Olhar Jurídico

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Política de Classe

TJ rejeita pedido de 40 juízes para aumento salarial em 5%; veja lista

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

07 Nov 2017 - 08:30

Foto: Rogério Florentino/OlharDireto

Rui Ramos Ribeiro

Rui Ramos Ribeiro

O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), desembargador Rui Ramos Ribeiro, negou adicional de 5% ao salário de 40 juízes, o equivalente a cerca de R$ 1.500,00. A decisão foi publicada na última segunda-feira (6).

Leia mais: 
Desembargador mantém prisão contra PM acusado de vazar informações em operação


Na solicitação, estes 40 magistrados, todos de Comarcas do interior do Estado, alegam ingresso às suas atividades como substitutos em junho de 2012, tornando-se vitalícios em junho de 2017, de modo que hoje possuem direito ao adicional de 5% por quinquênio de serviço, conforme prevê o Código de Organização Judiciária (Coje) a própria Lei Orgânica da Magistratura (Loman).
 
O desembargador Rui Ramos negou os requerimentos, fundamentando que a Lei Complementar 242, de janeiro de 2006, alterou o sistema de renumeração da magistratura para o modelo de subsídio, deixando, portanto, para trás o modelo baseado pelos requerentes, antes previsto na Emenda Constitucional 41/2003, composto por vencimento e representação, acrescidos de Adicional por Tempo de Serviço (ATS).
 
"É pacífica a jurisprudência do STF ‘no sentido de que não há direito adquirido a regime jurídico pertinente à composição de vencimentos, desde que a eventual modificação introduzida por ato legislativo superveniente preserve o montante global da remuneração e, por efeito, não provoque decesso de caráter pecuniário’. Logo, inaplicável a antiga fórmula de composição da remuneração da magistratura, tendo em vista a alteração prevista na Lei Complementar n. 242, de 17 de janeiro de 2006”, decidiu o presidente.

O que representa o pedido:
 
Conforme o Portal da Transparência vinculado ao site do TJ, os rendimentos líquidos dos magistrados variam entre R$ 28 mil e R$ 36 mil, de modo que o aumento do salário em 5% representaria um aumento que varia entre R$ 1.400,00 e R$ 1.800,00. 

O custo médio ao erário, caso aprovado fosse o aumento, seria de R$ 64 mil ao mês e R$ 768 mil ao ano. 

Solicitaram aumento de 5% os magistrados: 
 
Alcindo Peres da Rosa (Juscimeira)
 
Alexandre Meinberg Ceroy (Juscimeira)
 
Alexandre Paulichi Chiovitti (Água Boa)
 
Alexandre Sócrates da Silva Mendes (Juara)
 
Arom Olimpio Pereira (Barra do Bugres)
 
Augusta Prutchansky Martins Gomes Negrão Nogueira (Barra do Garças)
 
Cassio Leite de Barros Neto (Nova Mutum)
 
Claudia Anffe Nunes da Cunha (Campo Novo do Parecis)
 
Claudio Deodato Rodrigues Pereira (Pontes e Lacerda)
 
Cristhiane Trombini Puia Baggio (São José do Rio Claro)
 
Darwin de Souza Pontes (Canarana)
 
Edna Ederli Coutinho (Mirassol D’Oeste)
 
Ednei Ferreira dos Santos (Jaciara)
 
Evandro Juarez Rodrigues (Peixoto de Azevedo)
 
Fabrício Sávio da Veiga Carlota (Juara)
 
Giselda Regina S. de Oliveira Andrade (Colíder)
 
Henriqueta Fernanda Chaves Alencar Ferreira Lima (Mirassol D’Oeste)
 
Ivan Lúcio Amarante (Vila Rica)
 
Janaína Rebucci Dezanetti (Alta Floresta)
 
Jean Garcia de Freitas Bezerra (Mirassol D’Oeste)
 
João Filho de Almeida Portela (Barra do Bugres)
 
Laura Dorilêo Cândido (Jaciara)
 
Leonardo de Araújo Costa Tumiati (Pontes e Lacerda)
 
Leonísio Salles de Abreu Júnior (Chapada dos Guimarães)
 
Luciana de Souza Cavar Moretti (Nova Mutum)
 
Luciene Kelly Marciano Roos (Nova Xavantina)
 
Luis Felipe Lara de Souza (Arenápolis)
 
Marcelo Sousa Melo Bento de Resende (Comodoro)
 
Márcio Rogério Martins (Pedra Preta)
 
Maria Lúcia Prati (Campo Verde)
 
Myrian Pavan Schenkel (Poxoréu)
 
Pedro Davi Benetti (Água Boa)
 
Pedro Flory Diniz Nogueira (Juara)
 
Pierro de Faria Mendes (Alto Araguaia)
 
Ramon Fagundes Botelho (Água Boa)
 
Raul Lara Leite (Juína)
 
Renato Jose de Almeida Costa Filho (Araputanga)
 
Sílvio Mendonça Ribeiro Filho (Colíder)
 
Thatiana dos Santos (Cláudia)
 
Valter Fabricio Simioni da Silva (Jaciara)

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Povo de MT
    07 Nov 2017 às 22:22

    Poxa já ganham bem e querem mais??? Vamos pensar nas pessoas que pagam seus impostos e mantém o estado. Por isso estamos nessa quebradeira ter que manter altos salários.

  • Imposto pago retorno zero
    07 Nov 2017 às 19:13

    São muito sem noção demais ,só um salário desse desembargador deve ser uma fortuna ,tiram 02 férias por anos absurdo demais e fora as licenças recebendo tudo integral, farra com o suor do povo

  • condeprata 1
    07 Nov 2017 às 14:29

    Enquanto isso os processos abarrotam o tribunal e prestação jurisdicional encontra - se bombando. ai ´é facil !

  • Servidor
    07 Nov 2017 às 13:55

    Aí, daqui uns 12 anos, o TJMT vai pagar tudo de uma vez, de forma corrigida, perfazendo uns 300mil reais, e todo mundo vai cair criticando os juízes por "receber elevados salários". Foi isso que aconteceu em setembro por aqui!

  • Alencar
    07 Nov 2017 às 12:44

    É pra acabar!

  • Armindo de Figueiredo Filho Figueiredo
    07 Nov 2017 às 11:50

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Paulo
    07 Nov 2017 às 10:39

    TADINHOS. TÃO PRECISADOS..EITA PRESIDENTE MALVADO!!!!!

Sitevip Internet