Olhar Jurídico

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Ambiental

Ação que pede R$ 29 milhões por danos ocasionados por condomínio de luxo é distribuída a juiz

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Ago 2017 - 11:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ação que pede R$ 29 milhões por danos ocasionados por condomínio de luxo é distribuída a juiz
A ação proposta pelo Ministério Público de Mato Grosso em face do condomínio Terra Selvagem Golfe Clube, município de Cuiabá e os sócios do empreendimento, Daniel Ernesto Moreno Garcia, Sofia Villafane Moreno e Teodoro Villafane Moreno, foi distribuído ao magistrado Rodrigo Roberto Curvo, da Vara Especializada do Meio Ambiente de Cuiabá, no dia 2 de agosto.
 
Leia mais:
Desembargador revoga prisões preventivas de coronéis detidos por grampos em MT


Não existe data determinada sobre a decisão de possível recebimento do processo. No caso, o Ministério Público pede para que seja determinado o pagamento de uma indenização de R$ 29,7 milhões por danos ao meio ambiente e à ordem urbanística.
 
A ação foi proposta por meio da 15ª Promotoria de Justiça Cível de Cuiabá, liderada pela promotora de Justiça Ana Luíza Ávila Peterlini de Souza.
 
Além da indenização, o órgão ministerial requereu a interrupção da vendas dos lotes que ainda estão sob responsabilidade do empreendimento.
 
“Todos os registros das matrículas devem ser, portanto, anulados, para posterior regularização de registro rural por parte do Incra, de acordo com a utilização de fato”, salienta a petição inicial.
 
Informações colhidas na investigação elucidaram que o loteamento Terra Selvagem está localizado fora do perímetro urbano, possuindo diversas irregularidades. Em resumo, é um empreendimento com todas as características de um loteamento para fins urbanos e que não apresenta a infraestrutura exigida por lei, além de estar localizado em área rural, o que é vedado.
 
Conforme os autos, parte do empreendimento está localizada em área de preservação permanente. Além disso, foi consignado que não existe plano de gerenciamento de resíduos sólidos e que o lixo.
 
O Município de Cuiabá foi acionado por expedir diversas licenças e autorizações para o empreendimento, como, por exemplo, licença de localização em 2001 e 2007, alvará de construção civil em 2002 e 2004.

“A inconsequente permissão dada pelo Poder Público ao empreendedor para que o Loteamento Terra Selvagem fosse implantado em área rural, em absoluta desobediência as leis urbanísticas, e sem qualquer análise do impacto nas contas públicas, culminou em danos ao meio ambiente natural e urbanístico, uma vez que, ao não fornecer a infraestrutura mínima aos moradores do local, e não exigir que o empreendedor o faça, o Município contribuiu para a adoção de condutas ilegais e danosas ao meio ambiente”, esclareceu Peterline.
 
Outra irregularidade relatada é o fato de que o empreendimento tinha apenas uma unidade consumidora cadastrada na Energisa, e o fornecimento e a medição da energia consumida pelos moradores do condomínio era feita pelos próprios empreendedores.
 
Na ação, é enfatizada a necessidade de garantir a reparação dos danos causados ao meio ambiente e aos consumidores.

Liminarmente, foi requerida a indisponibilidade de todos os bens imóveis pertencentes aos réus, sequestrando os lotes existentes dentro do referido empreendimento que ainda não tenham sido alienados a terceiros; determinação de que os réus abstenham-se de alienar os lotes existentes no empreendimento; determinação que o Município de Cuiabá se abstenha de expedir habite-se para o empreendimento.

No mérito, foi requerido a elaboração de um Plano de Recuperação de Área Degradada; reparação no valor de R$ 29.744.924,70; determinar ao Município de Cuiabá que se abstenha de expedir habite-se para o empreendimento Terra Selvagem Golfe.
 
Em caso de descumprimento de qualquer decisão futura, foi requerida a imposição de multa diária no valor de R$ 10 mil.
 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    21 Set 2017 às 11:01

    se era ilegal e preservado porque deixaram sair do papel ,agora vai prejudicar muitas pessoas, não deveria ter saído do papel deveriam ter impedido, justiça tardia é injustiça

  • Luis Carlos
    22 Ago 2017 às 08:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • EU SOU O BURRO
    21 Ago 2017 às 19:50

    Será que essa promotora não sabe que dentro devia-te anos,, as cidades: Cuiaba, Guia. Jangada, Acorizal, chapada e Coxipó do Ouro vão se interligar de moradias... será que ela que veio de longe. O florais, pedra 90, capão grande e outros bairros eram áreas rurais... ou ela não sabe ou não estufou o que é desenvolvimento urbanos..

  • pantaneiro
    21 Ago 2017 às 16:15

    Midia...mídia...mídia....

  • eleitor
    21 Ago 2017 às 14:48

    té quero estar vivo, para ver o fim dessa novela

  • Whydston Antonieto
    21 Ago 2017 às 14:23

    Espero não ser prejudicado por essa ação. Adquiri 05 lotes com muito trabalho e dedicação.

  • Antônio
    21 Ago 2017 às 13:15

    TÁ COM TEMPO HEIN!!!! TANTA COISA MAIS IMPORTANTE PARA SE PREOCUPAR!!!

Sitevip Internet