Olhar Jurídico

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Geral

TJMT leiloa imóveis em bairros nobres da capital; apartamento vale R$ 1,2 milhão

Da Redação - Vinicius Mendes

10 Out 2018 - 16:32

Foto: Google

TJMT leiloa imóveis em bairros nobres da capital; apartamento vale R$ 1,2 milhão
Começou nesta terça-feira (9) o terceiro leilão de 2018, da Comarca de Cuiabá para venda de bens móveis e imóveis. O leilão é destinado à alienação dos bens oriundos de penhoras em execuções, processos criminais e da administração pública. No próximo dia 18 de outubro, será realizada a segunda praça, com início às 14 horas, no auditório Antônio Elisandra, localizado na Avenida São Sebastião, n°1447, bairro Goiabeiras, e poderá também ser acompanhada pela internet.
 
Leia mais:
Com lance mínimo de R$ 64 milhões, fazenda de Grupo JPupin em MT vai a leilão eletrônico
 
No primeiro dia do leilão foram colocados à disposição para o público presente e que se cadastrou na internet, 136 lotes com imóveis urbanos e rurais e os bens móveis, como veículos, e objetos diversos como caixas de som. Conforme o regulamento os bens que se encontram armazenados no depósito do Fórum podem ser examinados para o próximo leilão no dia 17 de outubro, das 14h às 17h.

Entre os 136 lotes estão: um terreno de com 2.123,70m² no valor de R$ 2.025.585,33; um apartamento no Edifício Paul Cezane, de 243,110m², no valor de R$ 1.200.000; uma casa no Condomínio Village das Américas II, no valor de R$ 1.419.103,89; cinco lotes de terreno no valor de R$ 1,3 milhão.
 
Para a leiloeira pública oficial Luzinete Mussa de Moraes Pereira a avaliação da primeira praça de leilão foi muito positiva. “Tivemos uma grande participação tanto presencial, quanto pela internet. Os lotes foram bem disputados. Hoje a maior participação foi do público que estava à procura de sucatas de carros e motos, os preços estavam bem acessíveis e são bens entregues de imediato,” destacou a leiloeira.
 
Vale lembrar que durante o leilão a Luzinete anuncia cada lote, indicando o valor da avaliação e aí os bens podem receber lances de “viva voz” no próprio local do leilão ou pela internet, mediante cadastro prévio, por meio do site utilizado pela leiloeira oficial.
 
De acordo Adilton Pereira da Silva, que é dono de um ferro velho no bairro Dom Aquino em Cuiabá, vale a pena participar do leilão, ajuda a alavancar o seu comércio.
“Eu sempre participo dos leilões realizados pelo Poder Judiciário. Compro principalmente os lotes de sucata para depois vender as peças” disse o comerciante animado com as compras feitas neste primeiro leilão.

Mais informações sobre o leilão pelo site do TJMT.
 
Leilão
 
É importante frisar que os lances ofertados são irretratáveis, que em primeira praça somente foram aceitos lances a partir do valor da avaliação judicial e que, não havendo lances nesta primeira praça, serão aceitos lances em segunda praça com valores a partir de 50% da avaliação, com exceção de veículos alienados para os quais serão aceitos lances a partir de 80%.

De acordo com o regulamento, o arrematante presente no leilão “deverá entregar ao leiloeiro, no ato da arrematação, a título de sinal/caução, cheque no valor equivalente a 25% (vinte e cinco por cento) do lance ofertado, além de outro no valor equivalente a 5% (cinco por cento) da comissão devida à leiloeira, quais serão apresentados a depósito em caso de inadimplemento do lote”.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet