Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de outubro de 2018

Notícias / Agrário

Juíza de MT palestra sobre conflitos fundiários no Estado em Seminário Internacional

Da Redação - Vinicius Mendes

09 Jun 2018 - 09:47

Foto: Reprodução

Juíza de MT palestra sobre conflitos fundiários no Estado em Seminário Internacional
A juíza Adriana Sant’Anna Coningham, da 2ª Vara Cível – que tem a competência de processar e julgar ações que envolvam conflitos agrários coletivos no Estado e possessórios individuais urbanos e rurais da comarca de Cuiabá, palestrou no IV Seminário Internacional de Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico, dia 5 de junho, em Campinas (SP).
 
A magistrada mato-grossense apresentou “Conflitos Fundiários no Estado de Mato Grosso, sob a ótica da Vara Agrária”, no evento organizado pelo Grupo de Governança de Terras da Universidade de Campinas (Unicamp).
 
Leia mais:
Com alta em conflitos por terra, MT registra 71 assassinatos e cinco massacres
 
Segundo a juíza, o grupo tem como proposta debater as questões vinculadas à governança de terras no Brasil e no mundo, bem como discutir os dilemas e desafios ligados à propriedade, ao uso da terra e à concepção mais abrangente de desenvolvimento econômico, com enfoque no tema da regularização fundiária.
 
“Abordei a estrutura do Poder Judiciário para lidar com os conflitos fundiários e liderar a interlocução entre os órgãos envolvidos por meio das comissões de assuntos fundiários”, contou Adriana Coningham.
 
A magistrada demonstrou como os conflitos se desenvolvem, quais as principais causas, as perspectivas atuais e possíveis soluções. “Além disso, destaquei que com a nova lei de regularização fundiária (Lei 13. 465/2018), os órgãos fundiários serão mais demandados e precisam estar mais bem estruturados. A regularização fundiária é uma ação importante para pacificar os conflitos pela terra, cuja governança débil, resultou no cenário atual”, revelou.
 
Adriana Coningham compôs a mesa 1 – ‘Conflitos, desmatamento e irregularidades: retrato da débil governança de terras’, ao lado do consultor da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação na América Latina e Caribe (FAO), Richard Torsiano, e do professor da Universidade Federal do Pará Girolamo Treccani.

O seminário ocorreu de 4 a 5 de junho, no Instituto de Economia da Unicamp, sob o comando do professor titular do instituto Bastiaan Philip Reydon.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ADN
    11 Jun 2018 às 07:12

    É a obrigação de fazer e bem feito pois é para isso que são muito bem remunerados. Mas não precisa de holofotes pra não se queimar.

  • Francisco das chagas Cardoso Silvaa
    10 Jun 2018 às 03:14

    Alei no noso brasil e eronika porq aceita o direito de posser en cima de propriedade.

  • Graci Ourives de Miranda
    09 Jun 2018 às 14:24

    Sociedade, atentem para o fundo desta imagem, quantas noites, dias e horas esta juíza e assessores ficam estudando cada caso. TODOS servidores da Vara agrária merecem nossas orações e respeito. GRaci O. Miranda. Escritora

  • Graci Ourives de Miranda
    09 Jun 2018 às 14:20

    Juiza Adriana Coningham, sempre escuta as partes , e sempre esteve ao lado do lícito. Sim sim e não é não. Esta grande Juíza , ÉTICA e de caráter brilhante MERECE nosso maior respeito. Graci Ourives de Miranda. Escritora/professora.

Sitevip Internet