Olhar Jurídico

Sábado, 21 de outubro de 2017

Notícias / Civil

​Desembargador do TJ nega liminar e vereador sofre nova derrota ao tentar afastar prefeito

Da Redação - Vinicius Mendes e Paulo Victor Fanaia

11 Out 2017 - 08:29

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

​Desembargador do TJ nega liminar e vereador sofre nova derrota ao tentar afastar prefeito
O desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Márcio Vidal, negou na última segunda-feira (9) a liminar requerida pelo vereador Felipe Wellaton (PV), que pedia o afastamento do Prefeito Emanuel Pinheiro, afirmando que o prefeito deverá ter garantido o direito ao contraditório e que não se afasta um agente político com base em alegações sem provas.

Leia mais:
Ministro do Supremo nega afastamento de Emanuel Pinheiro da prefeitura
 
Wellaton insistiu no pedido de afastamento do Emanuel do cargo de prefeito pelo fato de o prefeito ter suplementado o orçamento da Câmara, o que ele tem direito. Na decisão, publicada na última segunda-feira (9), o desembargador afirmou que não ficou demonstrada a necessidade do afastamento.

O vereador interpôs agravo de instrumento com pedido de liminar contra a decisão do juiz Bortolussi, mas foi indeferido. “O afastamento do servidor público de seu respectivo cargo ou função é medida excepcional, somente podendo ser conferido caso demonstrada a necessidade da media”, diz trecho da decisão do magistrado.

Desde quando reveladas as imagens do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (PMDB) embolsando maços de dinheiro em seu paletó, pelas câmeras escondidas do delator premiado Silvio César Corrêa Araújo, ex-assessor do ex-governador Silval Barbosa, o vereador Felipe Wellaton (PV) entrou na briga pelo afastamento de Pinheiro.

Em setembro, o parlamentar propôs ação popular pedindo a nulidade do decreto que suplementou o orçamento da Câmara em R$ 6 milhões, dias depois da rejeição da abertura da CPI, o que, segundo ele, causa estranheza. A reivindicação de Wellaton é para que Emanuel seja afastado do cargo enquanto estiver respondendo judicialmente pelas acusações de recebimento de propina enquanto deputado estadual.

“Esse decreto, que suplementa o orçamento da Câmara Municipal, gera um constrangimento e até uma dúvida da população, do porque a Câmara está recebendo esses mais de R$ 6 milhões, após uma votação conturbada que pedia uma CPI contra o prefeito”, justificou Wellaton. 

Em outra ocasião, levantou suspeitas contra o prefeito. “Os vídeos falam por si. O papel do vereador é ser a sua voz. É hora de enfrentarmos a velha política, de tomada de decisões em articulações e respeitar a sua vontade”, disse o vereador.

Wellaton tem ao seu lado o vereador Marcelo Bussiki na luta pelo afastamento do prefeito. "Até agora nenhuma palavra de esclarecimento sobre as imagens. A população não merece que este caso, que é o primeiro na história de Cuiabá, seja jogado para debaixo do tapete. E o pior, com a anuência de 19 vereadores”, defendeu Bussiki.

15 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • André
    13 Out 2017 às 08:28

    População de Cuiabá sobre nova derrota por TJ não conceder afastamento de prefeito que recebeu propina. Esse deveria ser o título da matéria.

  • Nill
    11 Out 2017 às 20:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • daniel
    11 Out 2017 às 14:43

    O Prefeito esta esperando a situação cair no esquecimento. É pior que assumir o que fez, sem carater nenhum mesmo

  • LUZ
    11 Out 2017 às 14:37

    Politico pode tudo!!!kkkk

  • RENATA
    11 Out 2017 às 14:34

    Dizer que o prefeito não errou, só porque, no momento dos videos era deputado e não prefeito, não esta colando muito, mas o vereador deve seguir em frente e pedir para o processo ir para o STJ, de repente lá alguém faz alguma coisa por Cuiabá

  • joao
    11 Out 2017 às 12:28

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jaques Zanco
    11 Out 2017 às 11:58

    Sem provas? Força, estamos com você Felipe.

  • Epaminondas da Silva Botelho
    11 Out 2017 às 11:56

    AS PESSOAS PRECISAM LER MAIS PRA COMENTAR CERTOS ASSUNTOS., SENÃO SE TORNA UM IDIOTA.

  • Natanael Bueno da Silva
    11 Out 2017 às 11:54

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Critico
    11 Out 2017 às 10:56

    Sem provas desembargador? E o video amplamente divulgado, onde o profeito enche os bolso de dinheiro nao é prova? Misericordia. No Brasil so tem valor e credibilidade é bandido, ladrao, corrupto. Essa é minha opiniao

Sitevip Internet