Notícias / Cidades

28/09/2011 - 09:09

Casa do Índio virou Cemitério de viaturas da Funasa

16 comentários

De Barra do Garças - Ronaldo Couto

Foto: Ronaldo Couto

32 viaturas com motores fundidos, faltando pneus e peças apodrecem no Araguaia

32 viaturas com motores fundidos, faltando pneus e peças apodrecem no Araguaia

Uma verdadeiro cemitério de carros detonados é o que virou a Casa do Índio mantida pela Fundação Nacional do Índio (Funasa) no município de Aragarças-GO divisa com Barra do Garças, 503 km de Cuiabá. O mais impressionante que são caminhonetes e carros seminovos de 2006 para cá faltando peças, pneus e até motor que estão sem manutenção apodrecendo no sol e na chuva.

O cemitério de viaturas da Funasa funciona na antiga sede do Grande Hotel, que na década de 50 hospedou o presidente Getúlio Vargas e um príncipe do Pais de Gales que visitou a região do rio Araguaia. As viaturas foram encostadas com problemas mecânicos e falta até mesmo de peças enquanto isso o governo adquire novas viaturas para manter o atendimento aos 12 mil índios xavantes e 800 bororos que existem na região de Barra do Garças.

Um dos prestadores de serviço para Funasa, o empresário Roberto Garcia Miranda, proprietário da oficina Mundial Auto Center, disse que a maioria das viaturas foram estragadas de maio para cá justamente no período que a Funasa rompeu o contrato com a prestadora de serviço Good Card, do Rio Grande do Sul, responsável pelo serviço de manutenção das viaturas. “O contrato foi rompido por suspeita de irregularidade e nós que éramos terceirizados desta empresa ficamos no prejuízo”, explica Miranda.

O empresário barra-garcense disse que tem R$ 100 mil para receber da Funasa. Sobre o cemitério das viaturas, Miranda acredita que é um desperdício de dinheiro público porque são viaturas seminovas que devidamente reformadas podem ser novamente utilizadas pela comunidade indígena. “É fácil quebrar e parar uma viatura e compra outra nova porque é dinheiro público. Deveria se ter uma fiscalização melhor sobre isso”, argumenta.

Segundo Miranda, esse assunto já foi repassado ao Ministério Público Federal e a Procuradoria Geral da República (PGR) para apurar essa situação. Enquanto isso os veículos estão se acabando no pátio da Funasa em Aragarças aguardando a realização de um leilão.

Desde maio de 2010, segundo Miranda, a sua oficina reformou e arrumou 42 viaturas acumulando uma dívida de R$ 100 mil que ele aguarda ser ressarcido pela Funasa. “Existe outros fornecedores na mesma situação do que eu”, completou.

Procurada a unidade da Funasa de Barra do Garças, a direção informou que não pode se manifestar sobre o assunto e somente através de assessoria em Cuiabá ou Brasília.

Exibindo de "01" à "10" do total de "16" comentários:

por Débora Gisele Sotério, em 09/11/2011 às 15:19
bom na minha parte eu acho isso uma falta de responsabilidade com as coisas. ganham carros novos e não cuidam. se continuar assim manda pra gaúcha do norte. por que aqui também precisa muito de um carro pros índios daqui. eles precisam mais disso. por que já perdemos muitas pessoas por falta de carro.pessoas doentes que precisam de socorro e não tem carro para buscar. então eu acho assim ter mais responsabilidade com as coisas que vocês ganham. bom isso não só com os índios daqui eu acho que também com os índios de cidade de barra do garças. eu acho que deve cuidar mais dos povos indiginas. é isso. de= DÉBORA GISELE
por Ynaruki, em 07/10/2011 às 22:48
A Sesai que agora e responsável por tudo que era responsabilidade da Funasa,este prédio histórico que a Prefeitura de Aragarças tenta a mas de 4 anos um pedido de transferência para o Município isso foi vetado porque ele custo muito caro para fazer deste hotel uma casa do índio,eu pessoalmente estive na comissão juntamente com vários indígena onde alegamos os nossos direitos porque o dinheiro que foi pago foi para beneficiar os indígena, porque antes de vender não pensarão que ele era histórico só penso na bolada do dinheiro na época, quanto dinheiros já foram desviados dos indígena e ate o momento não foram devolvidos e nem vão devolver,querer pegar algo de volta de graça e bom ninguém da nada para índios de graça como um prédio deste ,paga-se muito caro e agora quer de volta isso e comado para os branco enquanto tive movimento indígena que luta contra pessoas que se acha muito esperto,.Ele não sera devolvido ao município....
por João Xavante Aldeia Goiânia, em 02/10/2011 às 18:14
Eu acho isso ai uma vergulha com o dinheiro púplico, o empresário não tem culpa de nada eu acho que ele tem que receber pois alguem mandou fazer o serviço, e esse alguem tem que pagar na époco quem chefiava era uma tal de Maria Maranhão, e o chefe de transporte era o Chico e agora os dois fujiram da situação, eu sou Xavante e tenho vergulha dessa matéria e agora quem vai nos ajudar, sera que vai ser o chapolim colorado que vai resolver esse proplema, Maria Maranhão e Chico cade voçes ainda moram na Barra.
por João Xavante Aldeia Goiânia, em 02/10/2011 às 18:14
Eu acho isso ai uma vergulha com o dinheiro púplico, o empresário não tem culpa de nada eu acho que ele tem que receber pois alguem mandou fazer o serviço, e esse alguem tem que pagar na époco quem chefiava era uma tal de Maria Maranhão, e o chefe de transporte era o Chico e agora os dois fujiram da situação, eu sou Xavante e tenho vergulha dessa matéria e agora quem vai nos ajudar, sera que vai ser o chapolim colorado que vai resolver esse proplema, Maria Maranhão e Chico cade voçes ainda moram na Barra.
por Paulo Pancada, em 28/09/2011 às 20:15
A reportagem deveria atentar que não existe mais Sede Da Funasa em Barra do Garça, pois a partir do Final de 2010, foi Criada a Secretaria de Saúde Indigenas, dentro do Ministériio da Saúde , o qual ficou responsavel pela Saúde indigenas, sendo os equipamento e viaturas sob a responsabilidade do Dsei Xavante que ficou vinculada a dita SESAI, portanto quem informu que deveria buscar uma resposta em Cuiabá, passou informação errada, deve-se sim busca-la em Brasilia, no Ministerio da Saúde onde fica a Sede da SESAI, afinal esse Dsei sempre transferindo responsabilidade. E esse empresário que se diz prejudicado, quando ele estava mamando na teta do governo , junto com cheffe do transporte do Dsei Xavante, não efetuou qualquer reclamação.
por claudio, em 28/09/2011 às 19:40
È lamentável ver um prédio histórico referencia do município ser transformado em depósito de sucada da Funasa. Tramita na sede do órgão em Brasília, há mais de 4 anos um pedido de transferencia do prédio para o município em sistema de comodato, a fim de ser reformado e instalado alí o Memorial Histórico e Cultural. Parabens pela matéria.
por Zé do Coice, em 28/09/2011 às 17:49
O NOME DO PROBLEMA NÃO É ÍNDIOS - É POLÍTICOS... AS ELEIÇÕES VEM POR AÍ... LIMPA O TERRENO MARCÃO... DÁ SEUS PULO WLADIMIR... AH!!! IA ME ESQUENDO... O PROBLEMA É FEDERAL.... A É... FARINHA DO MESMO SACO PT NO MUNICÍPIO E PT EM BRASILIA. VOTA POVÃO...
por brasileirobatalhador, em 28/09/2011 às 14:08
e assim, nosso governo trata tão bem os que dizem "os verdadeiros brasileiros" ou são AS PEDRAS NO SAPATO, DO NOSSO DESENVOLVIMENTO.................
por Cuiabano, em 28/09/2011 às 11:49
Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.
por Sérgio G, em 28/09/2011 às 11:17
Pra índio carro com 3 anos de uso já é sucata, isso tudo se não for a leilão vai pro ferro velho. A prefêrencia dos índio é Toyota. 4X4.