Olhar Jurídico

Terça-feira, 21 de novembro de 2017

Notícias / Política de Classe

Participação da OAB em sindicância contra juíza Selma é "inadmissível", avalia corregedora-geral

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

13 Nov 2017 - 11:00

Foto: Olhar Direto

Maria Aparecida Ribeiro

Maria Aparecida Ribeiro

Por se tratar de procedimento sigiloso, seria inadmissível a presença da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na sindicância instaurada contra a magistrada Selma Rosane Arruda, explicou a corregedora-geral de Justiça Maria Aparecida Ribeiro. Ao Olhar Jurídico na manhã desta segunda-feira (13), a desembargadora explicou a situação do procedimento, que neste momento encontra-se paralisado, aguardando pedidos de vistas.

Leia mais:
Acusado de tentar matar quatro haitianos em bar de Cuiabá passa por júri popular

“O procedimento agora se encontra com vistas, pois levantei uma questão de ordem. A vista foi pedida pelo desembargador José Zuquim, esperamos agora que ele traga vistas para continuarmos com o julgamento. A questão é se vamos ou não admitir a OAB no procedimento de sindicância”, resumiu a desembargadora.

Ela explica melhor. “A OAB foi admitida, pelo ministro-corregedor, no processo de Reclamação (contra a Magistrada da Sétima Vara Criminal), e como ele determinou que eu apurasse os fatos, aqui eu entendi que na Sindicância, por ser sigilosa, não seria admissível (a presença da OAB). Se o Pleno decidir que a OAB é admissível, para mim não há problema algum, espero eles decidirem”.

No último dia 09, 11 desembargadores dos 30 que compõem o Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT) votaram pela anulação da sindicância instaurada contra Selma. Os votantes consideraram que houve cerceamento da participação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no procedimento. A sindicância atende pedido do advogado Francisco Faiad, ex-presidente da Ordem em Mato Grosso.

Questionada sobre qual será o fundamento para não admitir a OAB no procedimento, Maria Aparecida Ribeiro encerra o assunto. “Temos que obedecer aos princípios que regem as prerrogativas do magistrado, que é principalmente de ser submetido a uma sindicância sigilosa”.

À reportagem, a desembargadora negou-se a avaliar os possíveis efeitos práticos da inclusão da OAB neste procedimento sigiloso.

A sindicância é uma peça preliminar e informativa que pode gerar um processo administrativo disciplinar. Faiad apontou que a magistrada Selma Arruda cometeu diversas infrações ao Código de Ética da Magistratura Nacional e à Lei Orgânica da Magistratura (Loman), como quebra do dever de imparcialidade, emissão de juízo depreciativo sobre decisão judicial, manifestação de opinião sobre processo em andamento, criminalização da advocacia (ofensa à classe), comportamento imprudente perante a imprensa, autopromoção e busca de reconhecimento com pretensões política.
 
Em abril deste ano, o advogado entrou com uma reclamação disciplinar no CNJ (Conselhor Nacional de Justiça) contra Selma. Foi requerido o afastamento da magistrada e a conseqüente aposentadoria compulsoria.
 
Foi o ministro João Otávio de Noronha, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que requereu a remessa das investigações ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Faiad réu

Faiad tornou-se réu no ano de 2017 em ação proveniente da Operação Sodoma, relatada pela juíza Selma Arruda.
 
Conforme o Ministério Público, uma organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa teria cobrado propina de empresários, entre os anos de 2011 e 2014, para fraudar licitações e manter contratos com uma empresa de fornecimento de combustível para a frota do governo do estado e com uma empresa de informática.
 
Ao todo, o grupo teria desviado R$ 8,1 milhões das secretarias de Administração (extinta SAD e atual Secretaria de Gestão) e de Transporte e Pavimentação (extinta Setpu e atual Secretaria de Estado de Infraestrutura).
 
Faiad é suspeito de ter se aproveitado do cargo de secretário estadual de Administração, que ocupou em 2013 para receber parte da propina. Ele chegou a ser preso, em fevereiro de 2017, em conseqüência do Caso.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ricardo Ramos
    13 Nov 2017 às 13:59

    É interessante notar que a inversão de valores atingiu em mais altos níveis os órgãos de controle (?) do Estado. Senão vejamos: a desembargadoria hibernava enquanto Sinval e alguns secretários delapidavam os cofres públicos. O TCE, outro órgão de controle (?) estava tão envolvidos na administração passada que o STF afastou cinco dos seus ministros. A OAB, que teoricamente não teria na da a ver com as maracutaias, agora também quer participar da sindicância instaurada contra a magistrada Selma Rosane Arruda. Tudo porque o senhor Faiad, que segundo a magistrada participou da organização criminosa liderada pelo ex-governador Silval Barbosa que, entre outros, teria cobrado propina de empresários, entre os anos de 2011 e 2014. Então senhores desembargadores, já que vocês não fizeram nada para estancar a sangria desatada da administração passada, deixem pelo menos quem quer combater a corrupção trabalhar. Deixe esta digníssima Senhora em paz! Contudo não esqueçam que, segundo a bíblia, a inveja nos leva a desejar algo que não é nosso e sentir tristeza pelo bem dos outros. Então deixe de ser invejosos e trabalhem, afinal são muito bem remunerados para o pouco que produzem.

  • Imposto pago retorno zero
    13 Nov 2017 às 13:13

    essa OAB e seus membros não tem crédito com a sociedade, Inclusive tem muito advogado que não tem ética na profissão recebem e some do cliente recebem as ações e ficam quietinhos já vi vários casos vários

  • Cidadão do povo
    13 Nov 2017 às 12:33

    É esse o verdadeiro motivo da sindicância contra a juíza que já prendeu o Faiad. Querem Proteger Faiad. Acorda TJ e acorda MT!

Sitevip Internet