Olhar Jurídico

Segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Notícias / Constitucional

Impedida de entrar em refeitório com roupão, criança receberá R$ 10 mil de indenização

Da Redação - Lázaro Thor Borges

12 Out 2017 - 08:25

Foto: Reprodução

Impedida de entrar em refeitório com roupão, criança receberá R$ 10 mil de indenização
Uma criança impedida de entrar no refeitório do Hotel Mato Grosso Águas Quentes com trajes de banho conseguiu na Justiça uma indenização por danos morais de R$ 10 mil. A mãe da menor alegou que a filha sofreu preconceito por ser negra, uma vez que outras pessoas estavam com roupas de banho durante o almoço e não foram impedidas de entrarem no local. 

Leia mais:
Empresa cuiabana pagará R$ 15 mil em danos morais por foto de modelo em propaganda


A decisão foi proferida na última segunda-feira (09) pelo juiz Emerson Luis Pereira Cajango da Quarta Vara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Por volta das 12 horas do dia 22 de maio de 2011 um funcionário do hotel teria barrado a entrada da filha de I.O.. A jovem usava um roupão atoalhado e teve de ir ao banheiro para se trocar. Entre outros danos, a vítima alegou discriminação pela cor da pele de sua filha. 

A mãe da criança ainda gravou um vídeo no refeitório para tentar provar que outros hóspedes também estavam com roupas de banho, mas as imagens foram desconsideradas como provas pelo juiz. O magistrado entendeu que o depoimento das testemunhas foi suficiente para comprovar o dano.

O juiz também afastou a possibilidade de racismo no caso. Para ele, não ficou comprovada as acusações feitas. “Trata-se de grave acusação, dependendo de provas robustecidas, o que não ocorreu no presente caso.”, explicou.

“Ante o exposto, nos termos do art. 487, I, do Código de Processo Civil, julgo procedentes os pedidos para condenar a pagar a quantia de R$ 10.000,00 a título de danos morais, acrescida de juros de 1% desde o evento danoso, qual seja 22 de maio de 2011, e corrigida monetariamente pelo índice INPC a partir da data desta sentença”, determinou. 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Reginaldo
    13 Out 2017 às 07:12

    2011? Adivinha o que esse funcionário continuou fazendo desde essa data até agora? Sensação de impunidade tem que acabar, de um jeito ou de outro!

  • Camila
    12 Out 2017 às 23:40

    Demorou 6 anos para julgarem???

  • totó
    12 Out 2017 às 20:02

    Deveria pagar 10 vezes mais que o valor mencionado na matéria publicada.

  • William
    12 Out 2017 às 13:35

    Mais de 6 anos depois pra julgar um simples caso de danos morais?! Eita Brasil atrasado...

  • Carol
    12 Out 2017 às 10:53

    A mãe ainda teve sorte do juiz ter condenado o hotel e não ter dado mero aborrecimento como é de praxe. Lamentável que isso ainda aconteça, apesar de saber que a empresa não treina seus colaboradores dessa maneira. #chupaessamanga @luiscarlosnigro

  • ELISABETH O MACHADO
    12 Out 2017 às 09:40

    EXCELENTE SENTENÇA.

Sitevip Internet