Olhar Jurídico

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

Juiz mantém prisão de suposto líder do Comando Vermelho que recrutava membros e planejava crimes

Da Redação - Arthur Santos da Silva

06 Set 2017 - 10:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz mantém prisão de suposto líder do Comando Vermelho que recrutava membros e planejava crimes
O magistrado Marcos Faleiros, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, manteve a prisão preventiva decretada contra João Batista Sanches, vulgo “joãzinho”, atualmente preso na Penitenciária Central do Estado acusado de ser um dos principais articuladores das ações criminosas do Comando Vermelho. A decisão publicada no Diário de Justiça desta quarta-feira afirma ainda que o preso provisório é responsável por recrutar integrantes para a facção.
 
Leia mais:
Justiça agenda interrogatórios com 29 réus em ação sobre tortura e morte em treinamento do Bope


Joãzinho responde processo junto com Thiago Bento Almeida da Silva, Luiz Felipe da Silva Rosa, Joenilson Amancio Dias Braga e Jean Carlos de Melo Batista. Todos os nomes são réus pelo crime de constituição de organização criminosa.
 
O réu foi preso pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá, na ocasião da Operação Gatilho, no dia 12 de dezembro, que desarticulou um grupo criminoso envolvido em roubos e homicídios. Os crimes eram articulados dentro das penitenciárias e cometidos por membros da organização criminosa, que estavam fora dos presídios.
 
Segundo o processo, interceptações telefônicas demonstraram que João Batista “[...] é um dos principais articuladores das ações criminosas emanadas da organização e o responsável por recrutar integrantes para a facção”.

“O envolvimento do acusado com a organização criminosa ora tratada – Comando Vermelho em Mato Grosso – CVMT, bem a posição que ocupava dentro dela, são circunstâncias que demonstram a especial gravidade de suas condutas, assim como concretamente sua periculosidade”, afirmou o magistrada.
 
Conforme Faleiros, a substituição da prisão por medidas cautelares como monitoramento eletrônico não seria suficiente para manutenção da ordem pública. “Restou evidenciada sua extensa ficha criminal, com inúmeras condenações e processos em curso por diversos crimes graves, inclusive respondendo processo por homicídio na forma tentada”.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lucas aparecido dos santos
    06 Set 2017 às 11:58

    Louvável a vinda do Dr marcos para a sétima vara... enquanto a outra juíza solta sempre os membros do CV, ele os mantem na cadeia...

Sitevip Internet