Olhar Jurídico

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

Ministros do STJ Mantêm coronel preso por interceptações ilegais

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Set 2017 - 16:40

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministros do STJ Mantêm coronel preso por interceptações ilegais
A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não conheceu o haebas corpus que buscava a liberdade do Coronel PM Zaqueu Barbosa.

Leia mais:
Com R$ 23 milhões em dívidas, construtora e indústrias de MT avançam em suas recuperações judiciais


Com a decisão, o requerente segue preso. Zaqueu está detido, em decisão do desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, por suposta participação em um esquema de grampos ilegais em Mato Grosso.
 
O STJ já negou liminar pela liberdade o militar, em decisão do ministro Ribeiro Dantas.
 
Na esfera estadual, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso ofereceu no dia 17 de julho denúncia criminal contra militares acusados de promoverem interceptações telefônicas ilegais.
 
Foram denunciados três coroneis, um tenente-coronel e um Cabo da PM. São eles, respectivamente, Zaqueu Barbosa, Evandro Lesco, Ronelson Barros, Januário Batista e Gerson Correa Junior.
 
Os cinco vão responder pelos crimes de Ação Militar Ilícita, Falsificação de Documento, Falsidade Ideológica e Prevaricação, todos previstos na Legislação Militar.
 
O caso

Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.

O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.
  
Barriga de aluguel
 
Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados.

Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Bob
    12 Set 2017 às 18:45

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Mauro
    12 Set 2017 às 17:34

    Lá vem taqa taca taqa taque taque taque taaaammmm.

  • José
    12 Set 2017 às 17:28

    Inversão de valores, bandidos e corruptos soltos, e pasmem, coronel da polícia preso. Esta semana ainda foram posto em liberdade vários acusados de desviar ERÁRIO PUBLICO, mas foram soltos por fragilidade de acusação. Enquanto isso o coronel tem mais um HC, negado. Vai entender os critérios usados por nossos distinto TJ.

  • WESLEY ALICIO
    12 Set 2017 às 17:12

    vixe outro arcanjo da vida.............

Sitevip Internet