Olhar Jurídico

Sábado, 25 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

MP investiga comandante acusado de manter prostíbulo e policiais que surravam moradores

Da Redação - Lázaro Thor Borges

01 Set 2017 - 09:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MP investiga comandante acusado de manter prostíbulo e policiais que surravam moradores
Glayton Luz tinha se agachado para encontrar o sapato do seu sobrinho que havia caído no chão do Parque de Exposição de Gaúcha do Norte quando sentiu retumbar uma tapa na sua orelha. Sem entender o motivo, ele pediu desculpas enquanto o policial militar que o agrediu discutia. Tonto e em silêncio ele saiu do local.

Leia mais:
Após delação de Silval, PGR aciona STF contra concessão de incentivos a atacadistas em MT


Glayton é só um entre as dezenas de vítimas da Polícia Militar de Gaúcha do Norte, onde o comandante da base local é acusado de manter um prostíbulo e um soldado seria dono de uma empresa de segurança particular. Na última segunda-feira (28), a promotora de justiça Solange Linhares Barbosa abriu um inquérito civil para investigar estas e outras denúncias anônimas encaminhadas à Promotoria de Justiça de Paranatinga.

Bruno Moraes de Carvalho, Leonardo Andrade Araújo, Mario Sergio Lima Gomes, Erik Bruno Costa Ferreira, Mario Lima Gomes e Enilson Adelino Dantas são seis dos nomes investigados pela promotora. Contra Erik pesa a maioria das acusações. Ele é o suposto responsável pelas agressões a Glayton. Já Enilson Adelino Dantas é o comandante acusado de manter a Toca da Coruja, casa de prostituição do município. 

Em outra ocasião Erik teria deferido chutes contra a condutora de uma motocicleta. Rafael Aparecido Chaves Soares, Thalis Leonardo Silva Souza, Isaura Martins Lopes também constam como vítimas de agressões e ofensas em diferentes datas e ocasiões.

As agressões variavam entre chutes, socos e cassetadas. A maior parte dos ataques também resultou de motivos fúteis: desde ciúmes porque a vítima supostamente flertou com a namorada do militar, até estacionar em local proibido, manter som alto fora de horário ou manobras arriscadas com motocicletas.  

As informações anônimas recebidas pela Promotoria deram detalhes de que Erik mantém uma empresa de segurança particular e prestar serviços em períodos de folga ou de expediente. Ele também é acusado de perseguir àqueles que não contratam seus serviços.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Frederico
    07 Set 2017 às 07:11

    A policia novamente sendo vitima de hipocritas. Inversao de valores total, quando e ladrao nao pode por o nome , se por os direito dos mano entra em açao...agora uma denuncia que quer manchar os valorosos policiais poe o nome completo dos pms...porque de bandido nao pode e de polícial pode?

  • Brenda
    05 Set 2017 às 05:20

    Só defende vagabundo quem é vagabundo também. Pra quem gosta de fazer arruaça tem mais é que levar no pé da orelha mesmo, porque se deixar, esse povo da na cara da polícia. Senta o pau na cara

  • Aminadabe
    02 Set 2017 às 00:01

    Com certeza esses policiais estão incomodando a bandidagem. Ai começa esse mimimi e nhenhenhe vem MP e escambal, órgãos queparece não saber dos sofrimentos da maioria da população que trabalhar duro sol a Sol para pagar os pesadíssimos impostos para dar privilégios aosmarajas que ficam em palácios isolados das mazelas da população e só aparece para beneficiar quem anda contra a lei e trazendo problemas para a população.

  • Priscila
    01 Set 2017 às 20:28

    A justiça poderia ivestigar,sons dos bares,que enquanto temos uma autoridade na cidade está com decência e ordem, por que em outras ocasiões o volume e na maior altura. Encomodando o sono das pessoas que tem que trabalha no outro dia cedo.

  • Sthyvi
    01 Set 2017 às 17:36

    Eu não entendi o porque a foto da matéria é um policial de farda preto??? E Sr Freud oque tem haver esse fato desse policial com militarismo, diga se possagem a policia militar possue um setor chamado CORREGEDORIA, tem alguma coisa contra ou denuncia é so ir lá.

  • piro
    01 Set 2017 às 15:51

    É mais do que na hora da justiça tratar essa situação e resolver , e botar na cadeia esses valentão que só são homens porque tem armas, encara a população na mão limpa pra ver? cadeia pra esses safados.

  • Freud
    01 Set 2017 às 12:49

    É preciso discutir o fim da Militarização das Polícias! Somos um dos únicos países que ainda mantém esse tipo de Polícia! Isso é coisa da época da Ditadura Militar, por isso tantos abusos ainda permanecem!

  • Mister P
    01 Set 2017 às 11:55

    Vixxe!!! Os Donos do Mundo!!

  • ed
    01 Set 2017 às 10:27

    tudo santo

Sitevip Internet