Olhar Direto

Terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Notícias / Mundo

Ativistas denunciam execução de norte-coreana por distribuir Bíblias

Associated Press

24 Jul 2009 - 14:50

Uma cristã norte-coreana acusada de distribuir Bíblias --um livro banido pelo regime comunista da Coreia do Norte-- foi executada publicamente no mês passado, denunciaram nesta sexta-feira ativistas de direitos humanos.

Ri Hyon Ok, 33, foi acusada também de espionar para a Coreia do Sul e para os Estados Unidos e de organizar movimentos dissidentes, afirmou a Comissão Investigativa de Crimes contra a Humanidade. O relatório da ONG incluía ainda uma cópia do documento de identidade e afirma que o marido, filhos e parentes de Ri foram enviados para a prisão no dia seguinte à sua execução, em 16 de junho passado.

O fechado governo norte-coreano não confirmou ou mesmo comentou o caso. A execução, contudo, marcaria um duro golpe em um país onde o cristianismo já floresceu e cuja capital, Pyongyang, já foi chamada de Jerusalém do Leste pela predominância da religião cristã.

Segundo à Constituição, a Coreia do Norte garante a liberdade de religião. Na realidade, contudo, o regime restringe severamente qualquer culto que não seja ao ex-ditador Kim Il Sung, fundador da nação, e seu filho, o atual diretor Kim Jong Il.

O governo autorizou quatro igrejas estatais: uma católica, duas protestantes e uma ortodoxa russa. Contudo, elas só podem ser frequentadas por estrangeiros. Ainda assim, mais de 30 mil norte-coreanos seriam cristãos.

O Departamento de Estado americano afirmou em relatório no ano passado que "liberdade religiosa genuína não existe na Coreia do Norte."

O relatório indica ainda que o governo norte-coreano tomou novos passos para interromper o aumento dos cristãos clandestinos, particularmente nas áreas de fronteira com a China. As medidas incluem o envio de militares em igrejas e a organização de falsas reuniões religiosas como armadilha para cristãos convertidos.

Ri foi executada, segundo a ONG, na cidade de Ryongchon. Outra cristã, Seo Kum Ok, 30, foi preso e torturado próximo à mesma cidade. Ela foi acusada de tentar espionar as instalações nucleares norte-coreanas em nome da Coreia do Sul.

O relatório dos EUA estima que haja 6.000 cristãos presos na Prisão Nº 15, no norte do país comunista, onde os detentos cristão sofrem piores tratamentos do que os demais.
Sitevip Internet