Olhar Jurídico

Terça-feira, 26 de março de 2019

Notícias / Eleitoral

Vereador é cassado no TRE por possuir parentesco com prefeito

Da Redação - Arthur Santos da Silva

31 Jan 2018 - 16:32

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Vereador é cassado no TRE por possuir parentesco com prefeito
O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, por unanimidade, cassou o diploma do vereador de Serra Nova Dourada, Marco Antônio Barreira de Oliveira.

Leia mais:
MPE afirma que bom comportamento não garante progressão e pede que Arcanjo seja mantido preso


Para a Corte, o parlamentar não poderia ter concorrido ao cargo nas eleições de 2016, pois possuía parentesco com o prefeito do município e candidato à reeleição.

O parlamentar pode recorrer da decisão junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e neste caso, só deixará o cargo se a instância superior mantiver a cassação.  

Nas Eleições Municipais de 2016, Marco Antônio foi eleito vereador por Serra Nova Dourada. 

Após a Eleição, o Ministério Público Eleitoral interpôs um Recurso contra Expedição de Diploma no TRE-MT, em desfavor do parlamentar. Segundo o MPE, Marco requereu o registro de sua candidatura na Justiça Eleitoral sem informar que era irmão de Deusilene de Oliveira Souza, a qual vivia em união estável com o prefeito do município e candidato à reeleição, Edson Yokio Ogatha. 

Ainda de acordo com o Ministério Público Eleitoral, o referido parentesco tornaria o candidato inelegível nos termos do art. 1º, § 3º, da Lei Complementar 64/90 c/c o art. 14, § 7º, da Constituição Federal de 1988. 

Ao se defender, o vereador alegou não ser cunhado e nem possuir qualquer parentesco com o prefeito Edson Yokio e que houve apenas um relacionamento amoroso entre sua irmã o e chefe do Poder Executivo Municipal, o qual inclusive, foi interrompido em 2015. 

O relator do recurso,  desembargador Pedro Sakamoto, explicou que foi possível verificar no processo a patente ocorrência da inelegibilidade reflexa determinada pelo vínculo do parentesco por afinidade entre o recorrido Marco Antônio e o prefeito Edson. 

"A instrução processual demonstrou existir uma relação de união estável entre a Sra. Deusilene e o Sr. Edson, amplamente comprovada mediante publicações jornalísticas datadas de 2013 a 2015, bem ainda, de cópias de publicações extraídas da rede social Facebook de ambos, colacionadas pelo Parquet, datadas de 31.8.2015 a 4.10.2016, na qual constam fotos do casal e dos seus filhos, com diversas menções à palavra família. Desta feita, verifica-se a existência de relação de parentesco, por afinidade (cunhado), entre o candidato a vereador Marco Antônio Barreira de Oliveira, ora recorrido, e o [então] prefeito e candidato à reeleição Edson Yokio Ogatha, contemporânea ao exercício do seu mandato, subsumindo-se, pois, à hipótese de inelegibilidade de que trata o art. 14, § 7º da CF/88, igualmente prevista no art. 1º, § 3º, da LC n. 64/90".

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • marcos oliveira pinto
    01 Fev 2018 às 12:29

    cunhado nao é parente, tanto que cunhado nao recebe herança, nao deixa herança para cunhado, nao assume divida, nem nada.... lei absurda... parente é pai e mae, tio e tia, vo e voh, sobrinho e sobrinha, filho e filha, primo e prima, e adotado (Filho).... cunhado(A), genro, enteado(a), nora, sogro(a), nao sao parentes

  • Critico
    31 Jan 2018 às 23:18

    Pq o TRE não cassa os prefeitos corruptos, só vereador?

Sitevip Internet