Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Notícias / Geral

TJMT cobra Taques pelo pagamento de duodécimo de 2017; Poder recebeu R$ 148 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Jan 2018 - 09:36

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

TJMT cobra Taques pelo pagamento de duodécimo de 2017; Poder recebeu R$ 148 milhões
O Tribunal de Justiça de Mato Grosso, liderado pelo dezembargador Rui Ramos, cobrou na noite de quarta-feira (10) o pagamento integral do duodécimo devido pelo governador Pedro Taques, chefe do Poder Executivo.
 
Leia mais:
Associação dos defensores vai ao Supremo pedir que Taques pague duodécimo atrasado


Conforme nota oficial, o Judiciário recebeu em dezembro R$ 148.891.280,23. O valor é de outubro e parte de dezembro. Restam ainda os valores de dezembro e parte do que deveria ter sido destinado em novembro.
 
Dos meses atrasados, em 1º de dezembro a instituição recebeu duodécimo destinado ao custeio das despesas com pessoal e extra pessoal referente ao mês de outubro.
 
Em 28 de dezembro de 2017 foi feito repasse parcial referente ao mês de novembro, para o custeio parcial das despesas com pessoal e o custeio integral com as despesas extra pessoal.
 
Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça, os valores recebidos são empregados no custeio das atividades do Poder Judiciário de Mato Grosso e na realização de investimentos necessários ao aprimoramento dos serviços, tanto na sede do Tribunal Tribunal quanto nas 79 comarcas.
 
“Em relação a 2017, restam pendentes ainda o repasse de parte do duodécimo referente ao mês de novembro, bem como totalidade do duodécimo referente ao mês de dezembro”, afirmou a assessoria.
 
 O sindicato
 
No começo de janeiro de 2018 o presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso (Sinjusmat), Rosenwal Rodrigues, protocolou um requerimento endereçado ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rui Ramos cobrando informações sobre os valores que foram repassados ao Poder, por meio do duodécimo, no ano de 2017. 

O Sinjusmat alegou perdas por conta de atrasos e levantou a possibilidade de acionar o governador por crime de responsabilidade.
 
Defensoria

A Associação Nacional dos Defensores Públicos foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) em dezembro de 2017 pedir liminarmente que Pedro Taques pague o duodécimo dos meses de setembro, outubro e novembro. A quantia é de R$ 15 milhões.

O recurso

Tanto a Constituição da República quanto a de Mato Grosso determinam que o duodécimo seja usado pelas instituições públicas e pelos Poderes para a compra de equipamentos, material de trabalho, pagamento da folha salarial e outras despesas. 

O repasse é dividido em 12 vezes e cada instituição tem o direito garantido na Lei Orçamentária Anual (LOA) de receber uma porcentagem da receita corrente líquida do Estado.

Para o Poder Judiciário, o valor destinado é de 7,7%, enquanto o Ministério Público do Estado recebe 3,11%. O Tribunal de Contas do Estado recebe 2,71%, já a Defensoria Pública do Estado tem direito a 0,9% da receita líquida, enquanto a Assembleia Legislativa recebe 3,5% das receitas correntes.

Desde 2016, por causa da dificuldade no fluxo de caixa, o Governo tem acumulado atrasos de duodécimos.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Imposto pago retorno zero
    13 Jan 2018 às 10:51

    Porque eles tem que Ganhar tanto e o trabalhador muito pouco ou nada, isso é JUSTIÇA?? Deveriam dar bons exemplos o povo não aguenta mais sustentar tantos marajás ,isso tem que acaber urgente ,MPE, TCE sirvam a população

  • Chacal
    12 Jan 2018 às 10:49

    Tem que manter as mordomias.

  • Salcheado
    11 Jan 2018 às 19:23

    Esse Tal de Duodécimo deveria ser extinto e o dinheiro revertido para a saúde, educação e segurança. Se todas essas instituições parassem de funcionar nada aconteceria. É a tal da farra com o dinheiro público.

  • fernando
    11 Jan 2018 às 17:19

    SILVAL METEU A MÃO E O "MIMIMI" TÁ METENDO OS PÉS...NÃO ENTENDE NADA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA...

  • James Anderson
    11 Jan 2018 às 14:37

    Não se preocupe Excelentíssimo Desembargador Presidente o Taques é assim mesmo, quando ele quiser ele paga. Ele sabe que ninguém faz nada mesmo pra que se preocupar. Pax Et Lux!

  • Prof. Orlando
    11 Jan 2018 às 12:45

    E muita grana para ALMT e TCE, gente!!!! Enquanto a DP fica com 0,9% isso é um absurdo... A demanda da DP é muito maior sem contar a prestação direta do serviço.... A ALMT fica com a metade do TJ, só desembargador são 30, sem contar os magistrados... O TJ esta presente em 80 comarcas, enquanto a AL ocupa uma quadra e numero de deputados bem menor.... Vamos ser mais sensíveis senhores deputados e conselheiros...

  • Prof. Orlando
    11 Jan 2018 às 12:45

    E muita grana para ALMT e TCE, gente!!!! Enquanto a DP fica com 0,9% isso é um absurdo... A demanda da DP é muito maior sem contar a prestação direta do serviço.... A ALMT fica com a metade do TJ, só desembargador são 30, sem contar os magistrados... O TJ esta presente em 80 comarcas, enquanto a AL ocupa uma quadra e numero de deputados bem menor.... Vamos ser mais sensíveis senhores deputados e conselheiros...

Sitevip Internet