Olhar Jurídico

Terça-feira, 21 de novembro de 2017

Notícias / Criminal

Juiz condena homem que matou pai de vereador durante assalto

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Set 2017 - 12:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz condena homem que matou pai de vereador durante assalto
O magistrado Lídio Modesto da Silva Filho condenou Edicarlos de Farias Silveira a 23 anos e 4 meses de reclusão pelo assassinato de Custodio Alves Pereira, pai do político Júlio da Power. A decisão é do dia 14 de agosto.
 
Leia mais:
Candidato é baleado e tem pai assassinado em ato de campanha; criança de 12 anos leva três tiros


A pena será cumprida em regime fechado devido a gravidade dos fatos. “Nego ao acusado o direito de recorrer em liberdade, objetivando a garantia da ordem pública e aplicação da Lei Penal”.
 
Conforme os autos, no dia 28 de setembro de 2016, na Praça do Sol Nascente, bairro Sol Nascente, Edicarlos tentou roubar 1 anel de ouro, 1 pulseira de ouro e 1 relógio de ouro, avaliados em R$ 7.900,00 pertencentes a Júlio da Power. Durante a ação o réu efetuou disparos de arma de fogo contra as vítimas, causando a morte de Custodio Alves.
 
“Sobressai nos autos que no dia e hora dos fatos, que o implicado estava numa motocicleta e com uma arma de fogo em punho, abordou a vítima Júlio anunciando o assalto, entretanto, seu genitor Custódio, ao ver uma arma apontada ao seu filho, postou-se à frente deste, quando o denunciado efetuou diversos disparos contra Custódio e Júlio, vindo o primeiro a óbito”. 
 
O crime ocorreu durante caminhada da campanha de Emanuel Pinheiro (PMDB) para a prefeitura de Cuiabá. Júlio da Power era candidato a vereador. O réu foi preso na cidade de Campo Grande e trazido para Cuiabá

“Pelo exposto, nota-se que há nos autos mais do que indícios, há provas eficientes de que EDICARLOS praticou os delitos e este tentou subtraiu objetos de valor de Júlio e ceifou a vida da vítima Custódio”, decidiu Lídio Modesto.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet