......................... NOJO DE POLITICOS..................

  • Gina Elefanti
    10 Ago 2017 às 15:33

    Uma vergonha, desgraça viver, pagar impostos num Estados desse? Corrupto, violento, quente, cheio de gente feia, longe de tudo, serviços péssimos. Esse canalha tem que voltar pra cadeia, desfigurou a cidade!!!

  • servidor EXECUTIVO
    10 Ago 2017 às 14:54

    quanto mais se falam mais a podridão vem a tona ...esses caras tem que serem presos por muitos e muitos anos , esses cara roubaram onde puderam roubar , formaram verdadeira quadrilha mesmo ....muito revoltante isso .

Sitevip Internet