Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Notícias / Geral

Desembargador suspende afastamento e prefeito de Barra do Garças volta ao cargo

Da Redação - Flávia Borges

04 Mar 2015 - 10:29

Foto: Divulgação

Desembargador suspende afastamento e prefeito de Barra do Garças volta ao cargo
O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Paulo da Cunha, determinou a imediata suspensão da decisão proferida pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Barra do Garças, Jurandir Florêncio Castilho, que havia afastado temporariamente o prefeito Roberto Ângelo de Farias pela não implantação do piso salarial nacional para os profissionais do magistério público da educação básica.

Leia mais
Prefeito é afastado por não implantar piso salarial aos professores

O advogado Rodrigo Cyrineu alegou que a decisão atacada gera manifesta lesão à ordem jurídica e à segurança político-institucional do Município de Barra do Garças, “o qual se vê subtraído de seu burgomestre por agente estatal manifestamente incompetente e com base em decisão judicial despida de fundamento legal autorizador.”

Ainda segundo Cyrineu, o afastamento das funções administrativas o impede de dar cumprimento à decisão proferida nos autos da Ação Civil Pública com Obrigação de Fazer, não se demonstrando medida eficaz à solução da controvérsia, ainda mais quando existentes outros instrumentos a garantir o cumprimento da decisão, como o bloqueio de valores.

Para o desembargador, a liminar deferida pelo juiz Jurandir Florêncio Castilho, não está amparada pela legislação. “Malgrado não se mensure, ao certo, quais seriam as consequências concretas geradas ao Município com o afastamento do prefeito, irrefutável é que a liminar deferida pelo Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Barra do Garças não está amparada pela legislação, nem possui fundamentação idônea, revestindo-se de ato atentatório à ordem pública”.

O presidente do TJ destaca que o Tribunal da Cidadania possui entendimento no sentido de que, ainda na hipótese de Ação Civil Pública por Improbidade Administrativa proposta contra o prefeito, somente se admite seu afastamento cautelar quando comprovada, satisfatoriamente, a existência de risco à instrução processual, revelando-se medida de extrema excepcionalidade.

“Ou seja, as possibilidades de afastamento do Chefe do Executivo Municipal estão restritas aos comandos da Lei n. 8.429/92. Significa dizer, que a decisão liminar proferida nos autos da Ação de Cumprimento Provisório de Sentença, originária de Ação Civil Pública de Obrigação de Fazer, se mostra despida de legalidade”.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • bosco
    04 Mar 2015 às 19:53

    O nosso pais não têm mais jeito ,não Mato grosso está no ranque das pilantrage..

  • racoso
    04 Mar 2015 às 10:54

    Promessas do Beto em sua campanha eram boas, iam devolver um pouco de dignidade ao povo Barra-garcense, mas decepciona a cada dia, e já soubemos que mais uma vez fomos enganados com estorias bonitas contadas por politico, já não me faz diferença qual politico assume a Prefeitura de Barra do Garças. Nosso Pais esta se transformando em uma terra onde manda é o dinheiro é o estado de MAto Grosso está com a corrupção escancarada e ainda assim ficam de coitados...até quando ..até quando suportaremos ...

Sitevip Internet