Olhar Jurídico

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Criminal

Servidor condenado a sete anos por matar namorada espancada com picareta cumprirá pena em regime aberto

Da Redação - Wesley Santiago

11 Out 2018 - 09:29

Foto: Rogério Florentino / OD / Reprodução

Servidor condenado a sete anos por matar namorada espancada com picareta cumprirá pena em regime aberto
O servidor público João Batista Andrade, acusado de matar sua namorada, Silvânia Menegildo Valente, espancada com golpes de picareta, em novembro de 2011, no Bairro Santa Amália, em Cuiabá, foi condenado a sete anos e seis meses de reclusão. A Justiça o considerou culpado, mas como ele havia cumprido mais de quatro anos da pena, poderá ficar no regime aberto.

Leia mais:
​Servidor acusado de matar namorada espancada com picareta vai a júri

João Batista foi condenado pelo juri pelo homicídio da namorada. Ao todo, a pena aplicada é de sete anos e seis meses. Porém, como ele já cumpriu quatro anos e um mês internado compulsoriamente em uma clínica de recuperação de drogados, a defesa apelou para que ele cumprisse o restante da pena em liberdade, o que foi concedido.

A magistrada Mônica Catarina Perri Siqueira ainda lembrou que "o réu é tecnicamente primário; não possui antecedentes criminais e tem endereço certo. Verifica-se, também, que ele permaneceu em tratamento de dependência química durante a maior parte da instrução processual e que em fevereiro de 2016 foi autorizada sua desinternação compulsória, a fim de submeter-se a tratamento ambulatorial no CAPS".

A pena total seria de nove anos de reclusão. Porém, como o acusado confessou o crime espôntaneamente, ela foi reduzida em um ano e seis meses. 

A decisão também traz que "as circunstâncias do crime integram o próprio tipo penal. Conforme acolhido pelo Conselho de Sentença o crime não foi cometido mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e também não foi empregado meio cruel para a execução".

O caso

No dia 3 de novembro de 2011, Silvânia foi encontrada desacordada na casa de João Batista e encaminhada ao Hospital Jardim Cuiabá. Ela morreu no dia seguinte. Testemunhas disseram à polícia que ouviram gritos vindo de dentro da residência e depois um carro saindo em alta velocidade.

O suspeito se apresentou à Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) quatro dias depois, alegando que não estava em seu juízo normal no dia do crime, já que havia consumido muitas drogas e bebidas alcoólicas.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra ele por homicídio qualificado. Ele teria usado uma picareta sem cabo para agredir a vítima.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • carlos george de carvalho davim
    14 Out 2018 às 16:45

    São por essas e muitas, que o povo resolveu eleger BOLSONARO. Pelo amor de Deus, a nossa legislação é um convite ao crime.

  • Alyne
    12 Out 2018 às 02:35

    Agora vão la e votem no vermelho que quer discriminalizar drogas, soltar bandidos (está na proposta dele) e não vê necessidade de reformular o código penal! Parabéns judiciário, mostrando MAIS UMA VEZ que o crime compensa!

  • Triste
    11 Out 2018 às 10:40

    a vida de uma mulher em MT não vale nada, agora com aval do judiciário. Parabéns aos envolvidos.

  • Msria
    11 Out 2018 às 10:24

    Bolsonaro nele!Por osso o crime compensa!!

Sitevip Internet