Olhar Direto

Domingo, 24 de setembro de 2017

Notícias / Cidades

Considerado como epidemia, suicídio aumenta no Estado; ignorância e fatores culturais impedem tratamento

Da Redação - André Garcia Santana

07 Jun 2016 - 08:15

Foto: Olhar Direto

O médico Lawrence Oliveira de Assis, explica que os tabus acerca do tema devem ser quebrados.

O médico Lawrence Oliveira de Assis, explica que os tabus acerca do tema devem ser quebrados.

Considerado como assunto tabu em quase todos os meios, o debate acerca do suicídio ganha status de urgência, tornando-se caso de saúde pública no país. Em Mato Grosso, um levantamento recente da Secretaria de Estado de Segurança Publica (Sesp), mostrou um aumento de 50% na média mensal de casos registrados entre 2015, quando houve 109 mortes, e 2016, com 60 registros até abril. Assim, os números para este ano correspondem, até o momento, a 15 suicídios por mês, enquanto que os do ano passado chegaram a 10, no total.
 
Neste cenário, o avanço da depressão, os mitos relacionados à saúde mental e a negligência do Poder Público com o setor, são apontados pelo médico psiquiatra Lawrence Oliveira, como fatores determinantes para o acréscimo nas estatísticas. Logo, o primeiro passo para a resolução do problema, considerado por ele como uma epidemia mundial e silenciosa, é a informação. “Nossa cultura, de modo geral, rechaça o suicido, que é visto como pecado por praticamente todas as religiões. Então ninguém quer falar sobre isso, o que dificulta muito a conscientização e detecção.”

Leia mais:
CVV nacional completa 54 anos de prevenção ao suicídio e abre vagas para novos voluntários em Cuiabá


As ressalvas ao tema não se restringem a população comum, fazendo com ele seja evitado também pelos profissionais da saúde, que, por medo de induzir o paciente ao ato, acabam não o abordando. O médico explica que este erro é comum e defende uma abordagem clara, na qual o possível suicida seja questionado se já pensou em se matar, se já fez planos para tirar a própria vida e se já chegou a tentar algo contra si alguma vez.
 
A partir destas respostas, é possível identificar o estágio em que a pessoa se encontra e encaminhá-la para tratamento especializado. “Estas questões devem ser englobadas por toda a estrutura de saúde, desde a atenção primária, do agente que visita as casas, pra colher informações. A maioria dos pacientes suicidas tenta falar sobre isso em algum momento, e passam mensagens que não são interpretadas, como no caso do rapaz que se jogou do Portão do Inferno.”
 
A imagem cruel e agressiva criada em torno da psiquiatria e o preconceito contra a especialidade, que também ajuda pessoas com desordens mentais mais severas, são lembrados como outros fatores que inibem a busca de ajuda psiquiátrica. “É preciso acabar com essa cultura de que ir ao psiquiatra é coisa de louco, para que a procura e a identificação dos casos seja possível. Tem gente que, par não ir ao psiquiatra, procura um neurologista.”


 
Somam-se a estas barreiras as deficiências na saúde pública, que, na avaliação do médico, é ineficaz e insuficiente no atendimento à pacientes com qualquer tipo de transtorno. Em Cuiabá, onde ele afirma não haver uma rede de saúde mental, o Hospital Adauto Botelho é usado como exemplo de sucateamento, e o atendimento primário é apontado como falho. Além disso, os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) também não apresentariam estrutura física e profissional para o atendimento e acompanhamento adequados.
 
“É um problema múltiplo, porque falta investimento físico, em material e também em pessoas. Nos Caps, por exemplo, eu vejo que falta muito empenho. Nós encaminhamos o paciente pra lá e o profissional libera, alegando que está tudo bem e que não é preciso mais atenção intensiva. Em outros casos, o paciente começa com uma medicação e ela acaba, interrompendo a seqüência no tratamento. Nem nossa rede particular é preparada pra isso. Fica então este questionamento ao governador: Até quando a saúde mental vai ser negligenciada, fazendo vítimas em todo o Estado?”
 
Comportamento suicida e tratamento
 

Presos a uma situação de ambivalência, os suicidas convivem paralelamente com o desejo de viver e morrer. Assim, embora queiram dar sequencia a vida, precisam de uma solução para seus problemas e não conseguem vislumbrar outras opções além da morte. O paciente pode então passar por três estágios que envolvem o suicídio: o pensamento, o planejamento e a tentativa. Este último fator está diretamente ligado ao impulso, que pode surgir em momentos diferentes da vida.

Deste modo, mesmo aparentando estar bem, o indivíduo pode estar enfrentando uma destas situações, que também podem estar ligadas a aspectos genéticos. O tratamento começa no consultório, quando identificamos a gravidade do problema. Se o paciente diz que já tem planos de se matar, a família é chamada imediatamente e inclusive recebe os medicamentos receitados, para evitar que o suicida sabote a própria medicação.

“Pessoas que tem parentes suicidas tem chance maior de manter o legado. Há ainda fatores relacionados a depressão, uso de drogas, abandono e traumas de infância.É preciso estar sempre atentos ao que chamamos de 4 depressão, desesperança,  desamparo e desespero.” Ele afirma ainda que o tratamento pode ser efetivo, e que a situação pode não se repetir, se houver sucesso no acompanhamento.
 
Para os que convivem com alguém que apresenta estes sintomas, é preciso perder o medo de se aproximar das pessoas e oferecer ajuda. A pessoa que está numa crise suicida se percebe sozinha e isolada. Se um amigo se aproximar e perguntar “tem algo que eu possa fazer para te ajudar?”, a pessoa pode sentir abertura para desabafar. Nessa hora, ter alguém para ouvi-la pode fazer toda a diferença. “O suporte de familiares e amigos é essencial, e também faz parte do tratamento. Pra quem tem conhecidos que passam por isso, a primeira atitude é levar a pessoa ao psiquiatra, que dará os outros encaminhamentos”, explica.
 
Perfil das vítimas
 

De acordo com um estudo do Centro de Valorização da Vida (CVV), o suicídio cresce não somente por questões demográficas e populacionais, mas também por problemas sociais que prejudicam o bem-estar de cada um e que estimulam a autodestruição. Nossa sociedade vive com diversas situações de agressão, competição e insensibilidade. Campo fértil para que transtornos emocionais se desenvolvam. Neste contexto, os grupos de maior risco são os de idosos e adolescentes.

Leia mais:
'Setembro amarelo' estimula prevenção do suicídio por meio da conversa sobre o tema
 
No primeiro caso, o desejo suicida pode surgir decorrente da situação de abandono e inutilidade, comum a muitos dos cidadãos da terceira idade. Para resolver esta situação, Lawrence destaca o papel da família e a inclusão do idoso em atividades que o façam se sentir ativo. No segundo caso, as principais motivações são abusos psicológicos e sexuais, e desestabilidade familiar.
 
Pesquisas mostram ainda variáveis entre o gênero das vítimas homens se matam mais, embora mulheres tentem mais vezes, uma tendência acompanhada por causas culturais relacionadas a costumes e preconceitos sociais. “Normalmente os métodos escolhidos pelos homens são mais eficazes, como tiro e enforcamento. Já as mulheres recorrem mais a remédios, inalação de gás, e outras formas que podem ser reversíveis.
 
CVV
 
Voluntária no Centro de Valorização da Vida (CVV) de Cuiabá, Isaura Titon, lembra que o serviço está disponível todos os dias, 24 horas, e encoraja sua busca por qualquer um precise ser ouvido. Ela ressalta o aumento de casos envolvendo jovens e adolescente, e também alerta para que os mais próximos estejam atentos. “É preciso discutir esse tema cada vez mais. O suicídio já éconsiderado um problema de saúde pública, e no CVV temos um lema, de que se uma vida for salva, todo o trabalho já valeu a pena", explica. 
Leia mais:
Dependendo de doações, CVV pede ajuda e alerta para o aumento do número de suicídios
 
Ela conta que a ajuda também se estende aos sobreviventes e familiares, uma vez que, para cada morte, há pelo menos seis pessoas enlutadas. Para isso, os grupos se reúnem semanalmente na Rua Comandante Costa, nº 296, no bairro Centro Sul. O atendimento por telefone é realizado pelo número 141 (Cuiabá e Várzea Grande) e (65) 3321-4111 (interior de Mato Grosso). Todos os atendentes são voluntários que atuam em diversas áreas, mas que têm em comum a vontade de ajudar e ouvir.

13 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nilma do Amaral
    21 Mar 2017 às 08:13

    muito importante esse trabalho de uma grande ajuda às famílias que passam por essas situações. a minha filha suicidou com 16 anos de idade.

  • Elaine
    10 Jun 2016 às 18:47

    Muito triste, ler algo assim. Para quem se interessar! Existe uma técnica terapêutica, que trata as emoções represadas, está sendo muito usada em consultórios psicológicos em Goiânia. Mas o melhor de tudo, que essa técnica pode ser aprendida por qualquer pessoa. E ajudar a si mesmas, familiares, amigos e ou se quiserem podem vir trabalhar como terapeutas Holísticos. Quem tiver interesse pode mandar e-mail, que mando informações a respeito. Terá um curso em setembro, ministrado por um médico.

  • luzia pinho
    10 Jun 2016 às 17:15

    como faco pra ser voluntario

  • Celina
    08 Jun 2016 às 07:57

    Não vamos confundir esquizofrenia com depressão.

  • Celina
    08 Jun 2016 às 07:54

    Todo depressivo em sua maioria sabe o motivo da depressão, só não consegue falar sobre o assunto ele fica cego e nao deixa ser ajudado, as vezes fica dentro da pessoa sentimento muito grande de dó quem é depressivo sabe o que estou falando

  • Jo
    08 Jun 2016 às 04:53

    Boa Noite? Sou uma depressiva suicida e estou em tratamento intensivo, pois em fevereiro tentei pela 2° x suicidar, e posso dizer com toda certeza do descaso e descrença de muitos q estão próximo a vc relacionados a este a assunto,. Só quem passa por essa situação sabe o quão é difícil é dolorido. Tenho um filho de 2 anos e meio e nem por isso eu deixei de pensar e arquitetar a minha própria morte ,como fulga e livramento desse sofrimento , são dores no físico na alma dores insuportaveis. Hoje me encontro em tratamento , já estou estabilizada medicamentosa é uma longa batalha pela frente em se cuidar ,se amar e descobrir novas chances de se livrar da depressão. A sua atenção um só minuto p este assunto tão abafada e marginalizada pela sociedade nos tempos de hoje ainda. Cuide de quem se ama, ofereça ajuda carinho e proteção, pode ter certeza já é um passo p um depressivo se abrir e querer ajuda. Obrigada pela atenção Assinado: Uma paciente em tratamento psiquiátrico e psicólogo, esperançosa em ser curada ou pelo menos ficar estabilizada pelo um longo tempo.

  • Jorge
    07 Jun 2016 às 18:12

    A depressão é uma doença silenciosa e tratada de forma preconceituosa por muitos ate que sorrateiramente ela chega perto de você. Peço a Deus livramento para todos que passam por esta situação!

  • ANTONIO
    07 Jun 2016 às 18:09

    Boa noite !! faço faculdade e estou no final dela necessitando de alguns serviços voluntariados e vi que vocês trabalham com o mesmo, como faco para fazer parte ?

  • Laurinha
    07 Jun 2016 às 12:57

    Parabéns pela matéria, suicídio assunto que ninguem da muita importancia , mas que é uma coisa seria. parabéns parabéns

  • Ze Pinguela
    07 Jun 2016 às 10:54

    O que leva ao suicídio é realmente a depressão. Mas o que leva à depressão? Vários fatores, inclusive o desemprego, a situação financeira, questões familiares, vícios em drogas e até as músicas de hoje em dia que falam tanta besteira que leva o psicológico da pessoa para baixo. Resultado: Depressão!

Sitevip Internet