Olhar Jurídico

Sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Notícias / Civil

Trescinco reverte decisão e conquista recuperação judicial por dívidas de R$ 58 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Set 2017 - 11:45

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Trescinco reverte decisão e conquista recuperação judicial por dívidas de R$ 58 milhões
O magistrado Claudio Roberto Zeni Guimarães, da Primeira Vara Cível de Cuiabá, voltou a homologar a recuperação judicial da empresa Trescinco, endividada em cerca de R$ 58 milhões. A decisão foi publicada no Diário de Justiça desta terça-feira (12).
 
Leia mais:
Homem que assassinou parceira após descobrir gravidez vai a Júri Popular


Conforme os autos, a Trescinco alcançou a suspensão de uma decisão que havia anulado a concessão da recuperação judicial no dia 9 de março de 2016. Na ocasião, a homologação foi interrompida após ser constatado um “sacrifício excessivo” aos credores.
 
A suspensão da anulação foi alcançada em um recurso especial oferecido pela própria Trescinco. A nova homologação vai de encontra a posicionamento dos bancos Bradesco e Banco do Brasil, principais credores na causa.
 
Na publicação desta terça-feira (12) foi determinado ainda o fim da blindagem da empresa e o cancelamento de uma assembléia geral dos credores marcada para os dias 21 e 29 de setembro.
  
O caso

A Recuperação judicial do grupo Trescinco compreende às concessionárias Trescinco Distribuidora de Automóveis Ltda e Trescinco Veículos Pesados Ltda. No total, o Grupo acumula uma dívida total de R$ 58 milhões. A empresa é uma das mais antigas no ramo de revenda de veículos em Mato Grosso como representante da marca Volkswagen

No pedido, o Grupo citou que a concorrência desleal a partir do ano de 2011, momento este desde então que o setor vem sofrendo no plano nacional dificuldades econômicas crescentes, como a redução das margens de venda, pouco capital de giro, atrelados ao pouco crescimento da economia brasileira, crise mundial, alta carga tributária e elevadas taxas de juros.

Com esse cenário, as empresas foram obrigadas a emprestar dinheiro no mercado com taxas próximas de 10% ao mês, o que estrangulou completamente todo o seu planejamento financeiro.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Reginaldo
    12 Set 2017 às 14:31

    Muitos estão na fila para receber grana da 35. Eu que o diga.

  • Renato PM
    12 Set 2017 às 13:07

    Enquanto isso o neto do proprietário ostenta em seu Porsche de mais de 500.000,00. Atrelado a essa ostentação, vem os preços exorbitantes cobrados pelos veículos da marca e pelos valores estratosféricos cobrados na revisão da Amarok.

Sitevip Internet