Olhar Jurídico

Sábado, 21 de outubro de 2017

Notícias / Criminal

Delegados se frustram com depoimento de coronel Lesco: confessou apenas para livrar personal da prisão

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

11 Out 2017 - 09:57

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

Helen Dias Lesco

Helen Dias Lesco

“Estratégia não convenceu”, concluiu o delegado da Polícia Civil Flávio Stringueta após cerca de 4h ouvindo o Coronel da Polícia Militar Evandro Lesco e sua esposa, a personal trainer Helen Cristy Dias Lesco, na tarde desta terça-feira (10). O casal decidiu confessar, confirmou os fatos levantados nas investigações, mas nada de novo trouxe. Resultado: o militar seguirá preso e as investigações sobre o esquema criminoso de interceptações ilegais no Estado prosseguem, agora com quatro supostos membros confessando suas participações.

Leia mais:
Coronel e esposa confessam grampos cometidos por militares em Mato Grosso, veja vídeo

“Ele confessou todos os fatos a ele atribuídos na ‘Operação Esdras’ em uma tentativa de livrar da cadeia sua mulher, Helen Cristy Lesco. Não acrescentou nada. Portanto, sua estratégia não convenceu. O que ele confessou já está plenamente confirmado nos autos”, avaliou o delegado Flávio Stringueta, que ao lado da colega Ana Cristina Feldner acompanhou o depoimento do casal.

Os fatos "confirmados nos autos", à que o delegado se refere, seria a tentativa de obstrução das investigações da PJC à 'grampolândia', por parte do Coronel da PM Evandro Lesco. “Coronel Lesco confessou sim a prática do crime de obstrução apurado na ‘Operação Esdras’”, reforçou ao Olhar Jurídico a delegada Ana Cristina Feldner.  

Em dado momento do interrogatório, por volta das 16h de ontem, Stringueta deixou o edifício do Complexo Ana Miranda Reis para cumprir diligências. Retornou com colegas após cerca de 30 minutos portando pastas, documentos e um computador lacrado. Segundo a PJC, trata-se de material que estava submetido à perícia técnica pela Politec, órgão responsável. A ação levantou a suspeita da imprensa de uma possível segunda fase da “Esdras”, tendo em vista o longo depoimento do Coronel da PM.

Possibilidade descartada pelo delegado. Ao Olhar Jurídico, Stringueta negou perspectiva de nova fase da operação para o futuro próximo.

Os depoimentos se iniciaram às 14h30 e foram encerrados por volta das 18h30. Evandro Lesco foi o primeiro a sair do prédio do Tribunal de Justiça (TJ), sendo conduzido para um veículo da PM que o levou para prisão. Já Helen Lesco, deixou o edifício pela garagem, em um veículo da Polícia Civil, coberta por um lençol branco para proteger o rosto. Imagens exclusivas do fotógrafo Rogério Florentino, de Olhar Direto, revelam a aliança que ela usava no dedo, o que não é permitido a presos da Penitenciária Ana Maria Couto.

A “Operação Esdras” foi desencadeada no dia 27 de setembro após o depoimento prestado pelo tenente coronel da Policia Militar José Henrique Costa Soares, revelou um verdadeiro esquema criminoso para frear as investigações sobre interceptações ilegais e afastar o desembargador Orlando Perri do caso.
 
Conforme os autos, em depoimentos prestados por Soares “descortinou-se um sórdido e inescrupuloso plano” no intuito de interferir nas investigações policiais e macular a reputação do desembargador Orlando Perri em todos os inquéritos instaurados.

Segundo o processo, Costa Soares foi convocado para atuar como escrivão no inquérito do caso grampos. Logo da convocação, a suposta organização criminosa teria buscado sua cooptação.
 
Seria tarefa do tenente coronel a juntada de informações sobre Perri para provocar a suspeição do magistrado.
 
Na Operação Esdras foram cumpridas medidas contra Paulo Taques, coronel Airton Benedito de Siqueira Júnior, o ex-secretário de Estado Rogers Eizandro Jarbas, o corornel Evandro Aexandre Ferraz Lesco, o sargento João Ricardo Soler, o major pm Michel Ferronato, Helen Christy Carvalho Dias Lesco (esposa de Lesco), o empresario José Marilson da Silva e o advogado Marciano Xavier das Neves.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • RYSXTER
    20 Out 2017 às 18:06

    se os cara da fez isso e os coro oque fazem.....

  • WESLEY MIELI
    11 Out 2017 às 13:21

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • alexandre
    11 Out 2017 às 13:12

    mega hair...

  • paulo escorpião
    11 Out 2017 às 10:55

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Alencar
    11 Out 2017 às 10:15

    Isso é óbvio. Não esqueçam que foi a esposa acompanhada da ex do Governador, na casa do policial pegar os telefones, a farda grampeada. Solta é perigo. Tem que ficar presa, onde está, lá é o lugar de quem pratica crime.

Sitevip Internet