Olhar Jurídico

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Criminal

Justiça condena ex-presidente do Indea a oito anos de prisão por fraude em licitações

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira e Vinicius Mendes

10 Ago 2018 - 09:54

Foto: Reprodução

Décio Coutinho

Décio Coutinho

O juiz Marcos Faleiros da Silva, da Sétima Vara Criminal, condenou o ex-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) Décio Coutinho a oito anos de prisão (em regime semiaberto) e perda de função pública. A decisão, proferida no dia 12 de julho, foi publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira (10).

Em alegações finais, a defesa do acusado Décio Coutinho pugnou pela absolvição do réu, aduzindo falta de provas para condenação.

Leia mais:
Mato-grossense é exonerado de cargo em ministério de Dilma
 

Narra da denúncia, que Décio Coutinho, aproveitando-se do cargo que ocupava de presidente do Indea/MT, agindo com Leon Enrique Kalinowski oliveira, proprietário e administrador da empresa LK Editora & Comunicação Ltda., adquiriu cartilhas, por duas vezes, da referida empresa, nos anos de 2004 e 2006, sem a realização do devido processo licitatório e com valores superfaturados nas duas aquisições.
 
De acordo com o Ministério Público, o objeto das contratações foi o fornecimento de cartilhas destinadas ao treinamento de servidores do corpo técnico do Indea/MT e de pequenos produtores rurais, visando à capacitação nas áreas de aplicação de agrotóxicos com pulverizador costal manual, uso correto e seguro de produtos agrotóxicos, aplicação de vacina contra febre aftosa e aplicação de vacina contra brucelose.

A primeira contratação foi formalizada no valor de R$ 137.200 para a aquisição de onze mil manuais. Apesar da contratação se referir à elaboração e confecção do material, na realidade a empresa apenas realizaria o serviço de diagramação, ilustração e impressão das cartilhas, sendo que a produção intelectual seria realizada pela equipe de técnicos do próprio Indea, durante jornada regular de trabalho, portanto, a produção intelectual seria toda custeada por recursos públicos.

Agindo com os mesmos objetivos e fazendo uso do mesmo modus operandi, no ano de 2006, os denunciados realizaram a contratação direta da editora, para a aquisição de mais vinte mil cartilhas, cuja aquisição atingiu o valor de R$ 207.000.

A auditoria e investigações realizadas constataram que os valores praticados pela empresa LK Editora & Comunicação Ltda., nas duas contratações, estavam muito além do preço praticado no mercado. Foi constatado um superfaturamento de R$ 344.200.

A defesa defendeu a absolvição de Décio, alegando falta de provas. O juiz Marcos Faleiros da Silva, no entanto, não atendeu o pedido.

“Por todo o exposto, existem provas seguras em apontar que o acusado deixou de exigir licitação fora das hipóteses previstas em lei, inobservando as formalidades pertinentes à dispensa ou à inexigibilidade, praticando, assim, a conduta descrita na peça acusatória. Desse modo, merece a condenação”.

Por estes crimes ele foi condenado a oito anos de prisão, que será cumprida no regime inicial semiaberto, e a oitenta dias-multa, no valor de um trigésimo do salário mínimo para cada dia-multa. Além disso ele foi afastado da administração pública e deverá arcar com os custos e despesas processuais.

O Olhar Jurídico entrou em contato com Decio, mas ele preferiu não se manifestar. Já o advogado José Antônio Alvares, responsável pela defesa de Décio, continuou afirmando que há falta de provas.

"É claro que nós vamos recorrer e continuar com a mesma expectativa de absolvição por falta de provas, uma vez que não houve qualquer participação do Décio Coutinho neste episódio, foi tudo absolutamente regular, com determinação do campo técnico, da necessidade desta publicação", disse o advogado.


Atualizada às 11h14.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cristóvão Freitas
    13 Ago 2018 às 08:14

    Essa prática e realizada, em geral, por todas as Agências Estaduais de Defesa Agropecuária que realizam convênio, principalmente com o Ministério da Agricultura, para ações dos Programas Sanitários Nacionais. A CGU e o MPF tem o dever de auditar esses repasses mediante os convênios. Um trabalho sério e responsável irá encontrar irregularidades e ilícitos. Que tal começar pelo Estado do Pará? ADEPARA.

  • Só observo
    10 Ago 2018 às 16:16

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Rico
    10 Ago 2018 às 11:52

    Éh! Demora mas a conta chega pra todos que abusam do poder momentâneo .

  • Paulo Crente
    10 Ago 2018 às 10:55

    Semi aberto? kkkkkkkkkkkk brasil sil.

  • Servidor
    10 Ago 2018 às 10:44

    E o pior que arrastou SERVIDORES HONESTOS nessa armadilha. Por isso os advogados das autarquias têm que LER e RELER pra emitir qualquer PARECER ou se negar e enviar a PGE pra não ser enquadrado como CONIVENTE só porque tem uma hierarquia autárquica.

  • paulo escorpião
    10 Ago 2018 às 10:23

    é só malandragem mesmo viu, a justiça em vez de trabalhar para o bem da sociedade vive sò apurando roubo de cargo politico é uma vergonha esse estado.

Sitevip Internet