Olhar Jurídico

Segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Notícias / Civil

Ministério Público pede bloqueio de R$ 3 milhões nas contas de Jaime Campos e Murilo Domingos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Out 2017 - 13:50

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministério Público pede bloqueio de R$ 3 milhões nas contas de Jaime Campos e Murilo Domingos
O Ministério Público do Estado de Mato Grosso,requereu à Justiça o cumprimento de sentença proferida em desfavor dos ex-prefeitos do município, Jaime Veríssimo de Campos e Murilo Domingos, por atos de improbidade administrativa.

Leia mais:
Juiz federal nega absolvição de Silval Barbosa em ação sobre lavagem de R$ 5,2 milhões


Os dois foram condenados a devolver aos cofres públicos mais de R$ 3 milhões. Em caso de não cumprimento da decisão, já transitada em julgado, o MPE solicitou a penhora dos bens de ambos, até o valor do pagamento dos valores.

No caso do cumprimento da sentença, referente a Jaime Campos, o Ministério Público requereu o pagamento da multa civil no valor total de R$ 1.392.017,80.

Já Murilo Domingos terá que efetivar o pagamento da quantia fixada em sentença dos valores correspondentes ao dano moral  (R$ 200.000,00) e multa civil (R$ 1.620.527,30) no total de R$ 1.820.527,30.

Não havendo o cumprimento da obrigação no prazo legal – 15 dias - o MP requereu a efetivação da penhora on-line via Bacenjud, tanto dos bens de Jaime Campos, quanto dos bens de Murilo Domingos.

“Não sendo possível a efetivação da penhora on-line, requer-se que a penhora incida sobre tantos bens bastem para o pagamento do montante atualizado acrescido da multa de 10%. Em caso do devedor não ser localizado, sejam arrestados os bens necessários para a garantia da execução”.

O MPE requereu, ainda, a realização de pesquisa no sistema Renajud a fim de verificar a propriedade de veículo automotor pelos executados e, “decorrido o prazo para pagamento voluntário e acaso encontre eventual bem, que se proceda à penhora”.

Em caso de não pagamento dos valores, o MPE solicitou que o nome de ambos seja executado em cadastro de inadimplentes. “Que o agente condenado pela prática de improbidade administrativa seja inscrito no Cadastro Nacional de Condenações por Ato de Improbidade Administrativa”, ressaltou no pedido o promotor de Justiça, Deosdete Cruz Junior

Condenações

De acordo com o MPE, no cargo de prefeito, à época, Jaime Campos se valeu, dentre outros artifícios, da inauguração de obras, do repasse de verbas públicas e da entrega de materiais de construção e de cobertores à população carente do município de Várzea Grande para se promover, à custa da Administração Pública Municipal.

As provas juntadas aos autos, na avaliação do Ministério Público, ao contrário das alegações do Apelante, não possuem apenas um caráter educativo, informativo ou de orientação social, “haja vista a nítida intenção em divulgar o nome e a imagem do mesmo.

Já Murilo Domingos foi condenado devido ao envolvimento em esquema de direcionamento de licitações em favor das empresas R. Costa-ME e Ianomani Comércio e Serviços Ltda -ME

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jota Coutinho Araújo
    10 Out 2017 às 19:28

    Seu Jaime está sendo perseguido por alguns juizes. O político que trabalhou e muito pela Várzea Grande.

  • Saulo
    10 Out 2017 às 16:10

    Só Deus mesmo, pra nos proteger dos nossos políticos, não escapa ninguém.

  • João Rodrigues
    10 Out 2017 às 15:12

    Ué? Jayme Campos não Santo?

Sitevip Internet